Hiperuricemia

Revisado por Reinaldo Rodrigues (Enfermeiro - Coren nº 491692) a 14 dezembro 2018

O que é? A hiperuricemia é uma condição caracterizada por uma quantidade excessiva de ácido úrico no sangue.

Alguns doentes com hiperuricemia desenvolvem gota, que se caracteriza pela deposição de cristais de ácido úrico nas articulações, onde causam um tipo de artrite denominada artrite gotosa.

Estes cristais podem depositar-se também nos rins, onde podem levar ao aparecimento de cálculos renais (“pedras nos rins”).

inflamação e dor nos joelhos

Causas da hiperuricemia

Existem três causas principais para os níveis elevados de ácido úrico, hiperuricemia, que levam ao aparecimento de gota:

Dieta

Uma dieta rica em substâncias químicas denominadas purinas, uma vez que elas são metabolizadas pelo organismo em ácido úrico.

O alimentos que devem ser ingeridos com moderação nos doentes com gota são a carne de porco e de caça, vísceras de animais, charcutaria, conservas de peixe, mariscos, café, chá, chocolate e bebidas alcoólicas. (Leia: Dieta pobre em purinas).

Ácido úrico alto

Produção elevada de ácido úrico pelo organismo. Isto pode acontecer por motivos desconhecidos, podendo também ocorrer em determinadas doenças metabólicas genéticas hereditárias, na leucemia e durante a quimioterapia para o cancro.

Rins

Os rins não excretam ácido úrico suficiente. Isto pode ser consequência de uma doença renal, do jejum, da desidratação e do consumo de álcool (especialmente de forma abusiva), podendo também ocorrer em indivíduos que tomam medicamentos denominados diuréticos tiazídicos (utilizados para tratar a pressão arterial elevada).

A obesidade ou o aumento súbito de peso podem provocar níveis elevados de ácido úrico, uma vez que os tecidos corporais metabolizam mais purinas.

No entanto, uma perda súbita de peso também pode precipitar uma crise de gota.

Em algumas pessoas, a gota é causada por uma combinação destes factores. As pessoas com uma história familiar de gota apresentam uma maior probabilidade de desenvolver esta doença.

Os factores precipitantes das crises são frequentemente o esforço físico intenso, exposição ao calor, abusos alimentares e alcoólicos e infecções.

Cerca de 90% dos doentes com gota são homens com mais de 40 anos. A gota é pouco frequente nas mulheres jovens e, no sexo feminino, ocorre tipicamente muitos anos após a menopausa.

Sintomas e Manifestações clínicas

sintomas

O primeiro ataque de artrite gotosa envolve geralmente apenas uma articulação, mais frequentemente o dedo grande do pé. No entanto, por vezes afecta outras articulações, tais como o joelho, o tornozelo, o punho ou um dedo da mão.

Na artrite gotosa, a articulação pode ficar vermelha, tumefacta e extremamente dolorosa ao tacto. Tipicamente, mesmo o roçar do lençol na articulação irá desencadear uma dor intensa.

Depois do primeiro ataque de gota, os episódios mais tardios irão provavelmente envolver várias articulações.

Por vezes, se a gota se prolongar por muitos anos, os cristais de ácido úrico podem acumular-se sob a pele nos pavilhões auriculares, nas articulações ou nos tendões, formando um depósito esbranquiçado denominado tofo.

Diagnóstico da hiperuricemia

O médico irá interrogar o doente sobre a sua medicação, dieta, consumo de álcool e sobre uma eventual história familiar de gota.

O médico irá examinar o doente e avaliar as suas articulações dolorosas, bem como a pele para identificar a presença de tofos.

tofos

O médico pode usar uma agulha estéril para remover uma amostra de líquido da articulação inflamada. Este líquido poderá ser observado ao microscópio para identificar a presença de cristais microscópicos de ácido úrico, o que confirma o diagnóstico de artrite gotosa.

diagnóstico da hiperuricemia

O médico pode também pedir análises de sangue para avaliar o nível de ácido úrico no sangue (no entanto, o doente pode ter uma crise de gota e as análises de sangue revelarem um nível de ácido úrico normal). Dependendo da história clínica e dos sintomas, o doente pode necessitar de realizar análises de sangue e de urina adicionais para avaliar a função renal.

Os doentes com gota têm frequentemente pressão arterial elevada (hipertensão arterial), diabetes e gorduras no sangue aumentadas (colesterol e triglicéridos) pelo que o médico poderá pedir medições da pressão arterial e análises para detectar estas patologias.

