História de Braga – Localização e Beleza a não Perder

Revisado por Equipe Editorial a 13 janeiro 2018

ONDE FICA LOCALIZADA BRAGA

A cidade de Braga é a capital do Minho e fica a noroeste do país, a cerca de 50 quilómetros do Porto. O rio Minho, que deu origem ao nome da região, separa esta província portuguesa da Galiza, em Espanha.

BELEZA NATURAL

A capital do Minho destaca-se pela beleza arquitectónica dos seus inúmeros monumentos, desde os vestígios da ocupação romana, às igrejas, palácios e casas do século XVIII, bem como pelos seus jardins e recantos magníficos. Braga é também uma cidade universitária: possui modernas infra-estruturas, como complexos desportivos, piscinas e campos de ténis, que podem proporcionar agradáveis momentos de lazer e ócio.

 

HISTÓRIA DE BRAGA

Fundada pelos celtas em 300 a. C., Braga foi posteriormente ocupada pelos romanos no século II a. C., transformando-se num centro administrativo, denominado Bracara Augusta. Em 715 d.C., os árabes tomam o poder da cidade, deixando-a praticamente ao abandono. Com a reconquista cristã, volta a reflorescer. A Igreja Católica teve um importante papel no seu desenvolvimento, sendo seus principais senhores os bispos e arcebispos, advindo-lhe daí o título de cidade dos Arcebispos.

Em 985, Braga volta a cair nas mãos dos árabes, mas por pouco tempo, acabando por ser reconquistada pelo rei de Leão, D. Afonso III, e, entretanto, cedida como dote, por D. Afonso IV de Leão a sua filha, D. Teresa, quando esta casou com D. Henrique de Borgonha. No final do séc. XI, os condes D. Henrique e D. Teresa fundaram a Sé Catedral, que foi elevada a arquiepiscopal e doaram o couto de Braga ao arcebispo D. Maurício. Em 1400, morre em Braga o herdeiro da coroa, infante D.Afonso, que jaz na Sé Catedral.

Em 1809, a cidade é vítima da segunda invasão francesa, tendo sido saqueada. Durante a guerra civil, entre absolutistas e liberais, Braga serviu de quartel general a D. Miguel. Terminadas as lutas liberais, a cidade inicia a sua reconstrução, expandindo-se para além das muralhas. Elevada a cidade em 1927, Braga é actualmente a capital do Minho. A sua localização privilegiada torna-a ponto de passagem obrigatório a todos os que visitam o Parque Nacional da Peneda Gerês. Situada num eixo rodoviário de extrema importância, atingiu nos últimos anos um grande desenvolvimento a nível económico, cultural e social.

LOCAIS A NÃO PERDER EM BRAGA

Braga, com um programa turístico e cultural bastante diversificado, oferece uma visão ampla de uma importante herança cultural, desde a pré-história até aos nossos dias. Visite as ruínas romanas e aprecie a fonte do Ídolo e as ruínas de um edifício público, no claustro do Seminário de Santiago. No Centro Histórico, observe a Sé Catedral, magnífico monumento, construído sob os estilos gótico, renascentista e barroco.

A Casa do Raio é um dos ex-líbris bracarenses, com a sua típica arquitectura barroca. Vale a pena subir ao santuário do Bom Jesus e ver “Braga por um canudo”. Para lá chegar, apanhe o elevador ou suba os 17 lanços de escadas, magnificamente decorados com impressionantes vasos, estátuas e fontes.

Passe pela praça do Largo do Paço, que faz lembrar um pátio interior de um palácio, devido ao facto de ser delimitado pelo velho paço. Construída em grande parte no século XVI, as alterações levadas a cabo por D.Rodrigo de Moura Teles, no início do século XVIII, fazem lembrar uma praça barroca. Do outro lado da praça existe um admirável conjunto de edifícios oitocentistas, entre os quais a centenária ourivesaria Venâncio. Merecem ainda referência os museus dos Biscaínhos, o D. Diogo de Sousa, do Mosteiros de Tibães e do Tesouro da Sé.

Outro ponto de destaque são os espaços verdes, com particular destaque para o Jardim de Santa Bárbara. Braga é como uma verdadeira montra da arte de jardinagem. O parque Bracalândia é, igualmente, de visita obrigatória! Com dezenas de diversões e muita animação, a Bracalândia proporciona-lhe uma viagem a um fantástico mundo de aventura que irá agradar a toda a família. O difícil vai ser decidir por onde começar. Em caso de indecisão, comece por fazer uma viagem no comboio panorâmico, a melhor forma de ficar a conhecer todas as atracções que o parque tem para lhe oferecer.

FACA E GARFO

A fama da gastronomia minhota encontra-se bem patente nesta cidade, onde poderá saborear os deliciosos pratos típicos da região. São famosas as papas de sarrabulho, os rojões de porco e o cabrito assado à moda de Braga. Mas o rei da cozinha bracarense é o bacalhau. Primorosamente cozinhado, dá lugar a pratos muito disputados, entre os quais o Bacalhau à Narcisa.

O vinho Verde é a bebida típica desta região a norte de Portugal. É um vinho de baixo teor alcoólico (aproximadamente 10%), suave, gasoso e algo adocicado. Um óptimo complemento para uma refeição de peixe ou marisco. A doçaria prima pelo esmero: é impossível resistir ao saboroso pudim à Abade de Priscos, aos sameiros, ou à refinada doçaria de São Vicente.

TOME NOTA:

Clima: O clima desta região é ameno, com a Primavera e o Outono a serem as estações mais agradáveis. No Inverno, o frio aparece, mas as temperaturas raramente descem aos 0º C. No Verão, o calor também não se faz sentir de forma excessiva.

SABIA QUE…
O nome Bracara Augusta tem a ver com o período de domínio romano na região. O traje utilizado pelos primitivos chamava-se Braca e quando os romanos chegaram à localidade denominaram-na de Bracara. O Imperador César Augusto decidiu, então, em sua honra, passar a chamá-la de Bracara Augusta.