-->Dor nos testículos: o que pode ser, exames e como tratar - Educar Saúde

Dor nos testículos: Torção, orquite + 18 causas, exames e o que fazer

Publicado em 15/05/2019. Revisado por Dr Nilo Jorge Leão Barretto (Urologista - CRM-BA 22237) a 15 maio 2019

Dores moderadas e incômodos leves nos testículos são episódios normais que muitos homens irão presenciar pelo menos uma vez na vida. O desconforto pode ocorrer em homens de todas as idades, desde bebês até idosos. Ainda que a dor no órgão possa se manifestar em diferentes intensidades, de forma repentina ou não, ela se torna preocupante quando começa a acontecer com maior frequência, se prolongando por dias sem que exista um motivo claro para isso. Nestas situações é importante o homem ficar atento e consultar um urologista, para que seja identificado o agente causador da dor.

Este guia educativo tem o objetivo de alertar o homem para as principais causas de dor nos testículos, quando deve consultar um especialista, e os exames mais comuns usados no diagnóstico deste tipo de dor.

Dor Nos Testículos, O Que Pode Ser, Exames E Como Tratar

Por que às vezes os testículos doem?

Existem diversas causas que podem causar dor neste órgão que faz parte do sistema reprodutor. Até mesmo algumas complicações que ocorrem fora da “região genital masculina” podem provocar o desconforto. As pedras nos rins e a hérnia inguinal são apenas dois exemplos.

É importante lembrar que os testículos são extremamente sensíveis e, até mesmo lesões leves, como pancadas na região, causam dor.

Na maioria dos casos, estes incidentes produzem incômodo apenas momentâneo. Apenas algumas doenças ou lesões mais severas podem produzir dores mais intensas e duradouras. Algumas destas situações ou condições como a torção testicular, necessitam, inclusive, de intervenção cirúrgica imediata. É necessário portanto, realizar um diagnóstico preciso para entender porque os testículos doem e aliviar a dor de forma eficaz.

Anatomia e função dos testículos

O testículo é o órgão masculino responsável pela formação dos espermatozoides, células encarregadas pela reprodução. Atuam também como produtores de hormônios, como a testosterona. Nos mamíferos são feitos aos pares (direito e esquerdo) e se encontram fora do corpo, protegidos pela bolsa testicular. Justamente por serem órgãos externos, possuem temperatura mais baixa que o resto do corpo, o que é fundamental para a fertilidade do homem.

Eles são formados no abdômen, e chegam à posição correta antes do nascimento do bebê. Em alguns casos o testículo pode não descer, o que gera um episódio de criptorquidia, uma das diversas causas que podem provocar dor.

Ao contrário do que se acredita, os testículos não ficam soltos no escroto. Eles são sustentados pelo cordões espermáticos. Estes cordões formam uma estrutura que percorre o abdômen até a região genital. São compostos por vasos sanguíneos e linfáticos, responsáveis pela circulação do sangue e pela remoção de fluídos.

Além disso, o chamado músculo cremáster também faz parte desta estrutura complexa, e tem como função suspender o testículo. Ele também controla a temperatura do órgão, trazendo os testículos para perto do abdômen caso seja necessário aquecê-lo, ou afastando caso seja preciso resfriar a região. Assim, é o cremáster o responsável pelos movimentos involuntários do testículo. Estes movimentos são normais e não devem ser motivo de preocupação.

Já o canal deferente é quem conduz os espermatozóides que estavam armazenados no epidídimo, outro canal que faz parte da anatomia testicular. Este último, inclusive, pode igualmente apresentar complicações (epididimite) que causam dor testicular.

Quanto à posição dos testículos, é normal que eles não se encontrem em perfeito alinhamento, com um ligeiramente mais baixo que o outro. Essa assimetria só deve ser objeto de atenção quando a diferença na posição é muito grande.

