Entenda como as doenças sexualmente transmissíveis afetam a gravidez e a fertilidade

Entenda de que forma as doenças sexualmente transmissíveis ( DST) podem afetar a gravidez, a fertilidade do homem e os planos para a mulher engravidar.

Recomenda-se a mulher a realizar exames ginecológicos na presença de uma infecção sexualmente transmissível não tratada, pois pode estar na causa da infertilidade.

Vale a pena realçar que um homem que sofra de uma infecção pode prejudicar a sua própria fertilidade futura, caso contraia uma prostatite (inflamação da glândula da próstata), por exemplo, como também a fertilidade da parceira caso a infecte. O mesmo se aplica se uma mulher infectar o parceiro.

As infecções sexualmente transmissíveis muitas vezes não causam sintomas. Daí a importância do diagnóstico e tratamento logo no seu inicio, já que a infecção pode afetar as hipóteses da mulher engravidar.

Durante a gravidez, o tratamento é mais difícil e a infecção pode afetar o bebê ou causar um parto prematuro. Os antibióticos são a forma mais comum de tratamento.

Doenças Sexualmente Transmissíveis Afetam A Gravidez E A Fertilidade

Clamídia e gonorreia

A clamídia é uma infecção sexualmente transmissível bem comum,mas por vezes não provoca sintomas, em especial nas mulheres. Estima-se que 10 a 40% das mulheres com clamídia não tratada possam contrair a doença inflamatória pélvica (DIP).

Nas mulheres, quando não é tratada de inicio, a infecção pode estender-se ás trompas de falópio e causar obstrução, provocando infertilidade ou, em alguns casos, gravidez ectópica.

No caso dos homens, a clamídia não tratada pode causar danos nos canais que transportam o esperma, e nos ductos localizados nos testículos, podendo ocasionar obstruções ou infertilidade.

A gonorreia é altamente contagiosa e as relações sem proteção com um indivíduo infectado provocam a transmissão em 90% dos casos. O numero de homens infectados é duas vezes superior ao das mulheres.

Esta infecção muitas vezes não causa sintomas, mas pode provocar corrimento vaginal desagradável e dores abdominais.

Quando não tratada a gonorreia pode originar a doença inflamatória pélvica e a obstrução das trompas de Falópio.

Nos homens os sintomas conhecidos incluem, corrimento no pênis, dor abdominal e febre alta.

Doença inflamatória pélvica (DIP)

A doença inflamatória pélvica ocorre quando uma DST (muitas vezes a clamídia) se dissemina pelo cérvix, chegando ao útero, as trompas de falópio e á pélvis.

A DIP muitas vezes causa dor durante a relação, mas pode não apresentar sintomas e algumas mulheres só identificam o problema quando tentam engravidar.

A infecção geralmente é tratada com antibióticos. No entanto, quando não for tratada pode originar cicatrizes ou até mesmo a obstrução das trompas de Falópio.

Nestes casos a fertilidade é afetada e a mulher corre também um maior risco de gravidez ectópica.

Herpes

O vírus do herpes simplex esta adormecido na maioria dos indivíduos, sendo que a maioria nem sabe que o transporta. Existem dois tipos de vírus do herpes: o tipo 1 (VHS-1) que provoca o herpes labial, e o tipo 2 (VHS- 2) que causa a herpes genital.

A infecção o vírus VHS- 2 apresenta sintomas semelhantes á gripe, sensação de ardor nos genitais, dores nas pernas, bolhas ou borbulhas genitais que se tornam incomodas com o tempo e prurido genital. Entenda mais sobre as causas e como tratar a Coceira Vaginal.

Durante um evento de VHS-1 a mulher não pode ter relações sem proteção, e não pode engravidar. Em outros aspectos, o herpes não compromete a fertilidade.

Tricomoníase

A tricomoníase, causada pelo organismo trichomonas vaginalis, não desencadeia a doença inflamatória pélvica. No entanto, além de provocar coceira e sensação de ardor na vagina e uretra (e, no caso dos homens, dor ao urinar), ela também altera a consistência do muco cervical, dificultando a passagem dos espermatozoides. Em resultado disso, a fertilidade pode ser afetada.

Vaginose bacteriana, Micoplasmose, Ureaplasma, Gardnerela

Ambas as infecções bacterianas indicadas acima são causadas por pequenos organismos – mycoplasma hominis, ureaplasma urealyticum e gardnerella vaginalis – que se encontram no trato urinário dos homens e das mulheres.

Geralmente são inofensivas, mas podem ser transmitidas de um parceiro para outro.

Estes organismos, que muitas vezes não apresentam sintomas, encontram-se em concentrações mais elevadas nos casais que têm problemas em conceber. Estando também associados á presença de outras DSTs.

Apesar de não desencadearem a doença inflamatória pélvica, pensa-se que aumentem a chance de aborto espontâneo.

Os homens com micoplasmose apresentam valores elevados de espermatozoides amorfos/anômalos.

O tratamento curto com antibióticos costuma eliminar qualquer uma destas infecções em poucos dias.

Candidíase

Embora seja uma DST, a candidíase é um problema que afeta principalmente as secreções vaginais.

Na presença de mau cheiro acompanhado de coceira e desconforto, deve consultar o ginecologista, pois pode-se tratar de uma candidíase, o que pode dificultar as chances da mulher conceber.

A candidíase ocorre quando um fungo natural que habita no organismo (Candida albicans), multiplica-se.

Quando não tratada, a candidíase pode por em causa não só a saúde reprodutiva da mulher, como impedir a absorção de nutrientes essenciais.

A Candida albicans prospera com uma alimentação rica em açúcares refinados, portanto, sabendo isso, além das pomadas antifúngicas, a mulher pode prevenir a recorrência da infecção ao incluir alimentos saudáveis na dieta e cortar nos açucares refinados.

A adição de iogurtes naturais, ricos em Lactobacillus acidophilus também pode ajudar a restabelecer a flora intestinal e vaginal. Para conhecer todos os benefícios destas super bactérias “boas” consulte o artigo 9 Benefícios do Lactobacillus Acidophilus para a Saúde.