Cancro dos Ovários

Revisado por Equipe Editorial a 13 janeiro 2018 - Publicado a 26 de junho de 2010

O Cancro dos Ovários Afecta 1 de cada 55 mulheres e frequentemente descobre-se já demasiado tarde, uma vez que não tem sintomas claros até que se desenvolva.

Correm mais riscos

– As mulheres com familiares (mãe, tia, irmã ou avó) afectadas por cancro da mama ou do ovário, especialmente se são portadoras de uma alteração no gene BRCA 1 (cinco de cada cem afectadas).

– Têm mais possibilidades as mulheres que tiveram o período muito cedo, a menopausa tarde e as que não são mães, embora que estes factores não sejam determinantes.

Quando ir à consulta

O cancro dos ovarios Provoca consequências pouco específicas: o ventre distendido, gases, algumas dores abdominais…, mas outras doenças também dão sintomas semelhantes.

Tratamento do cancro dos ovários

A primeira coisa a fazer é operar. Os oncologistas aconselham recorrer a um médico especializado neste tipo de intervenções, uma vez que tem de se fazer uma operação cirúrgica especialmente difícil. Também se ataca com quimioterapia.

Reduzir os riscos de cancro

Quando uma mulher teve um familiar afectado, recomenda-se a extirpação dos ovários uma vez que já tenha sido mãe. Uma visita anual ao ginecologista, com a correspondente exploração dos genitais internos, pode ajudar a descobri-lo quando as possibilidades de cura ainda são elevadas. «Eu aconselharia que todas as mulheres fizessem uma ecografia anual», afirma o catedrático de oncologia Eduardo Díaz Rubio, da Universidade Complutense de Madrid. »É uma técnica simples e rápida, que não levanta nenhum problema».

Boas notícias: novos medicamentos aumentam a esperança de vida das doentes. Em alguns países já se começou a estudar a prevenção através de hormonas.