Hemisfério de Magdeburgo

Revisado por Equipe Editorial a 13 janeiro 2018

Hemisfério de Magdeburgo:

Se alguém perguntar o que é mais forte, o ar ou o homem, talvez a resposta não seja tão óbvia como pode parecer! Poderá o ar parado ser mais forte que o homem? A ciência dá a resposta!

A força muscular do ser humano é fascinante, mas muitas vezes ela é enganadora. Por exemplo, o ar que nos rodeia, apesar de ser gasoso e de não se ver, tem uma força enorme. Esta força do ar parado pode ser facilmente comprovada se se tentar separar dois desentupidores que estejam comprimidos um contra o outro. É mais difícil do que parece! Isto acontece porque quando são comprimidos, forma-se um vácuo parcial entre os desentupidores. É o jogo de forças entre o exterior e o interior que torna difícil a separação dos desentupidores.

Em 1654, Otto von Guericke testou a hipótese da existência de espaços completamente vazios. Para o seu estudo ele criou uma série de bombas de ar que lhe permitiram criar vácuo. Foi assim que ele demonstrou a poderosa força da pressão do ar com a famosa experiência dos hemisférios de Magdeburgo.

O que é o hemisferio de Magdeburgo?

É uma pequena esfera, com cerca de 10 centímetros de diâmetro, constituída por dois hemisférios metálicos. Um dos hemisférios tem um tubo com uma válvula ligada a um motor que vai retirar o ar que existe entre as duas esferas, criando um vácuo que vai unir as duas esferas, quase como se as fosse esmagar uma contra a outra. O desafio consiste…em voltar a abrir a esfera em duas metades!

A esfera que Otto von Guericke utilizou na sua experiência tinha cerca de 35 centímetros de diâmetro e, depois do ar ter sido retirado, Guericke colocou oito cavalos a puxar cada um dos lados da esfera. Nem assim foi possível separar as duas metades da esfera!

Então, como é que é possível voltar a abrir a esfera?
Muito simples, basta deixar o ar entrar novamente dentro da esfera, abrindo a válvula. Ao permitir a entrada do ar, as duas metades separam-se de imediato. Com vácuo seria necssária uma força sobre-humana para as separar.

A força e solidez dos músculos humanos não consegue, por vezes, ganhar à força de um gás!