Distrofia Simpática Reflexa

DISTROFIA SIMPATICA REFLEXA – SINTOMAS, CAUSAS E CARACTERISTICAS DO DIAGNOSTICO

Dor intensa e hipersensibilidade, mais comumente da mão ou do pé associadas à instabilidade vasomotora, atrofia cutânea, edema e hiperidrose; mão ou pé atrófico e não-funcionante no estágio avançado da doença.

Em geral, sucede traumatismo direto da mão, pé ou joelho, acidente vascular encefálico, lesão de nervo periférico ou cirurgia artroscópica do joelho.

Variante ombro-mão com restrição do movimento do ombro ipsolateral, comum após lesão do pescoço ou do ombro ou após infarto do miocárdio.

Disparidade típica entre o grau de lesão (em geral, modesto) e a intensidade da dor (debilitante).

A cintigrafia óssea de fase tripla revela aumento da captação nas fases iniciais da doença; as radiografias revelam osteopenia intensa (atrofia de Sudeck) no estágio avançado da evolução.

DIAGNOSTICO DIFERENCIAL
. Artrite reumatóide
. Polimiosite
. Esclerodermia
. Gota, pseudogota
. Acromegalia
. Mieloma múltiplo
. Osteoporose por outras causas

DISTROFIA SIMPATICA REFLEXA TRATAMENTO
Tratamento de apoio.
Fisioterapia é crucial para preservar a função do membro; exercícios ativos e passivos combinados com benzodiazepínicos. Bloqueio do gânglio cervicotorácico ou simpático lombar.
Ciclo breve de corticosteróides no início da evolução.

Dica
Dor intensa na parte distal de um membro com edema assimétrico, considerar distrofa simpática reflexa.
Referência
Schott GD: Reflex sympathetic dystrophy