Como Fica a Mulher Após Retirar o Útero: 10 Coisas Que Seu Médico Não Te Contará Sobre Histerectomia

Se o seu ginecologista diz que é hora de uma histerectomia, você precisará saber o que isto pode significar para o seu futuro, seus hormônios e sua vida sexual, antes que você concorde.

Como Fica A Mulher Após Retirar O Útero, 10 Coisas Que Seu Médico Não Te Contará Sobre Histerectomia

“Sua vida sexual não acaba após a histerectomia, mas você vai precisar de tempo para se recuperar.”

“A menopausa não é uma certeza após a histerectomia.”

“A histerectomia não é uma cura para a endometriose, mas para algumas mulheres, pode diminuir o risco de certos tipos de câncer.”

Descubra Como Fica a Vida Sexual Após a Histerectomia

Apesar da histerectomia ser uma das cirurgias mais comuns para as mulheres que vivem nos Estados Unidos, os mitos sobre a remoção do útero abundam.

Cerca de 600.000 mulheres americanas fazem histerectomias  a cada ano, estima o Centro de Prevenção e Controle de Doenças dos EUA. Se você está prestes a ser uma delas, primeiro é essencial uma conversa franca com seu ginecologista.

Há muito tempo atrás, a histerectomia foi usada como um tratamento para mulheres com “histeria” — um diagnóstico amplo que abrangia sintomas como ansiedade e depressão.

Agora, a histerectomia é uma das muitas opções se você tem miomas (tumores não cancerosos), fluxos menstruais excessivos ou prolapso uterino (útero caído).

A histerectomia pode ser uma necessidade médica real, não simplesmente uma outra opção, se você tem câncer invasivo de órgãos reprodutivos — o útero, colo do útero, vagina, trompas de falópio ou ovários.

» Descubra Como Desobstruir as Trompas de Falópio Naturalmente

Uma histerectomia parcial é a remoção cirúrgica somente do útero, e uma miomectomia é a remoção apenas dos miomas.

Uma histerectomia total remove o colo do útero, bem como o útero. Em certos casos de câncer, o terço superior da vagina também é removido. Esta cirurgia é chamada histerectomia radical e é extremamente rara.

A menos que você pergunte, certos temas críticos e altamente sensíveis podem não surgir quando você discute prós e contras da histerectomia  com seu médico.

Então fale abertamente e seja específica. Descobra o que uma histerectomia pode significar para sua vida sexual, seus hormônios, e seu futuro.

Continuação » Aumento Anormal do Útero? Descubra as Causas, Tratamento, Perspectivas e Tudo…

Aqui estão 10 coisas que seu médico pode omitir, mas que você precisa saber…

Hsterectomia, A Retirada Do útero

Sua vida sexual não acaba Aqui!

Em quanto tempo você pode fazer sexo depois de uma histerectomia realmente depende do tipo de histerectomia: parcial, total ou radical.

Esperar de duas a quatro semanas para voltar ao sexo geralmente está bem, com a aprovação do seu médico, se o seu colo do útero não foi removido junto com seu útero, diz Lauren Streicher, MD, colunista de “Everyday Health”, Professora Associada de Obstetrícia e Ginecologia na Northwestern University em Chicago.

Mas se o colo do útero foi removido, demora cerca de seis semanas para a parte de trás da vagina curar.

“Peça ao seu médico para definir o que eles querem dizer com sexo”, aconselha a Dr. Streicher.

O que eles definem geralmente é como relação vaginal. Orgasmo pode ser ok, sexo oral também, bem como usar o vibrador — mas suas perguntas precisam ser específicas.

A histerectomia nunca é uma cura para a endometriose. 

“Não tem um dia em que eu não deseje, com cada fibra do meu ser, que meu médico tivesse insistido em ressaltar para mim o fato vital de que fazer uma histerectomia NÃO é uma cura para a endometriose,” diz Rachel Cohen, 29, de Woodmere, NY , sobre sua histerectomia total.

De fato, a endometriose — uma condição marcada por cólicas menstruais severas, dor crônica e relações sexuais dolorosas — não é curada pela remoção do útero, de acordo com o Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos EUA.

E das muitas opções de tratamento, que incluem analgésicos e terapias hormonais, a histerectomia com remoção dos ovários inclusa, não é um tratamento de primeira linha.

Cirurgia conservadora, usando um método minimamente invasivo pode ser uma opção e vai preservar o útero.

A histerectomia de Cohen aos 28 anos, recomendada pelo seu ginecologista, nem sequer diminuiu os sintomas da endometriose.

Saiba se é Possível ter Câncer no Ovário Depois de Uma Histerectomia

Você não entrará necessariamente na menopausa.

“Eu esperava ter ondas de calor loucas, mudanças de humor e suores noturnos o tempo todo, e fiquei agradavelmente surpresa ao descobrir que mal tive qualquer um desses sintomas” diz Cohen sobre a sua experiência após a histerectomia.

O mito sobre a histerectomia que Streicher ouve mais frequentemente em sua prática médica, é que uma mulher vai entrar na menopausa depois.

Você não terá períodos menstruais e não poderá engravidar depois que o útero for removido.

Mas isso não significa, necessariamente, menopausa.

Streicher explica, “A única que entrará em menopausa é uma mulher que teve seus ovários removidos durante o procedimento e que ainda não estava na menopausa.”

Se a cirurgia for limitada ao útero, o momento da menopausa natural pode não ser afetado.

A histerectomia pode incluir a remoção dos seus ovários. 

