Freio do pênis curto: o que é, como é feita a cirurgia e o pós-operatório

Atualizado e Revisado por Dr Nilo Jorge Leão Barretto (Urologista - CRM-BA 22237) a 07/08/2019. Publicado originalmente em 9 de maio de 2019

O freio do pênis curto muitas vezes torna-se evidente no momento da relação sexual e pode se apresentar das seguintes formas: Pode causar dor e limitar o alongamento da pele. Também pode causar sangramento durante a relação em caso de romper. A dor, por sua vez, pode causar disfunção erétil, uma vez que irá amedrontar o jovem e afetar a sua autoconfiança e vida sexual. Saiba mais.

O freio, conhecido tecnicamente como frênulo, é a porção de pele elástica que apresenta formato de um pequeno triângulo e está presente no órgão sexual masculino, conectando a glande ao prepúcio. Ainda que freios do pênis menores não sejam considerados problemáticos, alguns são tão curtos que podem até mesmo curvar o pênis durante a ereção, já que impedem a total expansão do órgão. Este é o episódio denominado freio curto, que pode desencadear dores na relação sexual e até mesmo no rompimento da pele, causando dor e sangramento. Saiba o que fazer caso ocorra rompimento.

Nota: A dor no pênis durante a relação também pode ocorrer em casos de fimose. A dor típica causada pelo frênulo curto (ver imagem) normalmente é sentida apenas na região do freio. A dor originada pela fimose é mais difusa e circunferencial (é sentida ao redor do pênis).

Freio Do Pênis Curto, O Que Fazer, Como é A Cirurgia E Pós Operatório

Como saber se o freio é curto

O diagnóstico do freio curto é simples, e pode ser feito apenas pela observação do pênis. De maneira geral, o primeiro indício do freio curto é a dificuldade em puxar por completo a pele do pênis. Quando esta ação é realizada pelo paciente com a malformação, geralmente é sentida uma pequena pressão no freio. Além disso, a cabeça do pênis fica apontando para baixo quando a pele é completamente puxada para trás.

Existem ainda outros sinais que podem ser observados e podem evidenciar a condição. Qualquer tipo de dor e desconforto sentido durante relações sexuais ou masturbação são sinais de que o freio do pênis pode ser mais curto que o normal.

Outra característica típica dessa condição é o envergamento da cabeça do pênis após a ereção, já que a malformação impossibilita uma ereção livre e completa. Por último, a pele da glande, nestes casos não pode ser completamente puxada para trás.

Importante: Algumas vezes, o evento é confundido com fimose, outra condição médica. No entanto, a fimose é caracterizada pelo excesso de pele e cobertura completa do freio do pênis.

Possíveis problemas causados pela malformação

Como citado anteriormente, o principal problema enfrentado por quem tem freio curto é o rompimento do frênulo durante o ato sexual. Em algumas pessoas, este rompimento pode acontecer apenas uma vez. Em seguida, o freio se cicatriza e não volta a romper. O problema maior ocorre quando essas lesões se tornam frequentes ou quando, já na primeira lesão, o sangramento não consegue ser interrompido. Nesses casos, é essencial buscar por um tratamento eficaz.

Quando acontece o sangramento durante o ato sexual, é fundamental interromper a relação imediatamente. Após isso, por meio de compressão é preciso estancar por completo o sangramento na área. Essa ação acelera a coagulação sanguínea e interrompe o fluxo de sangue. Em seguida, a aplicação de lubrificantes e cremes refrescantes pode aliviar a dor.

Como tratar o freio curto

É importante o homem procurar um especialista (urologista por exemplo) para avaliar o caso. Em alguns pacientes, a aplicação de pomadas e a realização de exercícios de alongamento pode ajudar a reduzir o grau de tensão gerado pelo encurtamento do freio, evitando assim a cirurgia.

Pomadas corticosteróides como a betametasona, por exemplo, podem ajudar. Este tipo de medicação tem ação anti-inflamatória, e pode auxiliar no alongamento do freio. Em outros casos, apenas o procedimento cirúrgico poderá melhorar a qualidade de vida do homem.

Como é feita a cirurgia

A cirurgia mais tradicional para a correção do freio do pênis curto é a frenuloplastia. O procedimento conta com uma pequena incisão no freio do pênis, que resultará no alongamento da pele. O procedimento dura entre vinte e trinta minutos, é realizado sob anestesia local e os pontos caem sozinhos. Veja como fica o pênis antes e depois do procedimento.

O paciente deverá evitar relações sexuais durante o primeiro mês, para facilitar o processo de cicatrização. É importante lembrar que a frenuloplastia não é uma cirurgia de circuncisão. O procedimento de circuncisão é chamado de postectomia.

A postectomia é uma cirurgia mais completa que a frenuloplastia, já que pode resolver o problema do frênulo curto e da fimose (excesso de pele do prepúcio) de uma só vez. Outro exemplo de intervenção médica é a frenectomia, em que é realizada a remoção completa do freio.

Dicas para acelerar a cicatrização no pós-operatório

Além da abstinência sexual no período de trinta dias, existem ainda outras práticas que podem ajudar no processo de recuperação. Manter uma boa higiene íntima, principalmente após ir ao banheiro, evitará infecções e outras complicações no pós-operatório. Evitar esportes de contato também protege o pênis de lesões que atrasam a cicatrização. Entenda como a higiene masculina deve ser realizada.

A informação foi útil? Sim / Não

Ajude-nos a melhorar a informação do Educar Saúde.

O texto contém informações incorretas? Está faltando a informação que você está procurando? Se ficou com alguma dúvida ou encontrou algum erro escreva-nos para que possamos verificar e melhorar o conteúdo. Não lhe iremos responder diretamente. Se pretende uma resposta use a nossa página de Contato.


Nota: O Educar Saúde não é um prestador de cuidados de saúde. Não podemos responder a perguntas de saúde ou aconselhá-lo nesse sentido.

Referências
  • www.urology-textbook.com
    http://www.urology-textbook.com/frenulum-breve.html
  • Wikipedia
    https://en.wikipedia.org/wiki/Frenulum_breve
Autores
Dr Nilo Jorge Leão Barretto (Urologista - CRM-BA 22237)

Urologista - CRM-BA 22237

Consultar > Currículo Lattes.

O Dr. Nilo Jorge é Graduado em Medicina pela Escola Bahiana de Medicina e Saúde Publica- 2010. Além disso possui:

- Especialização em Urologia e Cirurgia Geral na Universidade de São Paulo – 2013/2015.

- Título de especialista em Especialização em Fellowship em UroOncologia, Laparoscopia e Cirurgia Robótica.

Fundação Antônio Prudente- AC Camargo Câncer Center, AC CAMARGO, Brasil.

Título: Cirurgias Laparoscópicas e Robótica em Urologia. - Orientador: Dr. Gustavo Cardoso Guimarães – 2017.

- Coordenador do Núcleo de Uro-Oncologia do Hospital Santo Antônio- Obras Sociais Irmã Dulce. Preceptor do núcleo de Urologia do Hospital São Rafael. Uro-oncologista do Grupo OncoClinicas do Brasil e sócio do grupo Uroclinica da Bahia.

Membro titular da Sociedade Brasileira de Urologia, cirurgião geral e urologista pela Universidade de São Paulo (USP- RP). Fellowship em Uro oncologia, laparoscopia e cirurgia robótica no AC Camargo Câncer Center.

Cirurgião robótico certificado pela Intuitive/Strattner. "International Member" da European Association of Urology (EAU) e da "American Urological Association" (AUA). Possui trabalhos publicados em congressos, periódicos e livros em Urologia.

Endereço: Rua Anita Garibaldi, 1815 CME Federação, Salvador/BA - Telefone: (70) 3235-0867 / 2626-3030

Também pode encontrar o Dr. Nilo Jorge na sua página www.nilojorge-leaobarretto.com, ou no Linkedin e Instagram.

Última atualização da página em 07/08/19