Animais de companhia

Revisado por Equipe Editorial a 13 janeiro 2018

Só precisamos de amor, e até o amor de uma tarântula ou de um peixinho de aquário servem. Ter um animal de companhia com o qual pode conversar e interagir talvez lhe dê mais alguns anos de vida. As pessoas que têm animais de companhia vão ao médico com menos frequência e tendem a sofrer menos de depressão. De acordo com alguns estudos realizados neste domínio, acariciar ou estar perto de um animal que nos é familiar pode reduzir o ritmo cardíaco e a tensão arterial.

Num estudo elaborado em Nova lorque foram observados corretores de ambos os sexos que já tomavam medicamentos para controlar a hipertensão. Os que tinham animais de companhia apresentavam um ritmo cardíaco e uma tensão arterial significativamente mais baixos, que não aumentavam tanto quando lhes era pedido que fizessem contas de cabeça e outros testes desgastantes. lsto era particularmente visível quando o animal de companhia se encontrava perto durante o teste – nesse momento, a tensão arterial subia metade em comparação com a dos participantes que não tinham um animal de companhia.

Outro estudo realizado em Nova lorque, conduzido por Allen, Blascovich e Mendes em 2002, permitiu concluir que, depois de sofrerem um ataque cardíaco, as pessoas que possuíam um cão tinham seis vezes mais probabilidades de viver mais um ano do que as que não possuíam animais. Um animal de companhia também lhe pode trazer novos amigos. Os animais acompanham-nos e proporcionam-nos bem-estar, mas, além disso, o simples facto de existirem constitui um chamariz para outras pessoas.