Catecolaminas fracionadas

Revisado por Reinaldo Rodrigues (Enfermeiro - Coren nº 491692) a 12 dezembro 2018

Catecolaminas fracionadas

As catecolaminas (epinefrina, norepinefrina e dopamina) derivam primariamente da medula adrenal, sendo também denominadas aminas vasopressoras por seu efeito sobre a pressão arterial. Normalmente presente em quantidades diminutas no plasma, é utilizada na confirmação diagnóstica do feocromocitoma em pacientes com excreção urinária aumentada de seus metabólitos, assim como no diagnóstico diferencial de pacientes com metabólitos urinários normais (metanefrinas) mas com quadro clínico bastante sugestivo.

Alguns tumores podem apresentar secreção isolada de epinefrina ou norepinefrina, aconselhando-se o screening através da dosagem de todas as frações, assim como secreção paroxística, indicando por vezes a coleta da amostra (sangue ou urina) durante ou logo após um pico hipertensivo. São metabólitos mlábeis quimicamente, e as amostras clínicas devem ser tratadas com bastante cautela. Muitas modificações fisiológicas e patológicas podem afetar as concentrações de catecolaminas, e atenção especial deve ser dada a coleta correta da amostra e preparo do paciente (jejum, repouso, uso de drogas simpaticomiméticas e psicotrópicas) com o objetivo de aumentar sua acurácia.

Apesar do grande ganho alcançado com a técnica de cromatografia líquida de alta performance (HPLC) em termos de sensibilidade por suas características metodológicas, o valor preditivo destas dosagens no diagnóstico do feocromocitoma varia de acordo com a população estudada e, consequentemente, com a faixa de valores encontrados.