Biomassa

Revisado por Andre a 28 outubro 2018

Tal como evidencia a figura 2 abaixo, a Biomassa tem como fonte primordial a energia solar. Através da fotossíntese, as plantas capturam energia do sol e transformam-na em energia química. Essa energia pode ser transferida das plantas para os animais e para as actividades humanas (ex. indústria agro-alimentar), assumindo frequentemente a forma final de “resíduo” (ex. águas residuais). A energia contida na matéria orgânica/biológica pode ser convertida em electricidade, combustível ou calor. As fontes orgânicas que são usadas para produzir um daqueles tipos de energia são denominadas de biomassa. «Inclui-se também nesta classificação os efluentes agro-pecuários, agro-industriais e urbanos.

Figura 2. Origens da Biomassa.

A biomassa pode subdividir-se em biomassa sólida, líquida e gasosa. A biomassa sólida tem como fontes os produtos e resíduos sólidos provenientes da fileira agro-florestal e das indústrias conexas, assim como a fracção biodegradável dos resíduos industriais e urbanos. O seu aproveitamento é geralmente feito através de combustão directa, para produção de energia térmica e electricidade. A biomassa líquida, isto é, os biocombustíveis, têm origem em culturas agrícolas denominadas de “energéticas”. Os principais biocombustíveis são o biodiesel, o bietanol e biometanol, podendo ser utilizados na substituição total ou parcial dos combustíveis fósseis usados em veículos automóveis.

A biomassa gasosa, ou biogás, tem origem nos efluentes agro-pecuários, agro-industriais e urbanos (ex. lamas das ETAR’s e aterros de Resíduos Sólidos Urbanos), sendo que o seu aproveitamento consiste na combustão para obtenção de energia térmica ou eléctrica.

Segundo o projecto Enersilva, a biomassa é a abreviatura de massa biológica, termo genérico que faz referência à quantidade de matéria viva produzida por plantas, animais, fungos ou bactérias, numa determinada área e usa-se para fazer referência ao combustível energético que se obtém directa ou indirectamente daqueles recursos biológicos, tratando-se de um recurso “potencialmente renovável”. Ao invés, «o carvão, o gás, o petróleo e outros combustíveis fósseis, ainda que derivem de material vivo, o tempo necessário para a sua formação (milhões de anos) faz com que não possam ser considerados renováveis».

Ainda segundo a mesma fonte, a biomassa pode subdividir-se em dois grandes grupos: a biomassa vegetal e a animal; Quanto à produção de energia, a biomassa pode classificar-se em:

Biomassa natural – Produz-se de forma espontânea na natureza, sem intervenção humana (ex. matos);
Biomassa residual seca – Provém de recursos gerado nas actividades agrícolas, florestais, indústria agro-alimentar e indústrias de transformação de madeira;
Biomassa residual húmida – Águas residuais urbanas e industriais, resíduos de exploração de gado, lamas provenientes das ETAR’s;
Culturas energéticas – Culturas florestais ou agrícolas destinadas exclusivamente a fins energéticos.

Éter metílico, obtido principalmente a partir de óleos vegetais como o girassol, a colza e a soja através de processo químico da transesterificação. Obtido principalmente a partir de cerais (ex. milho, trigo) e tubérculos (ex. beterraba, tupinambo). «Os processos de produção mais comuns são de síntese a partir do gás natural, ou ainda a partir da madeira através de um processo de gaseificação.» Portal das Energias Renováveis, http://www.energias renovaveis.com/

O biogás resulta da degradação biológica anaeróbia da matéria orgânica contida nos resíduos biomássicos, sendo constituída por metano em percentagens que variam entre os 50% e 70%, sendo o restante essencialmente dióxido de carbono. Portal das Energias Renováveis, http://www.energiasrenovaveis.com/

De seguida, sistematizam-se algumas definições de referência de Biomassa e Biomassa Florestal.

Quadro 4. Definições de Biomassa e Biomassa Florestal.

As principais tecnologias de aproveitamento energético da biomassa florestal (BF) estão ligadas aos vários processos que vão desde as operações na floresta à transformação da BFR em energia. Na recolha e transporte da BF são utilizadas diversas tecnologias mecanizadas, que podem depender do tipo de BF a recolher, assim como das condições do terreno (dimensão da área,
declives, pedregosidade, etc.) em que se desenrolam as operações florestais. As principais operações florestais que originam BFR são: