-->Dor abdominal recorrente pode significar enxaqueca abdominal

Enxaqueca abdominal: como tratar, o que pode ser, sintomas de alerta

Publicado em 28/12/2018. Revisado por Drª Gizele Cunha (Pediatra, Alergologista e Pneumologista Infantil - CRM/SP: 116541) a 29 dezembro 2018

A enxaqueca abdominal é uma doença funcional do sistema gastrointestinal associada a sintomas típicos da enxaqueca comum. Normalmente ocorre na infância e pode ser facilmente confundida com outras causas mais comuns de dor de estômago em crianças, como a síndrome do intestino irritável e a doença de Crohn. Costuma afetar crianças entre os 7 e os 10 anos, mas também pode ocorrer em adultos.

O que é? A enxaqueca abdominal é uma síndrome caracterizada por um distúrbio do trato digestivo funcional, no qual há dor abdominal recorrente de alta intensidade, geralmente interrompida por períodos prolongados sem exibir sintomas.

O seu nome refere-se ao conjunto de sintomas típicos da enxaqueca que ocorrem em conjunto durante a fase ativa da doença.

É uma patologia ainda não completamente compreendida, da qual muitas dúvidas ainda são levantadas, principalmente em relação ao seu tratamento.

Geralmente afeta maioritariamente crianças e ocorre após alguns fatores desencadeantes, como estresse e alterações na dieta do indivíduo.

Enxaqueca Abdominal

Sintomas de alerta

Em geral, as enxaquecas começam na infância, na adolescência ou no início da idade adulta.

O principal sintoma de enxaqueca abdominal é a dor ao redor do umbigo. A intensidade da dor pode variar de moderada a grave. Juntamente com a dor, as crianças podem desenvolver os seguintes sintomas:

  • náusea
  • vômito
  • perda de apetite
  • pele pálida

Cada crise de enxaqueca dura entre uma hora a três dias. Entre as crises, as crianças permanecem saudáveis ​​e não apresentam sintomas.

Os sintomas do distúrbio são semelhantes aos de muitas outras condições gastrintestinais infantil (aquelas que envolvem o sistema digestivo). A diferença é que os sintomas da enxaqueca abdominal vêm e vão com dias a meses sem sintomas. Além disso, cada episódio de dor abdominal é sempre muito semelhante.

Publicidade

Consulte o médico imediatamente ou dirija-se a um serviço de emergência se tiver algum dos seguintes sinais que possam indicar um problema médico mais grave:

  • Dor de cabeça severa e abrupta como um trovão
  • Dor de cabeça com febre, rigidez no pescoço, convulsões, visão dupla, fraqueza, dormência ou dificuldade em falar
  • Dor de cabeça após uma lesão na cabeça, especialmente se a dor piorar
  • Dor de cabeça crônica que piora quando você tosse, coça, coça ou faz um movimento repentino
  • Novos episódios de dor de cabeça se você tiver mais de 50 anos.

O que estimula e alivia a dor de uma enxaqueca abdominal?

Estresse, fadiga, viajar, saltar refeições, alimentos que contêm chocolate, cafeína, glutamato monossódico, e mudanças na rotina, podem desencadear a enxaqueca abdominal da mesma forma que com todas as enxaquecas.

Os fatores que aliviam esta variante de enxaqueca são os mesmos que para outros tipos de enxaqueca, e incluem, repouso, sono e analgésicos.

Quais são as causas

Alguns estudos sugerem que elas estão relacionadas com:

  • Alterações específicas no eixo intestino-cérebro
  • Desregulação vascular
  • Mudanças no sistema nervoso central
  • Fatores genéticos
  • Alguns alimentos
  • Engolir quantidades excessivas de ar
  • Exaustão
  • Doença de movimento.

Como é realizado o diagnóstico da enxaqueca abdominal

É importante notar que, por ter uma incidência relativamente baixa, e porque muitas vezes é um diagnóstico de descarte (quando outras causas mais frequentes já foram esgotadas), é necessário que os sintomas estejam presentes, pelo menos, durante o um período de 12 meses.

