-->Feijão - Beneficios, Origem e História do Feijão

Feijão

Publicado em 01/03/2011. Revisado por Drª Raquel Pires (Nutricionista - CRN-6 nº 23653) a 8 dezembro 2018

Breve introdução sobre a leguminosa de nome feijão:

Abaixo você tem um índice com todos os pontos que discutiremos neste Guia

História do Feijão

O conceituado intelectual italiano Umberto Eco, autor do famoso livro “O Nome da Rosa”, não hesitou um segundo quando o questionaram sobre o mais importante facto do milénio passado: “a introdução do feijão na Europa”.

Com efeito, explica Eco, com o cultivo desse vegetal extremamente rico em proteínas a dieta alimentar das populações europeias sofreu uma verdadeira revolução para melhor.

Os conquistadores espanhóis e portugueses trouxeram do Novo Mundo outros vegetais preciosos, como a batata e o milho, mas nenhum deles se compara ao precioso feijão no que diz respeito ao fornecimento de proteínas, até então praticamente só disponíveis na carne e por isso reservado, quase em exclusivo, às classes mais abastadas e não ao povo miúdo.

Em Portugal, o feijão tornou-se de tal forma parte da gastronomia nacional que está presente desde os pratos de peixe, como o bacalhau com feijão frade, aos de carne, pense-se na posta barrosã com feijão à moda de Arcos de Valdevez, passando pela doçaria, nomeadamente pelo típico pastel de feijão de Torres Vedras.

Mas, são as feijoadas, nas suas múltiplas variantes, as verdadeiras testemunhas do valor inestimável que o feijão assume na gastronomia portuguesa. “A feijoada permite todos os inventivos devaneios, mas mantém intocável a identidade de raiz e marca – sempre feijões.

A feijoada portuguesa funda-se na cultura do Povo, seus ócios e lazeres, suas térreas lareiras, férreas panelas de três pernas, tão negras como a vida suada de quem nelas cozinha e delas come.

Os benefícios do feijão para a saúde

Na verdade, nada de mal havia a temer do feijão, bem pelo contrário. Poucos alimentos contêm tantos elementos nutritivos como esse vegetal.

A título de exemplo, diga-se que um taça com 250 ml de feijões vermelhos fornece 14 gr de proteínas (o suficiente para uma refeição equilibrada), 4 mg de ferro (o dobro de uma pequena quantidade de carne magra), 9 gr de fibras alimentares (tanto como uma taça de cereais), 560 mg de potássio (ou seja, tanto como uma laranja ou duas batatas) e por aí fora. Assim, os nutricionistas consideram o feijão um excelente alimento, desde que seja acompanhado por cereais, nomeadamente arroz, por batatas ou legumes frescos.

Há medida que o feijão se foi impondo na dieta dos povos do Velho Mundo, graças ao seu valor nutritivo, começaram a surgir em vários países atribuições de carácter medicinal, nem sempre comprovadas cientificamente.

Os japoneses, por exemplo, produzem um sumo de feijão preto que julgam adequado para combater a prisão de ventre.

Ao feijão são também atribuídas qualidades anti-cancerígenas, anti-colesterol, anti-diabéticas e anti-problemas cardíacos. Umberto Eco geralmente sabe do que fala.

A origem do feijão

Em relação à origem do feijão, esta não é muito clara. Botanicamente é comum apontarem-se raízes americanas ao feijão, no entanto outras fontes, como o “Larousse gastronómico”, referem ter aparecido esta leguminosa na Europa do século XIV, ou seja, seria anterior à viagem de Colombo. Existem ainda documentos mais antigos, de origem hispano-árabe, datados do século XI que referem já quarenta receitas de feijões.

O que é certo é que na Europa existiam desde tempos remotos várias espécies de leguminosas aparentadas com o feijão, este propriamente dito, nas suas variedades mais conhecidas, é originário do continente americano. Os índios navajos, que viviam no que hoje são os Estados Unidos, consideravam-no mesmo uma planta sagrada.

No entanto, aquando da sua introdução na Europa e depois na África e na Ásia, o feijão levantou muitas suspeitas, talvez devido às velhas teses gregas de que o consumo de leguminosas poderia conduzir à demência. O filósofo Pitágoras era um dos defensores dessas ideias.

Ler Também

Feijão Verde

Saiba mais sobre:
A informação foi útil? Sim / Não

O texto contém informações incorretas? Está faltando a informação que você está procurando? Se ficou com alguma dúvida ou encontrou algum erro escreva-nos para que possamos verificar e melhorar o conteúdo. Não lhe iremos responder diretamente. Se pretende uma resposta use a nossa página de Contato.


Nota: O Educar Saúde não é um prestador de cuidados de saúde. Não podemos responder a perguntas de saúde ou aconselhá-lo nesse sentido.
Autores
Drª Raquel Pires (Nutricionista - CRN-6 nº 23653)

Nutricionista Clínica - CRN-6 nº 23653

A Drª Raquel Pires é Nutricionista, Health Coach e Personal Diet, com grande experiência em atendimento em consultório e Idealizadora do Projeto ESD (Emagrecimento sem Dor).

Formação Acadêmica

- Graduada pela Universidade Santa Úrsula. - Pós Graduada em Nutrição Clínica. - Pós Graduada em Prescrição de Fitoterápicos e suplementação Nutricional Clínica e Esportiva. - Pós Graduada em Nutrição Aplicada ao Emagrecimento e Estética.

Também pode encontrar a Drª Raquel no Linkedin, Facebook e Youtube

Marcação de consultas 88-99685-0858