-->Principais Causas do Corrimento Branco, Grosso e Pegajoso

Saiba o que pode ser o Corrimento Branco

Publicado em 31/10/2018. Revisado por Drª Camille Rocha Risegato (Ginecologista e Obstetra - CRM SP-119093) a 28 novembro 2018

O corrimento branco e espesso (tipo clara de ovo) ou fino, normalmente está associado ao ciclo menstrual, e indica que a mulher está ovulando. Esta alteração na consistência geralmente resulta de alterações hormonais e pode ser um sinal de que a mulher está grávida.

No entanto, quando esse muco tem uma consistência anormal, semelhante a queijo cottage ou leite coalhado, podendo por vezes ficar amarelo ou verde, acompanhado de mau cheiro, e sintomas como coceira, inchaço, vermelhidão, sensação de ardor ou dor durante a micção, pode ser sinal de uma infecção fúngica como a candidíase vaginal ou vaginose bacteriana. Nestes casos é importante consultar o ginecologista para conhecer as melhores opções de tratamento.

Conheça As Principais Causas Do Corrimento Branco, Grosso E Pegajoso E Aprenda O Significado De Cada Tipo De Consistência

O que é o corrimento vaginal

O corrimento vaginal é uma parte importante da saúde vaginal. Ele pode sofrer alterações durante o ciclo menstrual, mas, quase sempre, é um sinal de que tudo está funcionando bem.

No entanto, em alguns casos, o corrimento branco pode ser sinal de um problema oculto. Leia mais para saber quando a mulher necessita de orientação médica.

O que causa corrimento branco e espesso?

O corrimento branco e espesso geralmente ocorre durante todo o ciclo menstrual. É conhecido como leucorreia e é completamente normal.

A secreção é mais fina nos dias que antecedem a ovulação, ou quando o óvulo é liberado. Durante a ovulação, a secreção pode tornar-se mais espessa, semelhante a muco. Este é um sinal de que a mulher está ovulando, e é usado como indicador natural de fertilidade. A presença deste corrimento indica que a mulher está no seu período fértil e é o momento ideal para engravidar.

O corrimento vaginal é também usado para manter os tecidos vaginais úmidos e lubrificados.

A sua concistência é influenciada pelos hormônios reprodutivos, e é por isso que muda durante todo o ciclo menstrual e gravidez.

Ele tem também a função de manter o equilíbrio do pH vaginal, já que essas secreções atuam como uma lubrificação natural que removem as bactérias, e germes da cavidade vaginal.

Publicidade

Desde que o corrimento não apresente mau odor e a mulher não esteja sentindo nenhum outro sintoma, trata-se de uma secreção prerfeitamente normal e saudável.

Na verdade, a maioria das mulheres produz cerca de uma colher de chá de fluidos vaginais todos os dias. Após a ovulação, essa quantidade pode aumentar até 30 vezes.

O que causa a secreção branca e leitosa?

Nos primeiros dias do ciclo menstrual, é normal o corrimento vaginal ser fino, branco e leitoso. Algumas pessoas descrevem a sua consistência como se fosse “clara de ovo”.

Esta secreção mais fina é sinal de que a mulher está se preparando para a ovulação. É completamente normal, e á medida que a mulher se aproxima do período, pode se tornar mais espessa e opaca.

Essa secreção branca leitosa também pode ser um sintoma de gravidez. Nos estágios iniciais da gravidez, algumas mulheres produzem um corrimento branco fino e leitoso. Ele resulta das alterações hormonais, que estão preparando o corpo para os nove meses de gravidez.

Esta secreção pode ajudar a eliminar bactérias, germes, e formar um tampão de muco no colo do útero para o manter saudável e impedir a propagação de bactérias no útero durante a gravidez.

No entanto, se a cor do corrimento desenvolver uma tonalidade cinza-clara e um forte odor a peixe, pode ser um sinal de infecção.

Os sintomas comuns de vaginose bacteriana incluem uma secreção branca e cinza leitosa, com um mau cheiro bem forte.

Vaginose bacteriana

A Vaginose bacteriana é uma infecção da vagina que ocorre quando o equilíbrio natural das bactérias na vagina é alterado e atacado pela bactéria Gardnerella vaginalis, causando irritação e coceira vaginal intensa.

A secreção pode ser branca, cinza escuro, esverdeada e/ou espumosa. O cheiro a peixe é muitas vezes mais perceptível após a relação.

Publicidade

Quando não tratada, a vaginose bacteriana pode aumentar o risco de contrair doenças sexualmente transmissíveis, incluindo clamídia, gonorreia, herpes, tricomoníase e HIV. Para além disso, a infecção também pode aumentar o risco de doença inflamatória pélvica (DIP), que pode afetar a fertilidade; levar ao nascimento prematuro e ao baixo peso do bebê ao nascer.

Como tratar: A infecção é facilmente curada com antibióticos em forma de comprimidos, ou através de geis ou pomadas colocadas na vagina. Os antibióticos mais comuns no tratamento da vaginose bacteriana são o metronidazol e a clindamicina.

O que causa corrimento grosso, branco e diferente do costume?

Quando existe a presença de uma secreção branca mais grossa, descrita como queijo cottage ou leite coalhado, pode ser sinal de candidíase vaginal.

A vagina faz um trabalho extraordinário em manter o equilíbrio do pH de todo um espectro de bactérias e fungos que nela vivem.

Publicidade

Por vezes esse equilíbrio é perturbado e dá-se o crescimento de algumas bactérias ou fungos prejudiciais, como é o caso das infecções fúngicas, onde um fungo chamado Candida albicans pode prosperar rapidamente e originar uma infecção.

