Coceira na virilha, o que pode ser e como acabar com ela

Revisado por Dr Pedro Secchin (Dermatologista CRM-SP 195965). Publicado em 14 de dezembro de 2009

Apesar de não representar um sintoma grave, a coceira na virilha é um dos sintomas mais desconfortáveis que os corpos femininos e masculinos podem apresentar, sobretudo quando ocorre em ambientes profissionais. Esse problema pode aparecer por diversos fatores, desde a recente depilação, à alergia ao tecido de que são feitas as roupas intimas. Em casos mais leves, um bom hidratante pode auxiliar. Cremes de uso tópico específicos para as alergias, como Polaramine e Fenergan também podem ajudar a aliviar o desconforto.

Foto de coceira na virilha e impinge nas partes intimas

É necessário ficar atento, no entanto, porque as coceiras persistentes podem apontar para um problema de pele, como por exemplo uma micose ou um fungo na virilha. De forma mais rara, a coceira também pode indicar uma infestação de piolhos nos pelos pubianos.

É fundamental observar se os sintomas se prolongam ou não. Se a higiene adequada for feita por quatro dias, juntamente ao uso de roupas íntimas de tecidos leves, e a coceira não melhorar, é importante consultar o dermatologista para serem realizados exames específicos a fim de identificar as origens do problema.

Possíveis causas

As causas mais frequentes da coceira na virilha passam por simples alergias ou reações à depilação, por isso o que deve indicar a necessidade da consulta a um médico é a duração dos sintomas associada a algum motivo prévio presente que possa indicar a coceira. Sendo assim, se não houve depilação, alteração nos produtos de higiene íntima ou mudança no tecido das roupas íntimas, o especialista poderá ser consultado mais rapidamente. As principais causas incluem:

1) Crescimento de pelos

Após a depilação, boa parte das pessoas queixa-se de coceira na virilha, sobretudo quando a retirada dos pelos é feita por meio de lâminas, que devem sempre ser passadas no sentido de crescimento dos pelos. Para evitar a coceira nestes casos, deve-se hidratar bem a pele após a depilação, com um creme hidratante da preferência do paciente.

Além disso, uma esfoliação local poderá ser realizada antes da depilação, para que sejam retiradas as impurezas.

2) Alergia à calcinha ou cueca

As peças de tecidos sintéticos, apesar de proporcionarem às roupas um custo menor para serem adquiridas, não fazem bem ao corpo humano, sobretudo em locais quentes, pois impossibilitam a respiração do corpo, acumulando suores excessivos. Por conta disso, o uso de calcinhas ou cuecas que não são de fibras naturais, aumenta a irritação da pele e, consequentemente, a coceira.

Quando é assim, algum creme hidratante poderá ser utilizado juntamente a alguma pomada como Polaramine e Fenergan, mas vale lembrar que a questão será resolvida apenas quando as peças íntimas forem substituídas por outras mais confortáveis.

Micose Da Virilha (Tinea Cruris)

3) Micose da virilha

Mais comum nos homens, que suam mais que as mulheres, a micose da virilha (Tinea Cruris) é uma das causas responsáveis pela coceira na virilha. A região, além do incômodo da coceira, também aparenta vermelhidão e possíveis bolhas na pele.

Nestes casos, é fundamental consultar um dermatologista para que ele possa apresentar um diagnóstico claro, juntamente ao tratamento adequado, que pode ser realizado com loções antifúngicas, pomadas ou cremes. Nos casos mais severos da doença, em que os medicamentos de uso tópico não são suficientes, o especialista poderá, ainda, prescrever antifúngicos orais, para combater a micose.

4) Candidíase

Uma das doenças mais comuns nas mulheres adultas, a Candidíase. possui como um dos seus sintomas principais a coceira na virilha e vagina. Essa coceira, no entanto, geralmente vem associada à ardência ao urinar, desconforto nas relações sexuais, corrimento amarelado e inchaço na vagina. Vale lembrar que, apesar de ser uma doença predominantemente feminina, a Candidíase também atinge os homens. Veja também quais as causas mais frequentes de coceira na vagina.

Em caso de observação dos sintomas descritos acima, é importante ir ao dermatologista, para avaliar a causa da coceira. Se for constatada uma possível Candidíase, é fundamental a visita ao ginecologista, para que ele avalie qual é a melhor prescrição, que pode ser oral ou tópica. Veja ainda alguns cuidados que pode seguir em casa para tratar a candidíase vaginal.

5) Piolhos pubianos

Normalmente este problema está associado a casos de higiene íntima precária, por isso é fundamental manter a região íntima bem higienizada e não compartilhar toalhas e roupas. Confira como a mulher e o homem deve fazer a higiene íntima.

Nestes casos, é importante consultar o dermatologista para que possam ser prescritos medicamentos antiparasitários que acabem com os piolhos.

Uma das recomendações é manter a área bem depilada, para que seja possível a visualização e retirada dos parasitas. Além disso, lençóis, toalhas e travesseiros devem ser higienizados sempre em água morna, matando os eventuais ovos restantes.