20 Causas de dor no testículo

A dor nos testículos, como citado anteriormente, pode ser originada por problemas que se originam no próprio órgão, ou por condições adversas que tem início em outras partes do corpo. Hérnias próximas a área genital, cálculos renais, infecções urinárias, inflamações na próstata (prostatite) e até mesmo caxumba, por exemplo, são condições que inicialmente não estão relacionados ao testículo, mas podem causar complicações na região com o passar do tempo.

É comum o relato de dor testicular sem causa aparente durante a puberdade, que por vezes desaparece antes mesmo de ser diagnosticado.

No entanto, quando a dor testicular é forte e não alivia com o passar do tempo, é preciso consultar o urologista, principalmente quando existe febre e inflamação da bolsa escrotal acompanhada de dor intensa. Na sequência apresentamos as principais condições que originam diferentes tipos de dor nos testículos:

Criptorquidia

Doença que manifesta os seus primeiros sinais logo na infância. É caracterizada pela posição errada dos testículos, que não descem até a bolsa testicular. Entre os bebês que nascem com a condição, alguns não precisam passar por procedimentos cirúrgicos, já que com o tempo o testículo migra naturalmente para o escroto.

O diagnóstico é realizado logo após o nascimento, simplesmente tocando a bolsa testicular. Quando o problema não é corrigido, o testículo pode inflamar e causar dor. Nestes casos é importante avaliar o caso para definir qual o melhor tratamento possível.

Como tratar: O tratamento exige quase sempre cirurgia (orquidopexia), e tem como objetivo, colocar o testículo na localização correta – dentro da bolsa escrotal. Geralmente é realizada em meninos após os 6 meses de idade e apresenta uma taxa de êxito de cerca de 100%.

Varicocele

A varicocele é uma condição clínica que descreve a incapacidade das veias presentes no testículo drenarem o sangue que circula pelo órgão. A condição causa inchaço, principalmente no lado esquerdo, dor, desconforto e sensação de peso no escroto. A má circulação sanguínea na região pode interferir também na temperatura do testículo, piorando a qualidade dos espermatozóides do homem e, consequentemente, causando infertilidade.

Existem três diferentes graus de varicocele. São eles:

  • Grau 1: Fase em que a doença ainda não manifesta sinais aparentes, e só pode ser sentida com o aumento da pressão abdominal, que pode ser gerado propositalmente por meio da tosse ou do sopro contra o próprio dedo.
  • Grau 2: O inchaço é visível, porém moderado. Além disso, a varicocele pode ser sentida sem pressão abdominal elevada.
  • Grau 3: A condição é facilmente percebida e o inchaço apresenta maiores proporções.

Ainda que não existam causas claras para o desenvolvimento da varicocele, a hereditariedade deve ser sempre levada em consideração. Apesar de não poder ser prevenida, a infertilidade originada pela condição pode ser revertida por meio de intervenção cirúrgica. É importante lembrar que nem todos os homens terão problemas de fertilidade por conta da doença.

O que fazer: Quando o paciente apresenta dor recorrente, atrofia testicular ou infertilidade, pode ser necessária cirurgia para reparar as veias afetadas. Veja como é feito o tratamento da varicocele.

Hérnia inguinal

A hérnia inguinal (hérnia na região da virilha) ocorre quando existe uma deficiência nos músculos, permitindo a passagem de tecido mole. A hérnia inguinal existe quando esta deficiência está presente no abdômen, o que faz com que parte do intestino passe pelo canal inguinal. Este canal é o responsável pela transição do testículo do abdômen até o escroto durante a formação do bebê.

Em alguns casos, a hérnia desce até a bolsa testicular, podendo causar dor e inchaço no órgão. Pode ser uma doença congênita, adquirida desde o nascimento, ou causada por outros fatores, principalmente pelo aumento da pressão abdominal.

Como tratar: É necessário cirurgia (herniorrafia ou hernioplastia) para tratar a hérnia inguinal.

