-->Dor e ardor no períneo: 25 possíveis causas e como tratar - Educar Saúde

Dor no períneo: o que pode ser e como aliviar

Publicado em 18/06/2019. Revisado por Drª Camille Rocha Risegato (Ginecologista e Obstetra - CRM SP-119093) a 18 junho 2019

A dor do períneo, especialmente a que ocorre na forma de queimação ou dor, pode ser um sinal de várias patologias. O períneo corresponde ao espaço que se localiza, nas mulheres, entre a área vaginal e o ânus e, nos homens, entre o ânus e os testículos. Portanto, o desconforto pode afetar indivíduos de ambos os sexos.

Existem duas subclassificações para as dores que ocorrem no períneo: a primeira é quando a dor dura mais de três meses, chamada de dor perineal crônica. A segunda é quando o desconforto dura menos de três meses, referida como dor perineal aguda.

Este guia educativo tem o objetivo de esclarecer as principais causas de dor perineal, como reconhecê-las, e algumas possibilidades de tratamento.

É importante referir que apenas um especialista, após os exames necessários, poderá apresentar um diagnóstico preciso.

Ardor E Dor No Períneo, O Que Pode Ser E Como Tratar

Dor no períneo: o que pode ser?

Existem algumas causas de dor no órgão que envolvem ambos os sexos. Entre algumas elas podem ser citadas, por exemplo, a Colite, que representa uma infecção ou inflamação do cólon, e a Proctite, caracterizada por ser uma inflamação retal. Entenda que, até mesmo a Apendicite pode provocar dores no períneo. Infecções do trato urinário, Lesões no períneo, Abscessos, Disfunções do assoalho pélvico, Cistite intersticial, Coccigodinia, Cálculos nos rins, Aprisionamento do nervo pudendo (Síndrome do Canal de Alcock) e Hérnias, são outros exemplos de patologias que podem igualmente provocar o mesmo sintoma (em homens e mulheres).

Devido á presença de muitas doenças vinculadas ao mesmo sintoma, é fundamental a presença de um especialista para garantir o melhor diagnóstico.

Dor no períneo feminino (8 possíveis causas)

Em casos específicos de pacientes do sexo feminino, a dor perineal geralmente está mais associada a problemas que envolvem o aparelho reprodutor. Dentre as principais doenças que se destacam neste campo podemos citar 8:

1) A cólica menstrual: durante a fase que antecede a menstruação, é comum a mulher sentir algumas dores que podem irradiar para o períneo. O que fazer: Colocar uma bolsa de água quente ou uma compressa de aquecimento no abdômen pode ser útil para o alívio das câimbras. O orgasmo é outro remédio eficaz para cólicas menstruais, pois libera muitas endorfinas e outros hormônios que aliviam a dor. A acupuntura, e a massagem ou auto-massagem sobre o abdômen também pode ajudar a relaxar os músculos pélvicos e aliviar alguns tipos de cólicas.

2) O pós-parto: dependendo do nível de trauma local envolvido no parto, é comum muitas mulheres sentirem dor e ardor na região íntima após o parto. O que fazer: Dependendo da gravidade da ruptura, pode haver a necessidade de pontos perineais para ajudar a promover a cicatrização do tecido. O desconforto local pode ser minimizado com a aplicação de bolsas de gelo na ferida; relaxando e evitando atividades extenuantes; usando roupas largas e confortáveis, e bebendo muitos líquidos. Quando necessário, o ginecologista pode recomendar medicação para ajudar a controlar a dor.

3) A gravidez ectópica: patologia que representa o desenvolvimento de um embrião fora do útero, podendo proporcionar dores. Saiba o que fazer aqui.

4) A doença inflamatória pélvica: Trata-se de uma infecção do sistema reprodutivo feminino superior, que pode envolver o endométrio, as trompas de Falópio e as estruturas pélvicas adjacentes. Geralmente ocorre em mulheres sexualmente ativas, especialmente durante a idade fértil. O que fazer: O tratamento inicial é feito com antibióticos, e podem incluir: (cefoxitina, metronidazol, ceftriaxona e doxiciclina). Quando os antibióticos não mostram melhorias dentro de 3 dias, é importante a mulher consultar o médico novamente para receber antibioticoterapia intravenosa ou mudar a medicação.

5) A torção ovariana: é uma emergência médica que influencia no fluxo de sangue dos ovários, podendo proporcionar reflexos de dores no períneo. Entenda o que fazer em caso de ovário torcido.

6) Os cistos no ovário: são crescimentos dolorosos, a depender do tamanho, fazendo com que a dor muitas vezes irradie do ovário para o períneo. Veja o que fazer aqui.

7) A endometriose: representa uma alteração no tecido que envolve o útero, podendo ser a origem para os vários tipos de dor que ocorrem nas regiões genitais e anais. Veja como é feito o tratamento.

8) Vulvodinia: é a dor crônica da vulva (tecido externo em volta da abertura da vagina). Geralmente é diagnosticada quando o médico não consegue encontrar outra possível causa para a dor. O seu principal sintoma é a dor que ocorre na região genital, incluindo o períneo. Veja o que fazer aqui.