As mulheres com infecções fúngicas podem experimentar os seguintes sintomas:

  • corrimento com consistência de queijo cottage
  • corrimento branco que pode ficar amarelo ou verde
  • mau cheiro vindo da vagina
  • coceira na vulva ou vagina
  • inchaço ou vermelhidão ao redor da vulva
  • sensação de ardor ou dor durante a micção
  • dor durante a relação sexual.

Candidíase vaginal

A candidíase vaginal é a causa mais comum de coceira na vagina. Também conhecida como infecção por fungos, ela está associada ao corrimento esbranquiçado, semelhante a coalhada e a sintomas de coceira.

Como tratar: A candidíase geralmente é curada em poucos dias com medicamentos antifúngicos, pomadas, comprimidos ou supositórios vaginais (como o Monistat e outras marcas). Certifique-se de seguir as instruções do ginecologista e usar o medicamento até ao fim, mesmo que os sintomas desapareçam antes de o terminar.

Existem alguns antifúngicos de dose única, como o Diflucan ou o Fluconazol, que necessitam de prescrição médica.

É importante a mulher abster-se de relações sexuais enquanto estiver tratando a infecção.

Publicidade

Normalmente o parceiro não necessita de tratamento uma vez que não se trata de uma doença sexualmente transmissível. No entanto, em mulheres com infecções recorrentes, o parceiro pode necessitar de tratamento.

Secreção grossa, branca e pegajosa

Quando a mulher não está ovulando, o corpo produz um fluido vaginal mais grosso e pegajoso. Esse corrimento vaginal funciona como uma barreira para evitar que o espermatozoide entre no colo do útero e no útero.

Embora não seja infalível, esta defesa natural pode ajudar a impedir que alguns germes e bactérias entrem no colo do útero, o que pode ajudar a evitar infecções nos dias logo após o período menstrual, quando a vagina produz menos fluidos.

O aumento das secreções vaginais ajuda a eliminar bactérias e germes que possam representar um risco para a saúde geral e equilíbrio da vagina.

Quando consultar o ginecolosista

Ginecolosista A Analisar Vagina Na Busca De Sinais De Bactérias E Fungos

Em quase todos os casos, o corrimento vaginal espesso e branco é um sinal de saúde e bem-estar nos órgãos reprodutivos. No entanto, em alguns casos pode ser indicação de um problema de saúde oculto.

É importante consultar o ginecologista se sentir algum dos seguintes sintomas, juntamente com um corrimento vaginal diferente do normal:

  • dor
  • coceira
  • desconforto
  • sangramento
  • ausência de menstruação
  • erupções cutâneas ou feridas juntamente com desconforto vaginal
  • sensação de queimação ao urinar ou durante a relação sexual
  • odor forte e persistente vindo da vagina

Desde que o corrimento não atenda a nenhum desses critérios, é um sinal de saúde. Em outras palavras, é uma coisa boa!

Cuidados para evitar o Corrimento Branco

Evite perturbar o equilíbrio do pH vaginal. Não use sabonetes perfumados, duchas vaginais, ou qualquer produto que desequilibre a umidade natural e a defesas internas da vagina:

Use apenas roupa íntima de algodão.

Publicidade

Evitar o contato da vagina com produtos que a possam irritar, como produtos de higiene feminina, sabonetes perfumados ou desodorantes, pós, loções e banhos de espuma.

Evite o uso de roupas apertadas (roupas de banho, esportivas ou meia-calça), por períodos prolongados.

Muitas vezes as infecções vaginais causam coceira intensa – evite coçar! Coçar as áreas infectadas e inflamadas só piora o problema.

Sempre use preservativos durante as relações sexuais, a menos que esteja em um relacionamento monogâmico de longo prazo.

Limpe sempre a vagina da frente para trás após urinar ou evacuar. A limpeza inadequada propaga facilmente as bactérias para a vagina e pode levar a infecções.

É importante ficar atenta a quando o corrimento exibe uma cor amarelada, rosada ou marrom, pois pode ser sintoma de uma infecção ou DST. Saiba mais em Saiba o que significa cada cor de Corrimento Vaginal.

Saiba mais sobre:
A informação foi útil? Sim / Não

O texto contém informações incorretas? Está faltando a informação que você está procurando? Se ficou com alguma dúvida ou encontrou algum erro escreva-nos para que possamos verificar e melhorar o conteúdo. Não lhe iremos responder diretamente. Se pretende uma resposta use a nossa página de Contato.


Nota: O Educar Saúde não é um prestador de cuidados de saúde. Não podemos responder a perguntas de saúde ou aconselhá-lo nesse sentido.

Referências
Autores
Drª Camille Rocha Risegato (Ginecologista e Obstetra - CRM SP-119093)

Ginecologista e Obstetra - CRM SP-119093

Dra Camille Vitoria Rocha Risegato - CRM SP nº 119093 é formada há 14 anos pela Fundação Técnico Educacional Souza Marques, Rio de Janeiro.

Dra Camille mudou se para São Paulo onde realizou e concluiu residência médica em Ginecologia e Obstetrícia (RQE nº 25978) no Centro de Referência de Saúde da Mulher no Hospital Pérola Byington em 2007.

Em 2008 se especializou em Patologia do Trato Genital Inferior nesse mesmo serviço. Ainda fez curso de ultrassonografia em ginecologia e obstetrícia na Escola Cetrus.

Trabalha em setor público e privado, atendendo atualmente em seu consultório médico particular situado na Avenida Leoncio de Magalhães 1192, no bairro do jardim São Paulo, zona norte de São Paulo.

Também pode encontrar a Dra Camille no Linkedin, Facebook e Instagram

.
Publicidade