Blastocystis hominis: o que é, sintomas e tratamentos

Atualizado e Revisado por Dr. Antonio Hirt (Gastroenterologista / Cirurgião Ap. Digestivo - CRM/PR: 11031) a 07/08/2019. Publicado originalmente em 29 de março de 2019

O Blastocystis Hominis é um dos protozoários mais comuns encontrados no trato intestinal do homem e dos animais. Por serem parasitas comuns, qualquer pessoa poderá ter em suas fezes, daí a importância em manter bons hábitos de higiene, para evitar sua contaminação ou proliferação.

Os Cistos de Blastocystis Hominis estão presentes nas fezes contaminadas dos animais e das pessoas, e são os ovos desse organismo unicelular microscópico. Podem causar infecções no intestino e ainda, oferecer outros sintomas bastante desconfortáveis. No entanto, existem casos de pessoas contaminadas com o Blastocystis Hominis nas fezes e que não possuem qualquer sintoma.

Blastocystis Hominis, O Que é, Sintomas E Tratamentos

Principais Sintomas

Em alguns casos, a contaminação (blastocistose) é assintomática, porém, em outros, se não houver o tratamento adequado, os sintomas podem durar vários dias, semanas ou até mesmo, meses. Em muitos casos, os sintomas presentes são igualmente comuns na síndrome do cólon irritável e incluem:

  • Infecção no intestino
  • Diarreia aquosa
  • Coceira na região do ânus
  • Perda de peso
  • Gases
  • Dores e desconforto na região abdominal
  • Inchaço
  • Má digestão
  • Fadiga
  • Cólica
  • Náusea
  • Vomito

Como ocorre a contaminação do Blastocystis Hominis?

O principal meio de contaminação ocorre por via fecal-oral ou então, pelo consumo de água ou de alimentos contaminados. Em países pouco desenvolvidos, costumam haver mais casos de contaminação, tendo em vista a condição precária de higiene, saneamento básico, contato direto com animais sem vacinação, consumo de águas e alimentos contaminados, falta de remoção de resíduos e os lixos espalhados pelas ruas.

Como evitar a contaminação deste protozoário?

Para evitar a contaminação é importante ter em conta algumas atitudes diárias:

  • Lavar bem as mãos
  • Lavar bem os alimentos
  • Evitar alimentos crus
  • Consumir água filtrada ou fervida
  • Recolher as fezes dos animais
  • Fazer exame parasitológico de fezes

Como é feito o diagnóstico?

O médico responsável por tratar o Cisto de Blastocystis Hominis é o clínico geral ou o gastroenterologista. Em caso de suspeita, o médico geralmente solicita a realização de um exame parasitológico de fezes que servirá para confirmar a contaminação ou não do Blastocystis Hominis.

Como é feito o tratamento?

O tratamento deve ser feito com a utilização de medicamentos antiprotozoários, antibióticos ou outras combinações, que deverão ser prescritas pelo médico. Os mais comuns incluem:

  • Antibióticos, como o metronidazol ou tinidazol;
  • Combinação de drogas, como o sulfametoxazol e a trimetoprima;
  • Medicamentos antiprotozoários, como a paromomicina ou nitazoxanida.
A informação foi útil? Sim / Não

Ajude-nos a melhorar a informação do Educar Saúde.

O texto contém informações incorretas? Está faltando a informação que você está procurando? Se ficou com alguma dúvida ou encontrou algum erro escreva-nos para que possamos verificar e melhorar o conteúdo. Não lhe iremos responder diretamente. Se pretende uma resposta use a nossa página de Contato.


Nota: O Educar Saúde não é um prestador de cuidados de saúde. Não podemos responder a perguntas de saúde ou aconselhá-lo nesse sentido.

Referências
  • Jameson JL, et al., eds. Protozoal infections. In: Harrison’s Principles of Internal Medicine. 20th ed. New York, N.Y.: The McGraw-Hill Companies; 2018. https://accessmedicine.mhmedical.com.
  • Blastocystis spp. FAQs. Centers for Disease Control and Prevention. https://www.cdc.gov/parasites/blastocystis/faqs.html.
  • Leder K, et al. Blastocystis species. https://www.uptodate.com/contents/search.
  • Parasites — Nonpathogenic (harmless) intestinal protozoa. Centers for Disease Control and Prevention. https://www.cdc.gov/parasites/nonpathprotozoa/biology.html.
  • Food and water safety. Centers for Disease Control and Prevention. https://wwwnc.cdc.gov/travel/page/food-water-safety.
  • Avoid foodborne illness when traveling abroad. U.S. Department of Health and Human Services. https://www.foodsafety.gov/blog/international_travel.html.
  • When & how to wash your hands. Centers for Disease Control and Prevention. https://www.cdc.gov/handwashing/when-how-handwashing.html.
  • Freedman S. Oral rehydration therapy. https://www.uptodate.com/contents/search.
Autores
Dr. Antonio Hirt (Gastroenterologista / Cirurgião Ap. Digestivo - CRM/PR: 11031)

Dr. Antonio Hirt - CRM/PR: 11031

Cirurgia do aparelho digestivo - RQE Nº: 11137

Consultar > Currículo Lattes.

Cirurgia Videolaparoscópica - RQE Nº: 779

Gastroenterologia - RQE Nº: 21161

Formado pela Faculdade Evangélica de Medicina do Paraná (FEMPAR) em 1987. Mestre em princípios de cirurgia pelo Instituto de Pesquisas Médicas e Doutorando em Marcadores Tumorais em câncer gástrico pela mesma instituição.

Especialista em Cirurgia do Aparelho Digestivo e em Gastroenterologia e Endoscopia Digestiva.

Membro do “Colégio Brasileiro de Cirurgia Digestiva” e da “Federação Brasileira de Gastroenterologista”.

Membro da comissão científica da FBG-Pr.

Contatos: Consultório na Rua Amintas de Barros, 519 conj. 103 - Tel. (41) 3264-2003 ou (41) 99244-3202 (whats) centro - Curitiba - Pr.

Também pode encontrar o Dr. Antonio no Linkedin ou no Google.

Última atualização da página em 07/08/19