Trauma testicular

Por ser uma região extremamente sensível, pancadas na área causam grande dor. Em alguns casos, como acidentes automobilísticos, agressões e lesões causadas durante práticas esportivas, os impactos são tão fortes que podem surgir equimoses, manchas originadas pela ruptura dos vasos capilares. Em episódios extremos, pode ocorrer até mesmo o rompimento do testículo.

O sinal mais evidente de trauma testicular é a dor persistente, que pode ser prolongar por mais de uma hora. Fora isso, o inchaço e as manchas roxas na região também evidenciam o trauma.

O que fazer: Quando existe ruptura do testículo, é necessária a sua reparação imediata através de sutura. Nos casos em que apenas ocorrem hematomas, é recomendado o uso de suporte escrotal (suspensório escrotal), analgésicos (exemplo: dipirona) e repouso.

Torção do testículo

A torção testicular é uma emergência médica que necessita de tratamento imediato. A torção é uma situação rara, que ocorre quando o testículo torce e interrompe por completo a circulação sanguínea. O evento causa uma dor forte e pode gerar complicações severas, como a infertilidade.

Além da dor intensa, ocorre também o inchaço da região e o posicionamento mais elevado de um dos testículos. A dor, além de aumentar ao urinar, também pode se espalhar para a barriga e virilha. Por último, a torção causa enjôo, vômito e febre.

Como tratar: O tratamento consiste na distorção manual ou, nos casos mais graves, cirurgia imediata para posicionar corretamente o testículo. Saiba mais sobre o tratamento.

Epididimite

Epididimite é quando ocorre a inflamação do epidídimo, ducto encarregue da recolha e armazenamento dos espermatozóides. A inflamação deste tubo é originada, geralmente, por uma infecção bacteriana contraída durante relações sexuais desprotegidas. A clamídia e a gonorreia, por exemplo, são doenças sexualmente transmissíveis (DST) que podem ocasionar episódios de epididimite. Além disso, infecções no trato urinário e próstata também podem causar a doença, assim como traumas no testículo. Saiba mais sobre a epididimite.

Entre os principais sintomas estão a dor testicular, ejaculação dolorosa, sangue no sêmen, disúria (dor ao urinar), e inchaço na bolsa testicular.

Como tratar: O tratamento geralmente é feito com a administração de antibióticos. Se a causa da epididimite for uma DST, é importante o parceiro sexual do paciente também realizar o tratamento. Para o alívio da dor, recomenda-se a aplicação de compressas de gelo e, se necessário, fazer uso de remédios analgésicos prescritos pelo urologista.

Orquite

Orquite é a inflamação dos testículos causada por um vírus. Normalmente é causada pelo vírus da caxumba. Pode também ser uma das complicações da epididimite, neste caso sendo gerada por uma bactéria. Pode afetar os dois testículos, e tem como principal característica o inchaço na região acompanhado de dor.

O que fazer: O tratamento, quando causada por uma bactéria, envolve antibióticos. Caso contrário, é recomendado repouso e aplicação de compressas frias e quentes no órgão, juntamente com analgésicos para aliviar a dor prescritos pelo médico.

Câncer do testículo

O câncer do testículo é um caso raro na medicina. Os sintomas deste câncer se assemelham muito aos sinais apresentados por outras doenças. Geralmente existe um nódulo indolor no testículo, juntamente com o inchaço da área. Embora seja uma das primeiras doenças a ser lembrada pelo homem, entenda que a dor testicular não costuma ser um sinal de câncer. A doença também tem um baixo índice de mortalidade, principalmente quando detectada nos estágios iniciais.

O que fazer: Após o diagnóstico, o tratamento exige a remoção cirúrgica do testículo. É importante o homem entender que a função sexual e reprodutiva geralmente não é atingida (desde que existe um testículo saudável). Posteriormente pode ser necessário tratamento radioterápico ou quimioterápico.