Dor no períneo masculino (5 possíveis causas)

Da mesma forma que acontece com as mulheres, algumas causas de dor no órgão também se restringem unicamente aos pacientes do sexo masculino, já que afetam diretamente a próstata. Entre as principais patologias masculinas que envolvem a dor no períneo, podemos citar estas 5:

1) Hiperplasia prostática: alguns pacientes que desenvolvem hiperplasia prostática relatam quadros de dor no períneo. Saiba o que fazer.

2) Câncer de próstata: o câncer, embora seja uma possibilidade mais rara, não deve ser descartada, já que alguns pacientes com tumor apresentam este sintoma. Veja os principais sintomas e como tratar o câncer de próstata.

3) A prostatite: é uma condição que envolve o inchaço e a inflamação da próstata (glândula que produz o fluido seminal). Pela proximidade da próstata com o períneo, alguns pacientes com prostatite podem desenvolver sintomas de dor perineal. Entenda como é feito o tratamento.

4) A obstrução do canal responsável pela saída do esperma: quando o canal de ejaculação é obstruído por algum motivo, podem ser sentidos alguns reflexos de dores nas regiões próximas.

5) O abscesso prostático: representa um abscesso localizado dentro da próstata que, por consequência, acaba por inflamar a região e proporcionar dores locais.

Sintomas associados à dor perineal a estar atento

Para realizar o diagnóstico de modo correto, o especialista muitas vezes tenta associar a dor no períneo com outros sintomas característicos de algumas doenças. Abaixo descrevemos os principais sintomas associados a este tipo de dor:

Ardência durante o ato de urinar: a ardência ou o aumento na frequência urinária pode indicar alguma infecção na bexiga.

Dor abdominal: dores na região do abdômen que podem ou não estar acompanhadas a altas temperaturas podem indicar a inflamação do apêndice ou mesmo uma gravidez ectópica.

Quando a dor no períneo é muito forte e rápida, não ultrapassando os 30 minutos, podem-se descartar hipóteses de proctite, proctalgia ou coccigodinia, juntamente à síndrome do elevador do ânus.

Quando a dor no períneo se associa ao surgimento de uma espécie de massa na região da virilha, é necessário descartar a possibilidade de hérnia inguinal, que geralmente também acompanha náuseas.

Alguns distúrbios do sistema reprodutor feminino podem, além de apresentar dor ou ardor no períneo, originar desconforto na região abdominal. Nestes casos é importante a mulher visitar o ginecologista para eliminar a possibilidade de doenças ginecológicas.

Como é feito o diagnóstico

Com o objetivo de confirmar o diagnóstico, podem ser necessários exames adicionais, como a ecografia abdomino-pélvica. Em muitos casos, o exame de imagem confirma o diagnóstico, fazendo com que o médico possa seguir com o tratamento.

Como é feito o tratamento

Como são vários os motivos que podem levar a este tipo de dor, os tratamentos devem ser sempre diferenciados. De modo geral, o especialista pode indicar a ingestão de líquidos, uma alimentação balanceada e repouso. A ingestão de bebidas alcoólicas deve ser evitada, já que o álcool pode interferir com a composição de alguns medicamentos.

No caso de dores intensas, o médico pode indicar a administração de analgésicos ou anti-inflamatórios, a fim de aliviar o desconforto. No entanto, entenda que o uso de analgésicos é recomendado apenas como um paliativo, e não como forma de tratamento.

Apenas um especialista, após vários exames, poderá realizar um diagnóstico eficiente, e indicar a melhor terapia.

Saiba mais sobre:
A informação foi útil? Sim / Não

O texto contém informações incorretas? Está faltando a informação que você está procurando? Se ficou com alguma dúvida ou encontrou algum erro escreva-nos para que possamos verificar e melhorar o conteúdo. Não lhe iremos responder diretamente. Se pretende uma resposta use a nossa página de Contato.


Nota: O Educar Saúde não é um prestador de cuidados de saúde. Não podemos responder a perguntas de saúde ou aconselhá-lo nesse sentido.

Autores
Drª Camille Rocha Risegato (Ginecologista e Obstetra - CRM SP-119093)

Ginecologista e Obstetra - CRM SP-119093

Dra Camille Vitoria Rocha Risegato - CRM SP nº 119093 é formada há 14 anos pela Fundação Técnico Educacional Souza Marques, Rio de Janeiro.

Dra Camille mudou se para São Paulo onde realizou e concluiu residência médica em Ginecologia e Obstetrícia (RQE nº 25978) no Centro de Referência de Saúde da Mulher no Hospital Pérola Byington em 2007.

Em 2008 se especializou em Patologia do Trato Genital Inferior nesse mesmo serviço. Ainda fez curso de ultrassonografia em ginecologia e obstetrícia na Escola Cetrus.

Trabalha em setor público e privado, atendendo atualmente em seu consultório médico particular situado na Avenida Leoncio de Magalhães 1192, no bairro do jardim São Paulo, zona norte de São Paulo.

Também pode encontrar a Dra Camille no Linkedin, Facebook e Instagram

.