-->Acromegalia: fotos, sintomas, tratamentos e causas

Acromegalia: como identificar e normalizar os níveis de GH

A acromegalia é uma doença endócrina rara caracterizada por níveis elevados de hormona de crescimento (GH) e IGF-1 no sangue. O tratamento é cirúrgico, sendo usada a terapia medicamentosa ou a radioterapia da glândula pituitária para controlar alguns sintomas, que incluem, o aumento das mãos e pés, alteração das características facial, dentes espaçados, entre outros.

A glândula pituitária é uma glândula endócrina, localizada na base do cérebro, que controla, produz e secreta vários hormônios, incluindo o crescimento. Geralmente, o aumento do hormônio do crescimento está relacionado ao desenvolvimento de um tumor benigno na glândula pituitária.

A acromegalia é uma das chamadas “doenças raras”, e a maioria dos casos ocorre em pessoas de meia-idade. Embora também possa ocorrer em crianças que ainda estão em fase de crescimento, podendo levar a uma condição conhecida como gigantismo.

Acromegalia

Abaixo você tem um índice com todos os pontos que discutiremos neste artigo:

Causas

A acromegalia ocorre quando o corpo produz muito hormônio do crescimento. A causa do hormônio em excesso é quase sempre a glândula pituitária. Nos adultos, um tumor é a causa mais comum de excesso de hormônio do crescimento:

Tumores da pituitária: A maioria dos casos de acromegalia é causada por um tumor não canceroso (benigno), ou adenoma, da glândula pituitária. Esses tumores podem exercer pressão sobre os tecidos próximos à medida que crescem, dando origem a alguns dos sintomas da acromegalia, como dores de cabeça e problemas de visão.

Tumores da pituitária: Em algumas pessoas, a acromegalia é causada por tumores benignos ou cancerígenos em outras partes do corpo, como os pulmões, o pâncreas ou as glândulas supra-renais.

Sintomas

O paciente com acromegalia geralmente tem as mãos e os pés aumentados, lábios grossos, características faciais alteradas, maxilar, nariz e testa aumentados e dentes amplamente espaçados, protrusão da mandíbula e das sobrancelhas. Em muitos casos, os pacientes também transpiram excessivamente.

Além das mudanças na fisionomia, a cefaleia é muito frequente e, se o tumor hipofisário for grande, pode comprimir os nervos ópticos e causar dificuldades visuais.

Hipertensão, elevação do colesterol, glicemia ou diabetes mellitus são comuns. Arritmias cardíacas ou alterações no funcionamento das válvulas cardíacas também podem ocorrer.

A evolução a doença é gradual, por esse motivo, os sinais não são imediatamente evidentes.

Outros sintomas incluem:

  • Apneia do sono.
  • Fadiga.
  • Fraqueza
  • Aumento de peso.
  • Aumento do coração e, como consequência, desmaio.
  • Pressão arterial alta.
  • Menos força muscular.
  • Aumento da tireoide.
  • Diabetes tipo 2.
  • Voz grossa e rouca.
  • Dor nas articulações.
  • Odor no corpo.
  • Sudorese excessiva.
  • Espessamento da pele e / ou papilomas cutâneos.
  • Pele oleosa como resultado do aumento das glândulas presentes na pele.
  • Nas mulheres, hirsutismo (crescimento excessivo de pelos).
  • Dor de cabeça.
  • Diminuição da visão periférica.
  • Mandíbula, grandes ossos faciais e língua.
  • Síndrome do túnel do carpo (pressão excessiva no nervo mediano, no pulso).
  • Pólipos no cólon.
  • Sangue nas fezes.
  • A pele grossa
  • Muitos pelos no corpo
  • Aumento das glândulas sudoríparas e sebáceas
  • Nas mulheres, ciclos menstruais irregulares.
  • Diminuição do desejo sexual.

Como identificar

acromegalia geralmente é diagnosticada entre os 10 e os 15 anos após o início dos sintomas, porque eles são apresentados de forma lenta e progressiva.

O atraso no diagnóstico pode causar complicações “graves” nos pacientes. Às vezes, os sintomas são identificados com alterações normais no envelhecimento, favorecendo assim o seu sub diagnóstico.

Para chegar ao diagnóstico é essencial uma história clínica exaustiva e um exame físico bem como um exame analítico que consiste nos níveis de fator de crescimento semelhante à insulina I (IGF-I) ou somatomedina C e nos níveis do hormônio de crescimento basal.

