Dentística – Isolamento do Campo Operatório

Revisado por Equipe Editorial a 13 janeiro 2018

Dentística – Isolamento do Campo Operatório
Tipos :
Métodos Mecânicos:
– Absoluto
– Relativo

Métodos Químicos
– Isolamento Absoluto
1864 – Sanford G. Barnum
“Intervenção realizada na cavidade bucal, utilizando um conjunto de procedimentos que tem
por finalidade eliminar a umidade, realizando os tratamentos em condições de assepsia e
restaurando os dentes de acordo com as indicações dos materiais utilizados.”
É indicado para todos os procedimentos que exijam total ausência de umidade bucal, não
sendo utilizado somente em casos de total impossibilidade.

Vantagens:
– Retração e proteção dos tecidos moles
– Melhor visibilidade
– Barreira física aos fluidos
– Redução dos riscos de infecção
– Proteção para paciente e profissional
– Condições adequadas para inserção e condensação dos materiais restauradores

Limitações:
– Pacientes alérgicos ao látex
– Pacientes com fobia (síndrome do pânico)
– Asma brônquica
– Dificuldade respiratória
– Ansiosos

Lençol de Borracha
– Fino ou leve
– Médio
– Grosso
– Extra grosso
– Grosso especial

Apresentação: rolos ou pré-cortado

Porta Dique

Mantém o lençol em posição e amplia a visão do campo operatório.
Métodos de marcação:
– Divisão em quadrantes
– Mordida em cera
– Marcação na boca /modelo de estudo
– Carimbo

Perfurador de Borracha
– Jon
– Ainsworth: – cabo
– ponta ativa
– plataforma giratória

Orifícios no lençol:
“A distância deve ser igual à distância entre os eixos longitudinais dos dentes.”
Confecção dos orifícios:
– Posição no arco
– Altura da papila
– Posição da cavidade no dente

Perfuração na borracha:
– Posteriores:
2 dentes para distal até o canino ou pré-molar do lado oposto.
– Anteriores:
De pré-molar a pré-molar.

Lubrificação da borracha:
– Facilita a passagem do lençol pelos contatos proximais
– Facilita a invaginação da borracha no sulco gengival

Grampos
– Manter e reter o lençol de borracha ao nível do colo dentário
– Usado sempre no dente mais distal do isolamento
– Afasta os tecidos moles adjacentes

Classificação dos grampos:
– 200 à 205 ————-molares
– 206 à 209 ————-pré-molares
– 210 à 211 ————–dentes anteriores

Especiais:
– 26 à 28, W8, W8A, 12A, 13A, 14 E 14A: utilizados em molares com pouca retenção.
– 212: utilizado para pré-molares, caninos e incisivos.
– Modificação do 212:
– Garra lingual incisalmente
– Garra vestibular apicalmente
– Aprofundamento dos 4 sulcos adjacentes à garra

Seccionamento do grampo:
– Lesões de classe V
– Dentes mal posicionados

Pinça Porta Grampo
“Preensão do grampo, acomodando-o ao colo dentário.”
Tipos:
– Stockes
– Brewer
– Palmer

Operações Prévias ao Isolamento
– Remoção de cálculos
– Profilaxia
– Teste dos contatos proximais
– Remoção das arestas cortantes
– Lubrificação dos lábios do paciente

Técnicas de Isolamento Absoluto
I)
1. Grampo
2. Lençol de borracha
3. Arco
II)
1. Grampo + borracha
2. Arco
III)
1. Borracha + arco
2. Grampo
IV)
1. Grampo + Borracha + Arco, de uma só vez

Sugadores
“Sugar a saliva e líquidos do campo operatório.”
Casos Especiais de Isolamento
– Prótese parcial fixa
– Tratamento com aparelho ortodôntico
– Lesões cariosas cervicais

Falhas na Colocação do Isolamento
– Arco mal posicionado
– Cortes ou dobras no lençol
– Distância inapropriada de furos
– Tamanho indevido do grampo
– Tecidos moles apertados do retentor

Dificuldades do Isolamento
– Alergia
– Problemas psicológicos
– Dentes mal posicionados
– Dentes recém irrompidos
– Asmáticos
– Respiradores bucais

Isolamento Relativo
“Procedimento que controla a umidade, utilizando-se recursos de absorção e sucção.”
Indicações:
– Procedimentos leves
– Dentes semi-irrompidos
– Restauração provisória
– Moldagem de preparos
– Aplicação tópica de flúor
– Cimentação de peças protéticas
– Impraticabilidade de isolamento absoluto

Absorção:
– gaze
– rolo de algodão
– papel absorvente

Sucção:
– sugador posicionado próximo à abertura dos ductos salivares das glândulas.
Método Químico de Isolamento
“Uso de drogas de controle da saliva.”
– Sulfato de Atropina – 25mmg, no dia do tratamento
– Brometo de Metantelina – 50 mmg, 45 minutos antes do tratamento
– Tintura de Belladona – 0,6 ml, no dia do tratamento

Contra-Indicações:
– Pacientes cardíacos
– Pacientes com glaucoma
– Pacientes lactantes
– Pacientes com síndrome de Down