-->Colite Ulcerativa - Tratamento, Complicações, Sintomas, Causas e Diagnostico

Colite Ulcerativa

Publicado em 03/02/2010. Revisado por Drª Raquel Pires (Nutricionista - CRN-6 nº 23653) a 8 dezembro 2018

COLITE ULCERATIVA – SINTOMAS, CAUSAS E CARACTERISTICAS DO DIAGNOSTICO
. Diarréia de pouco volume, muitas vezes sanguinolenta; tenesmo e dor abdominal baixa em cólica; associada a febre, perda
ponderal, exantema
. Dor abdominal leve à palpação, lesões cutaneomucosas, eritema nodoso ou pioderma gangrenoso
. Anemia, aumento da velocidade de hemossedimentação, hipoproteinemia, ausência de patógenos fecais
. Mucosa irregular com perda das saculações no clister opaco; cólon comprometido contiguamente desde o reto, que quase
sempre é acometido
. Abscessos das criptas na biopsia da mucosa retal
. Incidência aumentada de adenocarcinoma colônico com início em idade jovem, doença ativa de longa duração, pancolite

COLITE ULCERATIVA – DIAGNOSTICO DIFERENCIAL
. Colite bacteriana, amebiana ou isquêmica
. Doença diverticular
. Adenocarcinoma do cólon
. Estenose colônica benigna
. Colite pseudomembranosa
. Colite granulomatosa ou doença de Crohn
. Diarréia associada a antibióticos
. Colite por irradiação ou colite colagenosa

COLITE ULCERATIVA TRATAMENTO
. Mesalamina ou corticosteróides tópicos por enema ou supositórios
. Dieta isenta de lactose durante exacerbações
. Sulfassalazina, mesalamina ou olsalazina paraterapia crônica
. Mesalamina, corticosteróides ou ciclosporina para exacerbações agudas; alguns recomendam testes sorológicos para amebíase antes de esteróides sistêmicos
. O óleo de peixe, o ciprofloxacino e a nicotina podem ser benéficos na doença refratária
. Colectomia para o megacólon tóxico refratário à terapia clínica, para manifestações extracolônicas graves, câncer ou displasia colônica ou (em pacientes selecionados com doença de longa duração) profilaxia do câncer
. Colonoscopia anual após 8 anos de pancolite como vigilância para displasia.

Dica
Quatro complicações hepatobiliares : pericolangite, hepatite crônica ativa, colangite esclerosante e colangioearcinoma; as duas primeiras acompanham a atividade da colite, ao contrário das duas últimas.
Referência
Hanauer SB: Medical therapy for ulcerative colitis 2004. Gastroenterology 2004

Saiba mais sobre:
A informação foi útil? Sim / Não

O texto contém informações incorretas? Está faltando a informação que você está procurando? Se ficou com alguma dúvida ou encontrou algum erro escreva-nos para que possamos verificar e melhorar o conteúdo. Não lhe iremos responder diretamente. Se pretende uma resposta use a nossa página de Contato.


Nota: O Educar Saúde não é um prestador de cuidados de saúde. Não podemos responder a perguntas de saúde ou aconselhá-lo nesse sentido.
Autores
Drª Raquel Pires (Nutricionista - CRN-6 nº 23653)

Nutricionista Clínica - CRN-6 nº 23653

A Drª Raquel Pires é Nutricionista, Health Coach e Personal Diet, com grande experiência em atendimento em consultório e Idealizadora do Projeto ESD (Emagrecimento sem Dor).

Formação Acadêmica

- Graduada pela Universidade Santa Úrsula. - Pós Graduada em Nutrição Clínica. - Pós Graduada em Prescrição de Fitoterápicos e suplementação Nutricional Clínica e Esportiva. - Pós Graduada em Nutrição Aplicada ao Emagrecimento e Estética.

Também pode encontrar a Drª Raquel no Linkedin, Facebook e Youtube

Marcação de consultas 88-99685-0858