Ilha de São Vicente – Cabo Verde

Revisado por Equipe Editorial a 13 janeiro 2018

A Ilha de São Vicente é a terceira ilha mais pequena depois da Ilha Brava e Ilha do Sal das dez que constituem o arquipélago da República de Cabo Verde. Descoberta em 1462, no dia de São Vicente, 22 de Janeiro, esta ilha só foi realmente colonizada em meados do século XIX, em 1838, após a construção, em Porto Grande, de um depósito de carvão para abastecimento os navios das rotas do Atlântico. Durante as primeiras décadas do século XX, Mindelo, a actual capital, era um importante porto que abrigava navios e marinheiros de todo o Mundo e, ao mesmo tempo, transformou-se num importante centro cultural, onde a música cabo-verdiana, a literatura e os desportos se desenvolveram rapidamente.

Ilha de São Vicente – Landscape

Hoje em dia, devido à falta de chuva e consequentes recursos naturais precários, a economia de São Vicente subsiste, sobretudo, à base do comércio e serviços. Apesar da ilha de São Vicente ser de origem vulcânica, o território é bastante plano. O ponto mais alto é o Monte Verde, com cerca de 774 metros. Esta é uma ilha geralmente seca, excepto no final do Verão (Agosto ou Setembro), quando a precipitação é mais frequente e, como tal, acaba por saciar a terra ressequida, transformando a paisagem árida em encostas verdejantes. As praias, ainda muito selvagens, são uma das suas grandes belezas naturais.

Para chegar a S. Vicente é necessário apanhar um avião até ao Aeroporto Internacional Amílcar Cabral, na ilha do Sal, e em seguida embarcar num voo de ligação para o aeroporto de São Pedro, na ilha de São Vicente. Na cidade do Mindelo, respira-se uma atmosfera invulgar. A um clima ameno adiciona-se a harmonia do traçado das ruas e as reminiscências da arquitectura portuguesa em edifícios preservados.

O antigo Palácio do Governador, talvez o melhor exemplo de arquitectura colonial portuguesa em África, é hoje o Palácio do Povo e constitui o expoente máximo dessa preservação. Outros edifícios provam a existência desse passado. É o caso da Drogaria Central, junto à Câmara Municipal do Mindelo, hoje transformada em centro cultural; ou dos edifícios da rua de Lisboa, recentemente recuperados.

A atmosfera do Mindelo é indissociável da hospitalidade dos cabo-verdianos. Do atendimento nas lojas, hotéis e restaurantes, aos taxistas, passando pelos simples transeuntes com quem cruzamos na rua e nos indicam uma direcção, todos são muito prestáveis e exprimem uma simpatia natural para com os estrangeiros, sobretudo se forem portugueses. Aliás, os laços com Portugal continuam fortes, não só na língua, como em muitos traços da cultura popular e do desporto, com destaque, naturalmente, para o futebol.

Vista parcial de Mindelo e da baía do Porto Grande com o Monte Cara ao fundo

O cabo verdiano, apesar de se orgulhar das suas origens mestiças e de ser o produto do cruzamento entre europeus e africanos, é detentor de uma cultura e identidade próprias que se reflecte, por exemplo, nas mais diversas manifestações artísticas. Para se movimentar na ilha, a opção ideal é o aluguer de um automóvel. Vá até à baía das Gatas, que contém uma piscina natural, rodeada por um ambiente muito calmo. Este é o local ideal para passar uma tarde descontraída.

Passe por São Pedro, a localidade onde fica o único aeroporto da Ilha de São Vicente, para conhecer as suas magníficas praias, que oferecem todas as condições para a prática de diversos desportos náuticos, como o «windsurf» e o esqui aquático. Esta ilha dispõe de outras praias com grandes potencialidades – casos da praia Grande e da praia de Salamansa. Não deixe de atravessar a ilha e ir até Porto do Calhau. No caminho, pare para visitar os dois vulcões extintos e apreciar as suas bem preservadas crateras. Faça ainda um passeio até às Caves de Topim e aproveite a praia selvagem que está mesmo ao lado.

Provar a gastronomia típica e muito bem condimentada de Cabo Verde é uma experiência única. Apesar das influências da Europa, nomeadamente da cozinha francesa e portuguesa, a cozinha de Cabo Verde adquiriu características muito próprias. São Vicente é uma das ilhas de Cabo Verde que mais especialidades tem, principalmente à base de mariscos. Recomenda-se a cachupa, o guisado de percebes e a lagosta grelhada. Nas sobremesas, que também são de «deixar água na boca», experimente o doce de papaia com queijo de cabra.

Localização

São Vicente é a terceira ilha mais pequena de Cabo Verde (depois da Brava e do Sal) das dez que constituem o arquipélago da República de Cabo Verde, situado na parte meridional do Atlântico Norte, a cerca de 500 quilómetros da costa do Norte de África.

Área: 227 quilómetros quadrados
Capital: Mindelo
Clima: Tropical e seco. A temperatura média, durante quase todo o ano, é de cerca de 25º C.
Moeda: Escudo cabo-verdiano.
Língua: Português é a língua oficial. Os habitantes também falam crioulo.
Fuso horário: Menos duas horas que em Portugal Continental.
Documentos Necessários: Necessita de levar o Bilhete de Identidade, passaporte e visto de turismo.
O que vestir: Roupa leve, prática e desportiva. Biquinis e fatos-de-banho são imprescindíveis.