Bebês e crianças no avião

Quando levamos uma criança no avião deveremos ter especiais cuidados, ainda mais significativos do que aqueles que normalmente já teremos de ter connosco numa viagem de avião.

O avião é um meio de transporte cada vez mais utilizado, pelo seu conforto e principalmente pela rapidez com que nos permite deslocarmo-nos entre diversos locais.

No entanto, é importante termos em conta que viajar de avião poderá implicar alguns pontos a ter em conta, nomeadamente o facto de poder existir uma diferença de pressão do ar derivada da altitude, o facto de viajarmos potencialmente com pessoas originárias de muitos países diferentes (e ambientes diferentes, com vírus e bactérias diferentes), o facto de podermos viajar para outros países, e o facto de estarmos fechados dentro do avião e dele não podermos sair de modo algum durante a viagem.

Primeiro que tudo, bebês com menos de 7 meses de vida não podem viajar de avião. Na verdade, este é um requisito que as próprias agências aéreas fazem questão de garantir, proibindo totalmente a entrada a bordo de crianças com menos de 7 meses.

Para além disso, e indo de encontro a viagens para países diferentes e lidar com pessoas de países diferentes, quando viajamos de avião com o nosso bebé devemos garantir que ele está devidamente vacinado, e especificamente vacinado de encontro às doenças ou infecções que poderemos encontrar no nosso local de destino.

Relativamente aos lugares do avião, e embora isso dependa do avião, procure ficar com os lugares situados mais à frente do avião (à frente da porta de saída, nomeadamente), pois são lugares geralmente mais espaçosos e mais arejados consequentemente.

Quanto a utensílios e utilitários que deveremos ter connosco, é importante garantir que na nossa bagagem de mão possuímos água, um termómetro, medicação que a criança tenha eventualmente de tomar, band-aid, sais de rehidratação oral, pacote(s) de bolachas e lenços humedecidos.

Para além disso, leve também brinquedos, livros, ou desenhos, para que a criança se possa distrair e não tenha medo ou fique assustada com a viagem.

No caso de queixas de dores de ouvidos, que se devem à diferença de pressão do ar, dê à criança algo que ela possa mastigar, como uma pastilha (ter cuidado no caso de a criança ainda não ter idade para perceber que não deve engolir a pastilha).

A informação foi útil? Sim / Não

Ajude-nos a melhorar a informação do Educar Saúde.

O texto contém informações incorretas? Está faltando a informação que você está procurando? Se ficou com alguma dúvida ou encontrou algum erro escreva-nos para que possamos verificar e melhorar o conteúdo. Não lhe iremos responder diretamente. Se pretende uma resposta use a nossa página de Contato.


Nota: O Educar Saúde não é um prestador de cuidados de saúde. Não podemos responder a perguntas de saúde ou aconselhá-lo nesse sentido.
Autores
Drª Gizele Cunha (Pediatra, Alergologista e Pneumologista Infantil - CRM/SP: 116541)

Pediatra, Alergologista e Pneumologista Infantil - CRM/SP: 116541

A Dra Gizele Ferreira Cunha é Graduada em Medicina pela Universidade de Ribeirão Preto - SP - 2004. Além disso possui:

- Especialização em Alergia e Imunologia Infantil pelo Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (HCRP - FMRP - USP) – 2009.

- Especialização em Pneumologia Infantil pelo Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (HCRP - FMRP - USP) – 2007.

- Especialização em Pediatria pela Universidade de Ribeirão Preto - 2006 .

Endereço: Avenida Senador César Vergueiro, 571 - Ribeirão Preto - SP - Email: cviver@bol.com.br - Telefone: (16) 33291337

Também pode encontrar a Drª Gizele no Linkedin e Facebook

Última atualização da página em 12/08/19