Durante a cirurgia, seu médico pode remover um ou ambos os ovários e as trompas de falópio, bem como seu útero.

Os ovários são a fonte dos hormônios femininos estrogênio e progesterona. Estes são essenciais para a saúde sexual e a saúde óssea.

Perder os dois ovários significa que esses hormônios também perdem-se abruptamente, uma condição conhecida como menopausa cirúrgica.

Essa perda repentina de hormônios femininos pode causar sintomas mais fortes de menopausa, incluindo ondas de calor e perda do desejo sexual.

O trauma emocional da histerectomia pode levar muito mais tempo para curar do que os efeitos físicos.

A Terapia hormonal poderia ajudar com alterações físicas após a cirurgia.

Se você tiver uma histerectomia que remova os ovários, então você deve falar sobre os prós e contras da terapia de estrogênio com seu médico, diz Streicher.

Depois que os ovários são removidos, a terapia de estrogênio pode ajudar a aliviar os sintomas incômodos da menopausa.

No entanto, a terapia hormonal oral aumenta os riscos de acidente vascular cerebral, coágulos sanguíneos como trombose venosa profunda e doenças do coração, o que você também deve discutir com seu médico.

Você pode evitar uma histerectomia.

Dependendo da condição que você está enfrentando, você pode ser capaz de manter o seu útero intacto.

Existem alternativas para cerca de 90 por cento das histerectomias que os cirurgiões fazem, de acordo com Streicher em seu Guia Essencial de Histerectomia.

Miomas, por exemplo, podem ser tratados usando um procedimento não-cirúrgico chamado embolização da artéria uterina que corta o fornecimento de sangue dos miomas.

Outra opção para tratar miomas é a miomectomia, que remove os miomas, mas poupa o útero.

Para sangramento intenso, um procedimento de ablação — que congela ou queima o revestimento uterino – pode ser uma opção de tratamento.

Antes de programar uma histerectomia, tenha uma discussão com seu médico sobre os tratamentos alternativos para a sua condição.

Cirurgia menos invasiva pode ser a opção certa para você.

Pergunte ao seu médico sobre cirurgia minimamente invasiva, também chamada de histerectomia laparoscópica ou assistida por robótica.

Este novo tipo de cirurgia requer anestesia geral, mas utiliza apenas pequenas incisões, causa menor perda de sangue e estadias mais curtas no hospital.

A cirurgia laparoscópica é usada em cerca de 45 por cento das vezes para a histerectomia agora, de acordo com Streicher.

No entanto, nem todos os cirurgiões ginecológicos oferecem-na. A recuperação é mais rápida, com menos complicações, diz ela.

Se seu médico indicar que você não é uma candidata para este tipo de cirurgia, então pergunte, “Você faz muita cirurgia minimamente invasiva?”

Se não o fizerem, Streicher observa que poderiam ser eles, e não você, quem não é certo para um dos procedimentos mais recentes.

A técnica de morcelamento tem vantagens e riscos.

Para ser capaz de remover o útero durante uma cirurgia minimamente invasiva, os cirurgiões o cortam em pequenas seções e podem usar um processo chamado morcelamento.

Recentemente,, a prática foi criticada por causa da evidência de que poderia potencialmente aumentar o risco de espalhar células cancerosas.

Em resposta, um fabricante parou de vender seus equipamentos morceladores e os recolheu, o Washington Post noticiou.

“Morcelamento não causa câncer,” explica Streicher, “mas se a pessoa tivesse um tipo específico de câncer, você poderia potencialmente espalhar o câncer pelo morcelamento.”

Este tipo de câncer é extremamente raro, adiciona Streicher. Um relatório publicado recentemente descobriu que apenas 27 em cada 10.000 mulheres estaria em risco.

O consentimento informado é obrigatório antes de ir adiante com esse procedimento, diz Streicher.

A histerectomia pode prevenir certos tipos de câncer.

Para as mulheres que têm defeito nos genes BRCA1 ou BRCA2, os riscos de desenvolver câncer de ovário são muito mais elevados, de acordo com o Instituto Nacional do Câncer dos EUA.

Apenas cerca de 1 por cento das mulheres que não têm defeitos no BRCA1 ou BRCA2 contraem câncer de ovário, comparado com 45 a 65% das mulheres que têm as mutações.

Em alguns casos, após testes genéticos, as mulheres com mutações no BRCA1 ou BRCA2 optam por uma cirurgia preventiva.

Isto remove os dois ovários, a chamada ooforectomia profilática e pode ser feita sozinha ou no momento da histerectomia.

Estudos mostram que fazer a cirurgia reduz o risco de morrer de câncer de ovário em 80 por cento.

A recuperação psicológica após a histerectomia pode levar tempo.

Para algumas, o trauma emocional da histerectomia pode levar muito mais tempo para curar do que os efeitos físicos.

Sentir-se um pouco para baixo ou ter um sentimento de perda após uma cirurgia é normal.

Mas esteja atenta à depressão pós-operatória e procure ajuda profissional se precisar — para lidar com a insônia, perda de apetite ou sensação de desesperança, se você tiver.

“Eu tenho que lutar com a realidade dolorosa de que não posso mais menstruar ou ter filhos”, diz Cohen.

Para ela, a histerectomia foi uma experiência emocionalmente dolorosa.

“Cada mulher que passa por uma lida com isso de uma forma que é exclusivamente dela,” ela diz.

Continua » Como Fica a Vida Sexual Após a Histerectomia