Vasectomia

A vasectomia é um método contraceptivo realizado através de uma pequena cirurgia, responsável por impedir que os espermatozóides se desloquem do epidídimo até a saída do pênis. Acontece que, após a intervenção pode ocorrer o acúmulo de esperma na região, que pode causar dor testicular. Este desconforto, na maioria das vezes, desaparece com o tempo.

Outras causas de dor na região do testículo podem incluir:

  • Neuropatia diabética;
  • Gangrena;
  • Púrpura de Henoch-Schönlein;
  • Hidrocele;
  • Cálculo renal;
  • Prostatite;
  • Caxumba;
  • Testículo retrátil (retido);
  • Massas escrotais;
  • Espermatocele;
  • Infecção urinária.

Quando procurar atendimento médico?

O desconforto pode ocorrer no testículo direito ou esquerdo, e geralmente apresenta-se a uma intensidade leve ou moderada que geralmente desaparece sozinha sem a necessidade. Apenas é importante o homem consultar um médico urologista quando a dor testicular for súbita e persistente. Inchaços causados por pancadas também necessitam de avaliação médica. Febre, náusea e vômito são outros fatores que devem ser observados com atenção. Por último, é igualmente importante procurar atendimento médico caso exista dor nos testículos após a ejaculação, dor ao toque, a presença de algum cisto ou nódulo no testículo.

dor nos testiculos apos ejaculaçao

Exames necessários

Além do exame físico realizado na virilha, testículos e abdômen pelo urologista, o diagnóstico da dor testicular pode exigir a realização dos seguintes exames:

  • Urinálise e urocultura, ambos com amostras de urina do paciente
  • Exames para DST´s
  • Ultrassom dos testículos
Saiba mais sobre:
A informação foi útil? Sim / Não

O texto contém informações incorretas? Está faltando a informação que você está procurando? Se ficou com alguma dúvida ou encontrou algum erro escreva-nos para que possamos verificar e melhorar o conteúdo. Não lhe iremos responder diretamente. Se pretende uma resposta use a nossa página de Contato.


Nota: O Educar Saúde não é um prestador de cuidados de saúde. Não podemos responder a perguntas de saúde ou aconselhá-lo nesse sentido.

Referências
Autores
Dr Nilo Jorge Leão Barretto (Urologista - CRM-BA 22237)

Urologista - CRM-BA 22237

Consultar > Currículo Lattes.

O Dr. Nilo Jorge é Graduado em Medicina pela Escola Bahiana de Medicina e Saúde Publica- 2010. Além disso possui:

- Especialização em Urologia e Cirurgia Geral na Universidade de São Paulo – 2013/2015.

- Título de especialista em Especialização em Fellowship em UroOncologia, Laparoscopia e Cirurgia Robótica.

Fundação Antônio Prudente- AC Camargo Câncer Center, AC CAMARGO, Brasil.

Título: Cirurgias Laparoscópicas e Robótica em Urologia. - Orientador: Dr. Gustavo Cardoso Guimarães – 2017.

- Coordenador do Núcleo de Uro-Oncologia do Hospital Santo Antônio- Obras Sociais Irmã Dulce. Preceptor do núcleo de Urologia do Hospital São Rafael. Uro-oncologista do Grupo OncoClinicas do Brasil e sócio do grupo Uroclinica da Bahia.

Membro titular da Sociedade Brasileira de Urologia, cirurgião geral e urologista pela Universidade de São Paulo (USP- RP). Fellowship em Uro oncologia, laparoscopia e cirurgia robótica no AC Camargo Câncer Center.

Cirurgião robótico certificado pela Intuitive/Strattner. "International Member" da European Association of Urology (EAU) e da "American Urological Association" (AUA). Possui trabalhos publicados em congressos, periódicos e livros em Urologia.

Endereço: Rua Anita Garibaldi, 1815 CME Federação, Salvador/BA - Telefone: (70) 3235-0867 / 2626-3030

Também pode encontrar o Dr. Nilo Jorge na sua página www.nilojorge-leaobarretto.com, ou no Linkedin e Instagram.