Chichi na cama – O meu filho faz chichi na cama

Revisado por Reinaldo Rodrigues (Enfermeiro - Coren nº 491692) a 12 dezembro 2018

O meu filho faz chichi na cama – O seu filho molha regularmente os lençóis? Não entre em pânico. A aprendizagem faz-se com suavidade e ao ritmo da criança. Siga os conselhos dos especialistas e descubra as soluções eficazes para resolver o problema.

Você está cansada de encontrar os lençóis molhados logo pela manhã, e acha que isso não é normal visto o seu filho já ter passado dos três anos. Ou então o seu filho era controlado e começou de repente a fazer chichi na cama? De qualquer modo você está atrapalhada e não sabe o que fazer.

Sobretudo não entre em pânico. Saiba também que os rapazes demoram mais tempo a não fazer chichi na cama do que as raparigas.

Para além do mais, cada criança tem o seu ritmo de crescimento. Regra geral, basta seguir conselhos simples que permitem resolver esta contrariedade, antes que se torne num verdadeiro problema.

Uma criança começa normalmente primeiro a ser controlada durante o dia, e só alguns meses depois durante a noite. Mas aprender a controlar a sua bexiga não é coisa fácil e é frequente uma criança esquecer-se de ir fazer chichi, sobretudo quando está a dormir profundamente.

Aos cinco anos, 15 por cento das crianças ainda molham a cama. Se este inconveniente persistir, fala-se então de Enurese na criança. Mas só se pode falar verdadeiramente de enurese a partir dos seis anos. Antes desta idade, não há motivo de preocupação.

Se a partir dos 6 anos a questão ainda se mantém, é aconselhável falar ao seu médico. O pediatra começa por procurar um causa não orgânica, e efectua vários exames clínicos para detectar eventuais perturbações neurológicas.

Não dramatize

Geralmente o pediatra prescreve uma análise de urina, para detectar uma possível infecção urinária, diabetes ou, ainda, uma hipotética malformação.

Não se preocupe, estas causas são raras. O pediatra pode também prescrever uma ecografia renal, e, se as perturbações ocorrerem também durante o dia, prescrever alguns exames complementares.

Mas, muito provavelmente, alguns conselhos de higiene, de disciplina e a responsabilização do seu filho serão suficientes para que aprenda a ser mais controlado.

É o caso da maioria das enureses ditas primárias, ou seja, quando se trata de uma criança que nunca foi controlada durante a noite. No caso de se tratar de uma enurese secundária, ou seja, o de uma criança que volta a fazer chichi na cama depois de já ter sido controlada, considera-se a hipótese de a origem do problema ser psicológica.

Um divórcio, a nascimento de um irmão ou a entrada na escola, podem perturbar suficientemente uma criança para que esta volte a querer ser um bebé e fazer chichi na cama.

Neste caso, encha-se de paciência, esteja atenta, tente tranquilizá-lo. Se o problema persistir, não hesite em consultar um psicólogo ou um pedopsiquiatra.

O seu pediatra pode também aconselhar um tratamento à base de antidepressivos, isto se os conselhos de higiene não tiverem dado resultados satisfatórios.

Tratamentos eficazes

Se o seu filho se recusa a ir dormir na casa de um colega ou a fazer férias organizadas pela escola, porque tem vergonha de ainda fazer chichi na cama, o pediatra pode receitar-lhe hormonas antidiuréticas que limitam a produção de urina nocturna.

Mas este tratamento, apesar de ser eficaz, só deve ser utilizado como solução temporária.

Também existe um dispositivo sonoro anti-chichi (ainda não disponível no nosso mercado), que previne no momento em que a criança está a fazer chichi.

Este aparelho é constituído por um detector de urina que se aplica directamente debaixo dos lençóis.

Este detetor é geralmente eficaz após um mês, mas há que ter em conta os seus inconvenientes: o barulho acorda não só a criança como o resto da família, e pode também ser traumatizante para a criança.

O princípio baseia-se na educação da criança para que esta consiga controlar o seu esfíncter. Este dispositivo pode ser um último recurso quando os pais já experimentaram todas as outras soluções.

Dicas da Dra. Manuela Cruz, psicóloga clínica

Contornar o problema

Até por volta dos três anos de idade é normal as crianças fazerem chichi na cama. A partir desta idade, na ausência de lesão do sistema nervoso ou de outra doença orgânica, a enurese nocturna está ligada à dificuldade de simbolização.

Costumamos dizer que a criança sonha com o corpo. O chichi na cama é qualquer coisa que a criança repete na tentativa de encontrar alguma solução para as seus enigmas relacionados com os medos e com os mistérios da noite.

Não há motivos para os pais se inquietarem. A inquietação mantém o sintoma. Devem ter alguma tolerância e ajudar a criança a desenvolver sonhos mais evoluídos. Têm de encontrar um equilíbrio entre tolerância e repressão.

Uma maneira de ajudar as crianças a simbolizar é contando-lhes histórias. Não só desenvolvem o imaginário como ajudam a simbolizar os sonhos que se constroem nestas inquetações.

Ao mesmo tempo ajudam a criança a encontrar por ela própria soluções para os seus enigmas. Os sintomas da enurese noturna são benignos e pouco importantes se não persistirem durante muito tempo.

Nas fases escolares é relativamente pouco importante. Se persistir consulte um psicólogo.

Ajude o seu filho a ser controlado

A criança aprende a controlar os intestinos antes de aprender a controlar a bexiga. Pode abordar o ensino do asseio quando o seu filho estiver física e mentalmente preparado, ou seja a partir dos 18 meses para as fezes e dos 24 meses para a urina.

O asseio noturno só aparece entre os dois e os três anos de idade. Saiba também que aos três anos, uma criança em cada duas ainda faz chichi na cama.

• Incite o seu filho a fazer as necessidades no penico, e recompense-o.
• Sente-o no penico a horas fixas.
• Quando ele já fizer as necessidades corretamente no penico, ponha um assento especial na retrete para ele se habituar.

Conselhos para limitar e evitar os chichis na cama

• Tente não dar demasiados líquidos ao seu filho depois das 18 horas
• Ponha-o a fazer chichi antes de se deitar.
• Não o culpabilize, pois só aumenta a ansiedade.
• Respeite o pudor do seu filho. Não conte a toda a gente o problema, não esquecendo de que se trata de uma questão entre si e ele.

Explique-lhe de onde vem o chichi e como é que o corpo funciona. É mais fácil assim para ele perceber o problema.

• Diga-lhe para se conter de vez em quando para aprender a controlar os músculos.
• Peça-lhe para ajudá-la a mudar a roupa da cama, e para pôr o pijama dele na máquina.
• Peça-lhe para escrever num calendário todos os dias em que não fez chichi na cama; pode por autocolantes ou fazer desenhos.

Recompense-o com uma prenda.

• Não lhe ponha fraldas. Diga-lhe que já é suficientemente crescido para usar fraldas. Opte por um resguardo.