O sinal clínico mais importante a ser levado em conta é a presença de dor abdominal que ocorre abruptamente (de maneira paroxística), cuja duração geralmente é de no mínimo 60 minutos. Essa dor geralmente é incapacitante, limitando consideravelmente a atividade diária da pessoa.

Publicidade

Por vezes podem haver períodos (que podem durar de algumas semanas a vários meses) em que os pacientes permanecem completamente assintomáticos (sem sintomas).

Tal como o nome sugere, a enxaqueca abdominal é geralmente associada a uma série de sintomas muito característicos da enxaqueca. Estes incluem, desde a intolerância típica à luz solar (fotofobia) e dor de cabeça, até manifestações irritantes, mas não muito específicas, que incluem náuseas e vômitos.

Como mencionado acima, é importante que outras causas de dor abdominal tenham sido descartadas para o médico considerar o diagnóstico de enxaqueca abdominal.

Publicidade

Que outras doenças podem ser confundidas com esta patologia?

Embora a patologia seja uma das prováveis ​​causas de dor abdominal recorrente em crianças, é importante ter em mente que ela é uma entidade de difícil diagnóstico, que deve ser cuidadosamente estudada, devido à sua semelhança com outras patologias.

Na verdade, tem havido casos em que os pacientes são operados no contexto de uma apendicectomia, porque os médicos acreditam que a causa da dor abdominal é a apendicite.

O diagnóstico diferencial com outras doenças funcionais do trato digestivo inclui, a dispepsia funcional e a síndrome do intestino irritável.

Como tratar a enxaqueca abdominal

Como referido acima, existem alguns gatilhos (transgressões alimentares e estresse) que devem ser evitados para evitar a doença. Por outro lado, existe um tratamento farmacológico com alguma eficácia que inclui o uso de pizotifeno (o mais utilizado) e o propranolol.

Outros medicamentos usados  incluem:

  • medicamentos anti-inflamatórios não esteroides (AINEs) como o ibuprofeno.
  • medicamentos anti-náusea.
  • fármacos para enxaquecas, como o sumatriptano (Imitrex) e o zolmitriptano (Maxalt).

Os medicamentos preventivos (para tomar todos os dias) incluem:

  • ciproheptadina (periactina)
  • propranolol (Hemangeol, Inderal XL, InnoPran XL)
  • topiramato (Topamax, Qudexy XR, Trokendi XR).

Certifique-se de que o seu filho durma o suficiente, faça refeições regulares durante o dia e beba muitos líquidos (sem cafeína). Se ela estiver vomitando, opte por líquidos extra para evitar a desidratação.

A terapia cognitivo-comportamental pode ajudar a aliviar o estresse, que é outra causa de enxaqueca abdominal.

Saiba mais sobre:
A informação foi útil? Sim / Não

O texto contém informações incorretas? Está faltando a informação que você está procurando? Se ficou com alguma dúvida ou encontrou algum erro escreva-nos para que possamos verificar e melhorar o conteúdo. Não lhe iremos responder diretamente. Se pretende uma resposta use a nossa página de Contato.


Nota: O Educar Saúde não é um prestador de cuidados de saúde. Não podemos responder a perguntas de saúde ou aconselhá-lo nesse sentido.

Referências
Autores
Drª Gizele Cunha (Pediatra, Alergologista e Pneumologista Infantil - CRM/SP: 116541)

Pediatra, Alergologista e Pneumologista Infantil - CRM/SP: 116541

A Dra Gizele Ferreira Cunha é Graduada em Medicina pela Universidade de Ribeirão Preto - SP - 2004. Além disso possui:

- Especialização em Alergia e Imunologia Infantil pelo Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (HCRP - FMRP - USP) – 2009.

- Especialização em Pneumologia Infantil pelo Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (HCRP - FMRP - USP) – 2007.

- Especialização em Pediatria pela Universidade de Ribeirão Preto - 2006 .

Endereço: Avenida Senador César Vergueiro, 571 - Ribeirão Preto - SP - Email: cviver@bol.com.br - Telefone: (16) 33291337

Também pode encontrar a Drª Gizele no Linkedin e Facebook

Publicidade