Demência

Revisado por Equipe Editorial a 13 janeiro 2018

A demência (lesão no cérebro que afecta a memória e a capacidade de julgamento) é um problema que afecta a memória e a capacidade de julgamento de uma pessoa.

Poderá ficar confuso/a. Poderá ter dificuldade em pensar e em executar as tarefas habituais, como por exemplo conduzir, cozinhar ou tomar banho. Também poderá notar alterações na forma como age. A demência afecta a forma como se sente e como vê a vida.

É uma doença grave e costuma agravar-se com o tempo.

Causas da demência:

A demência é provocada por uma doença ou por uma lesão que mata as células cerebrais. A doença ou a lesão podem provocar que as células cerebrais deixem de trabalhar normalmente. A demência não é uma fase normal do envelhecimento. A maioria dos idosos não fica demente.

O risco de ficar demente é maior se tiver mais de 65 anos de idade. Ter mais de 85 anos pode aumentar a probabilidade de sofrer de demência, assim como também o facto de ter um membro da família com demência. A seguir estão indicadas algumas doenças que podem provocar demência:

– Traumatismo craniano.
Doença de Alzheimer.
– Doença cardíaca.
– SIDA.
– Doença de Parkinson.
– Coreia de Huntington.
– Esclerose múltipla.
– Abuso prolongado de álcool.
– Sífilis.
– Toxicidade por drogas (incluindo medicamentos).

Sinais e sintomas de demência:

Os sinais de demência costumam aparecer lentamente e começam numa fase avançada da vida. Mas os sinais podem começar mais cedo, como por exemplo depois de uma trombose ou de um traumatismo craniano. Poderá não ser seguro andar sozinho se os sinais e sintomas piorarem. Por exemplo, pode deixar o forno ligado, ou pode esquecer-se de quem é e onde vive. Pode ter qualquer um dos seguintes sinais e sintomas:

– Memória fraca.
– Confusão.
– Insónia.
– Depressão.
– Problemas em trabalhar com números (como fazer uma conta).
– Mau humor e irritabilidade.
– Ansiedade.
– Problemas em controlar as emoções.
– Alterações do comportamento (como discutir, gritar ou agredir).
– Incapaz de fazer coisas que conseguia fazer facilmente.
– Não querer conviver com outras pessoas.

Diagnóstico – Como se Diagnostica:

A demência diagnostica-se a partir das dificuldades relatadas pelo doente ou nos casos em que o doente já não as consegue relatar, a partir dos dados fornecidos pelos familiares. A documentação objectiva das dificuldades mentais (problemas de memória, cálculo, escrita, leitura, etc.) pode fazer-se através de testes psicológicos. Os exames complementares (análises ao sangue, TAC, etc.) permitem identificar ou excluir possíveis causas para a demência de forma a iniciar o seu tratamento.

Tratamento da demência:

Ao não recorrer imediatamente ao médico, por ter vergonha de assumir as suas dificuldades, pode atrasar o início do tratamento. O seu tratamento pode incluir a toma de medicamentos ou outras formas de acompanhamento. Poderá ter de ser internado/a num hospital, para fazer exames ou um tratamento específico.

A prevalência média de demência, acima dos 65 anos de idade, é de 2,2% na África, 5,5% na Ásia, 6,4% na América do Norte, 7,1% na América do Sul e 9,4% na Europa.Tabela – Alzheimer e outras demências por 100.000 habitantes em 2002: