Homeopatia

Revisado por Equipe Editorial a 13 janeiro 2018

A homeopatia ainda é tratada com desconfiança, não é reconhecida como ciência por muitos médicos e não tem cobertura de muitos planos de saúde. Mas conquista cada vez mais adeptos em todo o mundo.

Conheça os benefícios da homeopatia para a sua saúde

E quem é Samuel Hahnemann?

Samuel Hahnemann, fundador da homeopatia

Foi o médico que descobriu a homeopatia. Ele acreditava que a cura não era simplesmente o desaparecimento dos sintomas, mas sim o restabelecimento de uma harmonia global que nos permitisse orientar para os propósitos mais elevados da nossa existência.

Criada há mais de 200 anos na Alemanha, a homeopatia baseia-se num princípio que parece contraditório: provoca os sintomas da doença em vez de combatê-los. A ferroada da abelha, por exemplo, causa dor e inchaço. Os médicos homeopatas usam justamente um preparado feito com o veneno dela para tratar vários tipos de dor e inchaço.

Ela trabalha com extratos de substâncias naturais (plantas, matéria animal e substâncias químicas) que provocam sintomas semelhantes aos das doenças. Desta forma, estimula-se o sistema imunológico a reagir, obtendo a cura do paciente.

Existem contra-indicações para medicamentos homeopáticos?

Tratamentos homeopáticos alcançam resultados sem quaisquer efeitos colaterais ou contra-indicações

Em geral, os remédios homeopáticos não apresentam contra-indicações ou efeitos colaterais, como os medicamentos alopáticos. O grande diferencial com os tratamentos tradicionais é que a homeopatia trata o indivíduo como um todo, levando em consideração os aspectos pessoais, emocionais, psicológicos e o ambiente em que vive, além dos clínicos.

Benefícios

Homeopatia é eficaz no tratamento e prevenção de várias doenças

Ela é eficiente no tratamento de várias doenças como gripes e infecções, e até problemas crônicos, como asma e bronquite e outros como a infertilidade. Mas é desaconselhada em casos de urgência e críticos, que exigem cirurgia ou terapia convencional à base dos chamados medicamentos alopáticos, como antibióticos. Nesses casos pode ser utilizada como coadjuvante no tratamento.

Alguns exemplos onde a homeopatia pode ajudar:

  • Emagrecer
  • Hipertensão arterial
  • Herpes
  • Hemorroidas
  • Ansiedade e depressão
  • Alergias: asma, falta de ar
  • Amigdalite
  • Tratar Abscessos
  • Febre
  • Abrir o apetite
  • Acne
  • Aftas
  • Afonia
  • Baixar o colesterol
  • Bronquite
  • Ajuda a dormir melhor
  • Candídiase
  • Constipação
  • Ajuda a deixar de fumar
  • Endometrose
  • Dores de cabeça (enxaquecas)
  • Gases (flatulência)
  • Entre muito outros……

Tipos de Homeopatia

Dentro da própria homeopatia existem 3 linhas de tratamento abordadas: unicista, pluralista e complexista.

Homeopatia Unicista

A Homeopatia Unicista primeira usa um único medicamento, comumente chamado remédio de fundo, que é mais concentrado em sua fórmula.

Homeopatia Pluralista

A Homeopatia pluralista prescreve vários remédios, porém menos concentrados, mais “fracos”. O ideal é o que o homeopata consiga transitar pelas duas linhas, de acordo com as necessidades dos pacientes.

Homeopatia Complexista

Dá-se o nome de homeopatia complexista quando o médico prescreve dois ou mais medicamentos homeopáticos, simultaneamente, numa única formulação, para tratar um conjunto de sintomas, com o objectivo de aumentar a acção do fármaco em relação à localização e fase da doença.

Cuidados a ter na hora de escolher

Como em qualquer outra área são necessários alguns cuidados na hora da escolha do profissional. Com o reconhecimento da homeopatia pela Associação Médica Homeopática Brasileira (AMHB), o profissional tem de se submeter não só ao curso de especialização com duração de três anos, mas também a um concurso para conseguir o título de especialista.

A primeira consulta leva em média uma hora e meia e o retorno meia hora. Isso ocorre porque o médico precisa conhecer as características físicas, psíquicas e a rotina do paciente, e para isso ele precisa de tempo.

O diagnóstico é feito por meio da entrevista médica com o paciente e de exame clínico convencional

Na hora de consumir os medicamentos homeopáticos, escolha sempre uma farmácia de manipulação que possua farmacêutico especializado. Atenção: o vidro do medicamento deve ser de cor âmbar e ter data de validade.

