Celulite e peso

Celulite e peso

Num simpósio realizado recentemente, intitulado «A Mulher, as Hormonas e o Peso», um dos temas focados foi «A celulite e o peso do ponto de vista do cirurgião plástico». É precisamente esta perspectiva que lhe damos a conhecer.

O Prof. Acácio Cordeiro Ferreira, Director do Serviço de Cirurgia Plástica do Hospital de Santa Maria, começou a sua intervenção abordando o tema da beleza. Na sua opinião, este conceito mudou a partir de meados do século XX: «A mulher tem necessidade de cultivar a sua imagem e de adaptá-la aos conceitos de beleza impostos pelos media. Por outro lado, a mulher está, cada vez mais, exposta à vida social e profissional, o que a obriga a cultivar a sua relação com a auto-imagem.»

De acordo com este cirurgião, a necessidade de manter uma imagem que vá ao encontro dos valores actuais entra em rota de colisão com o «pronto a vestir», ou seja, por falta de tempo, a mulher tem de aderir a este sistema: «Os modelos são escolhidos dentro de padrões que correspondem a conceitos que, depois de impostos, obrigam a mulher a adaptar-se a eles.»

Celulite

«A celulite é um tipo especial de pele caracterizada pelas aderências fibrosas que retraem a derme, dando-lhe o aspecto de casca de laranja. Na celulite existe ainda um excesso de gordura superficial», explica Cordeiro Ferreira. As principais causas da celulite são: alterações hormonais, gravidez, dieta hipercalórica e rica em gorduras polinsaturadas, vida sedentária e tipo de vestuário imposto pela moda (justo).

A celulite pode ser classificada em quatro graus: o 0 corresponde a um aspecto normal; o 1 ao aspecto normal que é alterado quando se pinça a pele entre dois dedos; o 2 ao aspecto normal quando se está de pé, mas quando se está sentado aparece o de casca de laranja; e o 3 ao aspecto casca de laranja sentado ou de pé.

Segundo este especialista, a celulite «é mais frequente na mulher, nos membros inferiores, a partir dos 20-30 anos, podendo aparecer em idades muito mais jovens».

A prevenção é a melhor aliada

Prevenir o aparecimento da celulite é o melhor tratamento: «Combater os efeitos da vida sedentária; fazer exercícios físicos que desenvolvam as massas musculares e activem a circulação; controlar as alterações hormonais que têm influência sobre a permeabilidade capilar e contribuem para o edema; equilibrar a alimentação com uma dieta rica em proteínas e pobre em lípidos; evitar vestuário muito justo que dificulte a circulação venosa e linfática, os jeans muito apertados na raiz da coxa que dificultam a circulação, aumentam o edema e favorecem o aparecimento da celulite.»

A lipoaspiração superficial (aspiração de gorduras subcutâneas excessivas através de uma cânula especial) é uma das opções de tratamento, mas é apenas aconselhável para o grau 2 e 3. A lipoaspiração profunda não tem efeito sobre a celulite.

Peso

O excesso de peso corresponde a uma hipertrofia dos adipócitos. Conforme explica o Prof. Cordeiro Ferreira, «os adipócitos são células que têm uma grande capacidade para armazenar lipídeos (gorduras) e aumentam ou diminuem de volume conforme a quantidade de triglicéridos retidos. São os reservatórios de energia que o organismo não tem necessidade de consumir».

Segundo este especialista, «para caracterizar a obesidade utiliza-se o índice de Quetelet, que consiste em: IMC (Índice de Massa Corporal) = Peso/Altura. Quando o índice é superior a 30 passa a haver obesidade».

Como tratar?

A base de tratamento passa pelo reequilíbrio alimentar e/ou tratamento das alterações hormonais, sendo a cirurgia um complemento do tratamento, por exemplo, para «eliminar o excesso de gordura ou para corrigir o excesso de pele após um tratamento de emagrecimento».

A eliminação do excesso de gordura pode ser feita através da lipoaspiração. Consiste na aspiração de adipócitos através de cânulas ligadas a uma fonte de aspiração ou na sua liquefacção com cânulas ultra-sónicas. «Tem como principal indicação o tratamento de acumulação de gordura localizada e deve ser executada de uma forma controlada e programada». Pode ser feita sob anestesia local, loco-regional ou geral.

No tratamento do excesso de peso existem duas regiões que podem ser tratadas por excisão de pele e de gordura, que são os seios e a parede abdominal. A primeira consiste na plastia da redução mamária, que tem por finalidade a redução do volume, do peso mamário e a remodelação da forma, respeitando a estética, a simetria e a função. A da zona abdominal tem por finalidade eliminar o excesso de pele e de gordura da parede abdominal. Ambas são feitas sob anestesia geral.

«A cirurgia plastica, no tratamento da celulite, da obesidade localizada ou generalizada, tem por finalidade contribuir para o restabelecimento do equilíbrio ponderal e, desta forma, ajudar a mulher a identificar-se com a sua imagem, de maneira a reintegrar-se consigo própria e com a sociedade», conclui.