Outras causas incluem:

Psoríase: a psoríase pode se desenvolver na área genital, incluindo: Pênis, Escroto, Vulva, Ânus, dobras das nádegas e Parte superior das coxas

Líquen plano: quando ocorre na área genital (Vagina, Vulva, Pênis, Ânus), frequentemente causa manchas vermelhas que podem causar ardor e coceira.

Líquen escleroso: esta condição pode causar manchas brancas e espessas que se desenvolvem nos Genitais femininos, Ânus e Pênis. É mais comum quando os níveis de estrogênio são baixos (geralmente em meninas antes de iniciar a menstruação e em mulheres na pós-menopausa).

Oxiúrus: A infecção causada por este verme tende a causar coceira intensa, especialmente à noite. Trata-se de um parasita que vive dentro dos intestinos dos humanos. Quando os parasitas fêmeas se preparam para pôr os ovos, eles viajam para o reto do indivíduo, geralmente depositando os ovos dentro do reto enquanto a pessoa dorme.

Câncer de pele: embora seja raro, é possível o indivíduo desenvolver câncer de pele na região genital, que geralmente ocorre na Vulva, Pênis, Escroto, A área entre o escroto (ou vagina) e o Ânus. Um dos sintomas de câncer de pele é uma coceira que não desaparece. Outros sintomas incluem dor, crescimento de nódulos, sangramento ou corrimento.

O que fazer para não ter mais coceira na virilha

Ainda que provocadas por diversos motivos, há formas de tentar prevenir as coceiras na virilha, poupando o corpo desse grande desconforto. As dicas abaixo buscam prevenir o aparecimento desse sintoma:

Mantenha a região higienizada e hidratada: é fundamental que as pessoas mantenham a região limpa, sobretudo nas épocas mais quentes do ano, que são mais propícias à proliferação de fungos e bactérias. Além disso, os cremes hidratantes conseguem evitar o ressecamento e a irritação proporcionados pelo atrito ou pelo calor.

Evite usar roupas sintéticas o tempo inteiro: os tecidos naturais, por permitirem a respiração da pele, auxiliam no combate aos sintomas das doenças provocadas pelo calor excessivo, por isso são um bom investimento a longo prazo.

Faça a depilação à noite: o momento ideal para realizar a depilação é no banho da noite, para que seja possível passar um hidratante após a retirada dos pelos e para que a pele consiga respirar. Depilar a virilha e, em seguida, sair à praia ou colocar uma calça jeans possivelmente irritarão o local, proporcionando coceiras.

A informação foi útil? Sim / Não

Ajude-nos a melhorar a informação do Educar Saúde.

O texto contém informações incorretas? Está faltando a informação que você está procurando? Se ficou com alguma dúvida ou encontrou algum erro escreva-nos para que possamos verificar e melhorar o conteúdo. Não lhe iremos responder diretamente. Se pretende uma resposta use a nossa página de Contato.


Nota: O Educar Saúde não é um prestador de cuidados de saúde. Não podemos responder a perguntas de saúde ou aconselhá-lo nesse sentido.

Referências

Bunker, CB. “Diseases of the male genitalia”:654-75.

Janik MP and Heffernan MP. “Yeast infections: Candidiasis and tinea (pityriasis) versicolor”:1824.

Torgerson RK, Edwards L. “Diseases and disorders of the female genitalia”:675-83.

  • Centers for Disease Control and Prevention (CDC). “Parasites – Enterobiasis.” Page last updated January 13, 2013. Last accessed September 25, 2018.
  • Chi CC, Kirtschig G, et al. “Systematic review and meta-analysis of randomized controlled trials on topical interventions for genital lichen sclerosus.” J Am Acad Dermatol. 2012;67:305-12.
  • Paek SC, Merritt DF, et al. “Pruritus vulvae in prepubertal children.” J Am Acad Dermatol 2001;44: 795-802.

 

Autores
Dr Pedro Secchin (Dermatologista CRM-SP 195965)

Dermatologista - CRM-SP 195965 / RQE 73850

Consultar > Currículo Lattes.

O Dr. Pedro Secchin é Graduado em Medicina pela Universidade Gama Filho (UGF) – 2011. É Mestrado em Medicina pela Fundação Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz). Além disso o Dr. também possui:

- Especialização em Dermatologia no Hospital Universitário Clementino Fraga Filho da Universidade Federal do Rio de Janeiro (HUCFF/UFRJ) - 2018.

- Título de especialista em Dermatologia pela Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD) e Associação Médica Brasileira (AMB).

- É membro titular da Sociedade Brasileira de Dermatologia.

Endereço: Rua Inglês de Sousa, 449. CEP: 01546-010 - Jardim da Glória São Paulo - São Paulo Telefone: ‪(11) ‬4301-9931

Também pode encontrar o Dr. Pedro no Linkedin e Instagram.

Última atualização da página em 06/08/19