Cetoacidose Diabética

CETOACIDOSE DIABÉTICA – SINTOMAS, CAUSAS E CARACTERISTICAS DO DIAGNOSTICO
Poliúria e polidipsia agudas, fadiga acentuada, náuseas e vômitos, coma.
Hálito adocicado; desidratação, hipotensão, se houver grave depleção de volume; respiração de Kussmaul.
Hiperglicemia > 250 mg/dl, cetonemia, acidemia com pH sanguíneo < 7,3 e bicarbonato sérico < 15 mEq/L, hiato aniônico
elevado; glicosúria e cetonúria; depleção do potássio corporal total a despeito da elevação do potássio sérico.
Em razão da deficiência de insulina ou aumento das necessidades de insulina em paciente com diabetes tipo 1 (p. ex., em associação à isquemia miocárdica, cirurgia, infecção, gastrenterite, doença intra-abdominal ou baixa adesão à medicação).

DIAGNOSTICO DIFERENCIAL
. Cetoacidose alcoólica
. Uremia
. Acidose láctica
. Sepse

CETOACIDOSE DIABÉTICA TRATAMENTO
Reposição de insulina regular por via intravenosa, com monitoração laboratorial frequente.
Restauração vigorosa do volume com solução salina; deve-se adicionar glicose à solução intravenosa quando a glicemia atingir
250 a 300 mg/dL.
Reposição de potássio, magnésio e fosfato.
Identificar e tratar a causa precipitante.

Dica
O pH muito baixo e a hiperpotassemia grave parecem funestos, mas são menos graves do que parecem; a osmolalidade determina o resultado.
Referência
American Diabetes Association: Hyperglycemic crises in patients with diabetes