Comer por dois durante a gravidez

A alimentação na gravidez é um tema delicado. Ao contrário do que se diz, uma grávida não deve “comer por dois”, mas deve ter cuidados especiais com aquilo que come.

Na gravidez, a mulher deve assegurar-se que o que come é o suficiente para suster as transformações físicas e funcionais do seu corpo, mas também para proporcionar ao seu filho o ambiente que lhe permita desenvolver-se plenamente. Nesta fase, a mulher precisa de um acréscimo de energia, pelo que a sua dose calórica diária recomendada deve ser aumentada, gradualmente e até ao último trimestre da gestação, em 200 a 400 Kcal. No final da gravidez, a alimentação da grávida deverá ter contribuído para um aumento de pouco mais de um quilo por mês, ou seja, a grávida deverá ter apenas 10 ou 12,5 quilos a mais na altura do parto. Contudo, há que ter em atenção que estes valores são apenas uma referência e que cada futura mamã deve ser devidamente acompanhada e aconselhada pelo seu médico.

A alimentação da grávida deve ser vigiada, pois muitas mulheres desenvolvem excesso de peso para o resto da vida devido a erros alimentares durante esta fase ou durante a lactação. É preciso distinguir o que é um apetite aumentado devido a alterações hormonais, dos impulsos da gula que pouca gente tem coragem de censurar. Nada se nega a uma grávida, não é?

Num regime alimentar saudável no primeiro trimestre da gravidez, a grávida deve consumir, por dia, cerca de 7,5 dl de leite ou os seus equivalentes e aumentar o seu consumo de vegetais, especialmente os corados, como as cenouras ou abóbora. Também pode comer mais uma peça de fruta do que as 2 ou 3 que deveria comer habitualmente.

Nos dois trimestres seguintes, deve aumentar em 75 g a sua dose de carne ou peixe. Deve também consumir mais 100 a 150 g de produtos hortícolas e de fruta, e aumentar em 50 g a sua ração de pão ou equivalentes. Neste período pode ser encorajado o consumo de fígado, rico em certas vitaminas que contribuem para o bem-estar da grávida e do bebé.

Também é importante lembrar que a grávida deve reduzir ou eliminar o consumo de produtos com cafeína, já que este composto atravessa a placenta e é muito excitante para o bebé. E, claro, bebidas alcoólicas estão proibidas!

Só mais uma coisa: o estado nutricional da mulher antes da gravidez é fundamental para uma gestação bem sucedida. Por isso, é muito importante que todas as futuras mamãs se aconselhem com o seu médico ou com um técnico de nutrição se estão a pensar engravidar. Para aprender a ser mamã, é preciso aprender a ser grávida. A comer para dois e não por dois.