Após a confirmação analítica do excesso de hormônio de crescimento (GH), deve ser realizada uma RM da área hipotálamo-hipofisária para confirmar a origem do excesso de GH.

O excesso de produção de hormônio do crescimento em crianças recebe o nome de gigantismo, um distúrbio muito raro.

Diagnóstico diferencial:

  • Estirão de crescimento fisiológico
  • Feições grosseiras familiares
  • Mixedema

Como tratar

O principal objetivo do tratamento é normalizar o nível de GH e o fator IGF-1, eliminar o tumor e o tratamento de complicações secundárias.

tratamento inicial deve consistir em cirurgia, pois é o método que oferece as melhores taxas de cura. A abordagem cirúrgica depende da situação de cada paciente e da extensão da lesão tumoral, mas geralmente é realizada pela via transesfenoidal (pelo nariz).

A remoção total do tumor é difícil e muitas vezes são necessárias terapias complementares para atingir um nível normal de fator GH e IGF-1. Quando o nível de GH ainda não estiver normalizado após a cirurgia ou se o indivíduo não for candidato à cirurgia, existe a opção de usar alguns medicamentos.

terapia farmacológica de escolha, por tolerância e eficácia, são os análogos da somatostatina. Atualmente, existem fármacos com diferentes mecanismos de ação que permitem, isoladamente ou em combinação, controlar a doença.

radioterapia é reservada apenas para pacientes com hipersecreção hormonal persistente após a cirurgia, e resistente ou intolerante a alguns medicamentos disponíveis, mas pode levar de 10 a 20 anos para ser totalmente eficaz.

Fotosfoto 1foto 345mãos grandes e grossas 6

Saiba mais sobre:
A informação foi útil? Sim / Não

O texto contém informações incorretas? Está faltando a informação que você está procurando? Se ficou com alguma dúvida ou encontrou algum erro escreva-nos para que possamos verificar e melhorar o conteúdo. Não lhe iremos responder diretamente. Se pretende uma resposta use a nossa página de Contato.


Nota: O Educar Saúde não é um prestador de cuidados de saúde. Não podemos responder a perguntas de saúde ou aconselhá-lo nesse sentido.

Autores
Dr. Marcelo Amarante (Médico de família e comunidade - CRM-RS: 42408 - RQE Nº 29881)

Identificação profissional: CRM-RS: 42408

- Médico do trabalho - RQE Nº: 29800

- Médico do tráfego - RQE Nº: 29858

- Médico de família e comunidade - RQE Nº: 29881

Consultar > Currículo Lattes.

O Dr. Marcelo Henrique Oliveira Amarante é um Médico graduado pela FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS DE MINAS GERAIS (FCMMG), uma instituição da FUNDAÇÃO EDUCACIONAL LUCAS MACHADO (FELUMA).

Especializando em Psiquiatria pelo Centro de Estudos Cyro Martins (CCYM), especialização acreditada pela Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP).

Aprovado em prova para obtenção de Título de Especialista em Medicina do Trabalho, aplicada pela Associação Nacional de Medicina do Trabalho (ANAMT), entidade filiada à Associação Médica Brasileira (AMB).

Aprovado em prova para obtenção de Título de Especialista em Medicina de Tráfego, aplicada pela Associação Brasileira de Medicina de Tráfego (ABRAMET), entidade filiada à Associação Médica Brasileira (AMB).

Aprovado em prova para obtenção de Título de Especialista em Medicina de Família e Comunidade, aplicada pela Sociedade Brasileira de Medicina de Família e Comunidade (SBMFC), entidade filiada à Associação Médica Brasileira (AMB).

Possui especialização em Higiene Ocupacional pela FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS DE MINAS GERAIS. Especialização em Atenção Básica em Saúde da Família pela UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS. Especialização Master of Business Administration (MBA) em Auditoria em Saúde. Tem experiência na área de Medicina, com ênfase em Medicina de Família e Comunidade, Clínica Médica, Auditoria/Regulação em Saúde, Perícias Médicas, Higiene Ocupacional, Ergonomia, Medicina do Trabalho e Medicina de Tráfego.

Atuação Profissional:

- Médico da LATAM Airlines;

- Médico da GOL Linhas Aéreas Inteligentes;

- Médico da Proforte, uma empresa do Grupo Protege;

- Superintendente Regulador/Auditor do SUS.

Também pode encontrar o Dr. Marcelo no Linkedin.