Evolução clínica da hiperuricemia

gota é um tipo de artrite que afeta as articulações

Sem tratamento, a dor da artrite gotosa geralmente prolonga-se por vários dias mas é mais intensa durante as primeiras 24 a 36 horas. O intervalo entre os ataques é variável. Algumas pessoas têm crises com intervalos de poucas semanas, enquanto outras permanecem vários anos sem crises. Depois de vários episódios de gota, a articulação pode demorar mais tempo a melhorar ou pode permanecer inflamada e dolorosa.

Prevenção da hiperuricemia

Para ajudar a prevenir a gota, as pessoas devem:

  • manter uma dieta saudável
  • evitar o consumo de álcool, especialmente o consumo abusivo
  • evitar a desidratação (se possível, deve-se beber 2 a 3 litros de água por dia)
  • perder peso em caso de obesidade, evitar os diuréticos, se possível.
  • Na maior parte das pessoas com gota, as restrições dietéticas não permitem por si só prevenir as crises de gota. No entanto, devem ser evitados os alimentos que parecem desencadear os ataques de gota.

Tratamento da hiperuricemia

artrite gotosa

Para tratar um ataque de artrite gotosa, o médico geralmente começa por prescrever um medicamento anti-inflamatório não esteróide (AINE), como a indometacina, o ibuprofeno ou o naproxeno. A aspirina deve ser evitada porque pode elevar o nível de ácido úrico no sangue (embora uma dose baixa de aspirina para a prevenção da doença cardíaca ou do acidente vascular cerebral não tenha efeitos adversos significativos que justifiquem a sua suspensão).

Se o doente não conseguir tolerar um AINE ou se estes medicamentos não forem eficazes, o médico pode sugerir um corticosteróide. Estes medicamentos podem ser administrados por via oral ou injectados directamente na articulação afectada.

Um medicamento denominado colchicina é por vezes usado, mas pode causar efeitos secundários desagradáveis (náuseas, vómitos, cãibras, diarreia) em cerca de 80% das pessoas.

imagem de pacientes com gota

Para prevenir os ataques de gota, o médico pode prescrever alopurinol para que o corpo produza menos ácido úrico. Se os ataques forem raros e responderem bem ao tratamento, a profilaxia pode não ser necessária. Contudo, o alopurinol está geralmente recomendado quando:

  • os ataques de gota são frequentes
  • os ataques de gota não respondem facilmente ao tratamento
  • os ataques de gota afectam mais do que uma articulação de cada vez
  • existe uma história de litíase renal (“pedras dos rins”)
  • se desenvolveu um tofo.

O nível de ácido úrico no sangue geralmente começa a descer ao fim de alguns dias após a primeira administração de alopurinol. Podem ser necessárias várias semanas de tratamento diário para que se observe um efeito completo. O tratamento com alopurinol não deve ser iniciado durante a crise de gota.

Os medicamentos usados em casos de hiperuricemia, para reduzir os níveis de ácido úrico geralmente são tomados indefinidamente. Se forem interrompidos, o nível de ácido úrico irá aumentar novamente e os ataques de gota irão provavelmente recomeçar.

Quando o médico prescreve um medicamento para reduzir o ácido úrico no sangue, deve também prescrever um segundo medicamento para prevenir um ataque de gota. Isto deve-se ao facto de qualquer alteração nos níveis de ácido úrico, para cima ou para baixo, poder desencadear um ataque.

Estes medicamentos preventivos incluem uma dose baixa de colchicina ou uma dose baixa de um AINE. A medicação preventiva pode ser suspensa quando o ácido úrico se mantiver reduzido durante um período prolongado (aproximadamente seis meses).

Quando contactar um médico

inflamação, inchaço e dor nas mãos

Contacte o médico sempre que tiver dores ou edema (tumefacção) numa articulação. Se tiver tido gota no passado, o médico pode sugerir que tenha AINEs disponíveis em casa de forma a poder tomá-los ao primeiro sinal de uma crise.

Prognóstico

Mais de 50% das pessoas que tiveram um ataque de artrite gotosa irão ter um segundo, geralmente dentro de seis meses a dois anos. Nas pessoas com uma doença mais grave, os medicamentos preventivos a longo prazo são altamente eficazes no que respeita à redução do ácido úrico, o que pode prevenir os ataques e, ao longo de meses a anos, pode conduzir ao desaparecimento dos tofos.

Informação adicional