Lista de remédios homeopáticos

Existem mais de 4000 Remédios homeopáticos

Remédios elaborados a partir de elementos ou compostos químicos:

  • Argentum nitricum, nitrato de prata
  • Antimonium crudum
  • Antimonium Tartaricum, tartarato de antimônio e de potássio
  • Arsenicum album, trióxido de diarsênico
  • Aurum metallicum, ouro
  • Calcarea carbonica (Ostrearum),
  • Calcarea fluorica
  • Carbo vegetalis, carvão vegetal
  • Cuprum metallicum, cobre
  • Hepar sulfuris
  • Kalium bichromicum, bicromato de potássio
  • Kalium carbonicum, carbonato de porássio
  • Natrum muriaticum, cloreto de sódio. É o sal marinho, contendo portanto outros compostos.
  • Natrum sulfuricum, sulfato de sódio
  • Phosphorus, fósforo brando
  • Silicea, óxido de silício
  • Sulfur, enxofre
  • Zincum metallicum, zinco

Remédios elaborados a partir de extratos vegetais:

  • Aconitum napellus
  • Aesculus hippocastanum
  • Allium cepa, cebola
  • Anacardium orientale
  • Arnica montana
  • Belladonna
  • Berberis vulgaris
  • Bryonia alba
  • China rubra, quina
  • Cicuta virosa
  • Digitalis
  • Drosera rotundifolia
  • Dulcamara
  • Euphrasia officinalis
  • Gelsemium sempervirens
  • Hamamelis virginiana
  • Hyoscyamus niger
  • Hydrastis canadensis
  • Hypericum perforatum
  • Ipeca
  • Ledum palustre
  • Lycopodium clavatum
  • Mezereum
  • Nux vomica
  • Pulsatilla
  • Rhus toxicodendron
  • Sanguinaria canadensis
  • Stramonium
  • Thuya occidentalis
  • Veratrum album, heléboro branco

Remédios elaborados a partir de extratos animais:

  • Anas barbariae
  • Apis mellifica, abelha
  • Calcarea carbonica, carbonato de cálcio proveniente da concha da ostra
  • Cantharis
  • Lachesis mutus, veneno de surucucu
  • Naja tripudians, veneno de naja
  • Sepia officinalis, tinta de lula
  • Vipera redi

Preparações antimiasmáticas:

  • Luesinum, soro preparado a partir de cancro sifilítico
  • Psorinum, soro preparado a partir de vesícula de escabiose

História e origem da Homeopatia

Homeopatia

Uma prática muito suave, que utiliza a “lei dos semelhantes” para tratar as doenças….. começada no fim do século XVIII por um médico alemão e que, desde 1970, voltou a ser popular.

Samuel Hahnemann era um médico alemão nascido na segunda metade do século XVIII. Quando se formou, em 1779, as leis científicas começavam a aplicar-se nos campos da química, física, fisiologia e anatomia.

Naquela altura os tratamentos eram, maioritariamente, à base de purgativos, sangrias (com aplicação de sanguessugas), remédios que causavam vómitos, além de substâncias venenosas como o arsénico e o mercúrio.

Muito crítico dessas terapias agressivas e ineficazes, por vezes mais mortais que a doença, Hahnemann escreveu vários artigos de oposição a essas práticas.

Homeopatia história

Enquanto traduzia para o alemão o “Tratado de Matéria Médica” de William Cullen, notou uma passagem que tratava da quineira vermelha, erva peruana cujo princípio activo é o quinino, usada para tratar a malária. Hanemann tomou “7 gramas bem pesadas de casca de quineira duas vezes por dia, vários dias”. Começou a mostrar sintomas iguais aos da malária.

Concluiu daí que as drogas eficazes devem produzir, nas pessoas saudáveis, sintomas semelhantes à doença que se espera que tratem. Este princípio é conhecido como a “Lei dos Semelhantes” e é a base do termo “homeopatia”, ou seja, “sofrimento similar”. É, de resto, essa lei que serve de base às vacinas.

Hahnemann começou a testar outras substâncias para determinar que sintomas elas produziam; os resultados sugeriram-lhe as doenças que essas drogas podiam tratar. No seu raciocínio, as doses que produziam os sintomas eram impróprias para tratar as doenças que os apresentavam.

Assim, advogou a redução da dose para níveis infinitesimais, pela múltipla diluição por dez ou cem vezes. Os componentes solúveis eram diluídos em álcool; os insolúveis eram esmagados juntamente com lactose. Hahnemann compilou os resultados obtidos num tratado chamado “organon da terapêutica racional”, publicado em 1810. A sexta edição, de 1921, ainda hoje é usada como texto-base de homeopatia.

Antes de morrer em 1843, ele viu inaugurar o primeiro hospital homeopático, em 1832, além de várias escolas de medicina homeopática por toda a Europa.

A partir do anos 70, a homeopatia voltou a gozar de popularidade, à medida que o interesse pelas forma naturais e holísticas (isto é, que encaram a pessoa como um todo) começou a aumentar.

Leia também: