-->Aminoacidúria - Educar Saúde

Aminoacidúria

Publicado em 15/05/2012. Revisado por Drª Raquel Pires (Nutricionista - CRN-6 nº 23653) a 8 dezembro 2018

A aminoacidúria consiste numa quantidade anormal de aminoácidos na urina. Os aminoácidos são os blocos de construção das proteínas no nosso corpo.

Este artigo discute o teste usado para procurar quantidades elevadas de aminoácidos na urina.

Consulte também:

• análise sanguínea a Aminoácidos
• defeitos metabólicos de nascença

Como é realizado o exame

É necessária uma amostra de urina. Esta é geralmente recolhida no consultório do seu médico ou posto de saúde.

Como se preparar para o Teste

Não é necessária preparação especial. Garanta que o seu médico sabe quais são os medicamentos que você ou os seus filhos estão a tomar ou tenham tomado recentemente. Se este teste for feito numa criança que está a amamentar, verifique se o prestador de cuidados de saúde sabe quais os medicamentos é que a mãe que amamenta está a tomar.

O que sentirá durante o teste

O teste envolve apenas micção normal.

Porque é realizado o exame

Este teste é realizado para medir os níveis de aminoácidos na urina. Existem vários tipos diferentes de aminoácidos. É comum que alguns de cada tipo sejam encontrados na urina, mas níveis elevados de um tipo de aminoácido pode ser um sinal de uma deficiência de nascença do metabolismo.

Publicidade

Resultados normais

O valor específico é medido em micromoles por decilitro (μM/dl).

• alanina

Crianças: 65 a 190
Adultos: 160 a 690

ácido alfa-aminoadípico

Crianças: 25 a 78
Adultos: 0 a 165

ácido alfa-amino-N-butírico

Crianças: 7 a 25
Adultos: 0 a 28

arginina

Crianças: 10 a 25
Adultos: 13 a 64

asparagina

Publicidade

Crianças: 15 a 40
Adultos: 34 a 100

ácido aspártico

Crianças: 10 a 26
Adultos: 14 a 89

beta-alanina

Crianças: 0 a 42
Adultos: 0 a 93

ácido beta-amino-isobutírico

Crianças: 25 a 96
Adultos: 10 a 235

carnosina

Crianças: 34 a 220
Adultos: 16 a 125

citrulina

Publicidade

Crianças: 0 a 13
Adultos: 0 a 11

cistina

Crianças: 11 a 53
Adultos: 28 a 115

ácido glutâmico

Crianças: 13 a 22
Adultos: 27 a 105

glutamina

Crianças: 150 a 400
Adultos: 300 a 1.040

glicina

Crianças: 195 a 855
Adultos: 750 a 2.400

histidina

Publicidade

Crianças: 46 a 725
Adultos: 500 a 1.500

hidroxiprolina

Crianças: não mensurados
Adultos: não mensurados

isoleucina

Crianças: 3 aos 15
Adultos: 4 a 23

leucina

Crianças: 9 a 23
Adultos: 20 a 77

lisina

Crianças: 19 a 140
Adultos: 32 a 290

metionina

Publicidade

Crianças: 7 a 20
Adultos: 5 a 30

1-metilhistidina

Crianças: 41 a 300
Adultos: 68 a 855

3-metilhistidina

Crianças: 42 a 135
Adultos: 64 a 320

ornitina

Crianças: 3 aos 16
Adultos: 5 a 70

fenilalanina

Crianças: 20 a 61
Adultos: 36 a 90

fosfosserina

Publicidade

Crianças: 16 a 34
Adultos: 28 a 95

fosfoetanolamina

Crianças: 24 a 66
Adultos: 17 a 95

prolina

Crianças: não mensurados
Adultos: não mensurados

serina

Crianças: 93 a 210
Adultos: 200 a 695

taurina

Crianças: 62 a 970
Adultos: 267 a 1.290

treonina

Publicidade

Crianças: 25 a 100
Adultos: 80 a 320

tirosina

Crianças: 30 a 83
Adultos: 38 a 145

valina

Crianças: 17 a 37
Adultos: 19 a 74

Publicidade

Intervalos de valores normais podem variar ligeiramente entre diferentes laboratórios. Discuta com o seu médico o significado dos seus resultados específicos.

Os exemplos acima mostram as medições comuns para os resultados destes testes. Alguns laboratórios utilizam diferentes medidas ou podem testar aminoácidos diferentes.

O que significam resultados anormais

O aumento total de aminoácidos na urina pode-se dever a:

• alcaptonúria
• doença de Canavan
• cistinose
• cistationinúria
• intolerância à frutose
• galactosemia
• doença de Hartnup
• homocistinúria
• hiperamonemia
• hiperparatireoidismo
• doença da urina em xarope de ácer
• acidemia metilmalônica
• mieloma múltiplo
• ornitina transcarbamilase
• osteomalacia
• acidemia propiônica
• raquitismo

• tirosinemia tipo 1
• tirosinemia tipo 2
• hepatite viral
• doença de Wilson

Publicidade

Considerações

A incapacidade de ter a amostra de urina prontamente avaliada no laboratório altera os resultados do teste. Este teste é ineficaz se o bebé tem menos de 6 semanas de idade e não foi alimentado com proteína dietética nas últimas 48 horas. Uma cromatografia da urina é necessária para medir com precisão níveis elevados de aminoácidos específicos.

Procurar em recém-nascidos os níveis elevados de aminoácidos pode levar a um diagnóstico precoce de uma deficiência de nascença do metabolismo. Se a condição for tratada precocemente, as complicações tal como a deficiência mental grave podem ser prevenidas.

Saiba mais sobre:
A informação foi útil? Sim / Não

O texto contém informações incorretas? Está faltando a informação que você está procurando? Se ficou com alguma dúvida ou encontrou algum erro escreva-nos para que possamos verificar e melhorar o conteúdo. Não lhe iremos responder diretamente. Se pretende uma resposta use a nossa página de Contato.


Nota: O Educar Saúde não é um prestador de cuidados de saúde. Não podemos responder a perguntas de saúde ou aconselhá-lo nesse sentido.
Autores
Drª Raquel Pires (Nutricionista - CRN-6 nº 23653)

Nutricionista Clínica - CRN-6 nº 23653

A Drª Raquel Pires é Nutricionista, Health Coach e Personal Diet, com grande experiência em atendimento em consultório e Idealizadora do Projeto ESD (Emagrecimento sem Dor).

Formação Acadêmica

- Graduada pela Universidade Santa Úrsula. - Pós Graduada em Nutrição Clínica. - Pós Graduada em Prescrição de Fitoterápicos e suplementação Nutricional Clínica e Esportiva. - Pós Graduada em Nutrição Aplicada ao Emagrecimento e Estética.

Também pode encontrar a Drª Raquel no Linkedin, Facebook e Youtube

Marcação de consultas 88-99685-0858

Publicidade