Infecção Urinária na Gravidez

Revisado por Equipe Editorial a 1 outubro 2018

Sofrer uma infecção do trato urinário (ITU) durante a gravidez pode ser algo extremamente incômodo, além de potencialmente perigoso, com riscos para a mãe e o bebê.

Além disso, essa infecção pode estar ligada a algum outro problema de saúde.

Embora já sejam comuns em mulheres, as infecções urinárias se tornam particularmente desconfortáveis “durante o característico estresse de uma gravidez”.

Compreender o que são estas infecções e conhecer as possíveis soluções, bem como as estratégias preventivas, pode ser extremamente útil para a gestante.

Infecção Urinária Na Gravidez

O que é uma infecção do trato urinário (ITU)?

Uma infecção urinária é aquela que afeta os rins, bexiga e a uretra de homens e mulheres, embora sejam muito mais frequentes em mulheres.

Na verdade, mais de 50% das mulheres apresentam uma infecção do trato urinário (ITU) em algum momento de suas vidas.

Os especialistas acreditam que isso se deve ao fato de elas possuírem uma uretra mais curta do que a dos homens, o que pode aumentar as chances de uma.

Quando uma bactéria infecciosa, normalmente a Escherichia coli, adentra a uretra, ela pode continuar subindo e ir parar na bexiga —eventualmente, também pode chegar aos rins, se não houver tratamento.

Apesar disso soar como um problema grave, as infecções do trato urinário são bastante comuns, bem estudadas e relativamente fáceis de serem tratadas.

No entanto, durante a gravidez todas as infecções e condições médicas precisam ser levadas um pouco mais a sério.

Por que a Infecção urinária é mais comum durante a gravidez?

Infecção Do Trato Urinário Na Gravidez

As infecções do trato urinário durante a gravidez podem ser mais comuns e mais difíceis de serem eliminadas por conta de todas as mudanças manifestadas pelo corpo ao longo desse período.

Em uma mulher grávida, o útero se expande para acomodar o feto (que continua crescendo). Porém, essa expansão do útero tende a pressionar a bexiga, que se situa imediatamente abaixo daquele órgão.

Quando se trata de infecções do trato urinário, uma das melhores maneiras de expulsar as bactérias é através da micção.

No entanto, a pressão do útero sobre a bexiga pode obstruir parcialmente a micção, permitindo que as bactérias se reproduzam e a infecção se espalhe. A

o se combinar o típico risco de infecções urinárias em mulheres com a complicação adicional de uma gravidez, não é nenhuma surpresa que até 10% de todas as gestantes venham a desenvolver essa infecção durante a gestação.

Causas

As causas de uma infecção urinária durante a gravidez são semelhantes às causas em mulheres não-grávidas.

Na maioria das vezes, devido à proximidade entre o ânus e a abertura da uretra nas mulheres, a falta de cuidados higiênicos, como limpar essas regiões após usar o banheiro, pode facilitar a entrada de bactérias pela uretra.

Esta é uma das causas da infecção urinária em mulheres, embora a entrada das bactérias seja bem mais frequente através das relações sexuais.

Durante as preliminares e a penetração, é muito fácil transmitir bactérias entre parceiros. É por meio da atividade sexual que quase todos os homens contraem infecções do trato urinário.

Como mencionado acima, o risco de infecção urinária nesta fase é maior devido à pressão exercida sobre a bexiga.

Mas o problema também pode ter origem nas alterações dos níveis de progesterona do organismo. Esse desequilíbrio hormonal pode causar um relaxamento nos músculos do sistema urinário.

Por consequência, a urina pode permanecer na bexiga, além de as bactérias acessarem os rins e a própria bexiga com mais facilidade.

Efeitos negativos

Infecção Do Trato Urinário Na Gravidez

O impacto de uma infecção urinária na gravidez pode afetar gravemente tanto a mãe quanto a criança, incluindo a possibilidade de parto prematuro, risco de morte, e enfraquecimento do sistema imunológico.

Com o corpo sofrendo mudanças tão rápidas e interferências causadas pelo estresse que envolve o nascimento de um bebê, a detecção de uma infecção urinária pode ser difícil.

No entanto, se não tratada, essa infecção pode estimular o parto prematuro, o que pode ocasionar problemas de má formação do feto, como dano cerebral ou até mesmo a morte fetal.

Além disso, após o parto a infecção urinária poderia “se aproveitar” da tensão extrema do parto para atacar agressivamente os rins, com o risco de causar danos permanentes.

Desse modo, é importante prestar atenção aos sintomas e tratar essas condições médicas rápida e agressivamente, além de contar com a orientação conjunta de um médico.

Sintomas

Alguns sintomas padronizados de uma infecção do trato urinário são mencionados logo abaixo. Se você apresentar qualquer um desses sintomas por mais de um dia, é aconselhável falar com seu médico obstetra.

  • Sensação de queimação
  • Necessidade constante de urinar
  • Urina turva
  • Dor lombar
  • Náuseas e vômitos
  • Micção frequente
  • Febre

Infecção urinária no 1º, 2º e 3º trimestre de gravidez

Independentemente do período da gravidez, uma vez que a infecção ocorra é fundamental que você resolva o problema de forma rápida e segura.

Algumas gestantes são surpreendidas com mais de uma infecção do trato urinário durante a gravidez, pois esse não é, necessariamente, um problema ocasional.

Na verdade, logo após a primeira infecção urinária durante a gravidez é provável que a mulher manifeste alguma outra no decorrer do período.

As recomendações para um tratamento médico convencional durante o primeiro e segundo trimestres divergem um pouco das medicações usadas no terceiro trimestre.

As sulfonamidas são frequentemente recomendadas nos primeiros seis meses, mas elas devem ser evitados nos meses que antecederam ao parto, já que essas substâncias ampliam o risco de parto prematuro.

Tratamentos e remédios caseiros

Como estas infecções são bastante comuns nesta fase, xiste uma variedade de opções de tratamentos (formais e caseiros), como adotar antibióticos seguros durante gravidez, manter o corpo hidratado, mudar os hábitos de higiene, usar roupas folgadas, utilizar o hidraste (Hydrastis canadensis L) e aumentar a ingestão de vitamina C.

Antibióticos seguros durante a gravidez

O tratamento médico mais comum é baseado em antibióticos, que podem combater a infecção bacteriana sem danificar muitas outras bactérias benéficas para o corpo ou enfraquecer o sistema imunológico.

Hidratação

Manter o corpo hidratado é uma ótima maneira de liberar toxinas do organismo e de induzir a micção. Uma vez que a micção frequente pode acarretar a ITU durante a gravidez, beber pelo menos 8 copos de água por dia pode rapidamente eliminar essas bactérias do corpo.

Hidraste (Hydrastis canadensis L)

Hidraste (Hydrastis Canadensis L)

Essa erva está relacionada à diminuição das infecções do trato urinário devido aos seus ingredientes ativos e antioxidantes.

Vitamina C

Esse famoso potencializador do sistema imunológico pode ajudar a fortalecer as defesas do aparelho urinário, bexiga e rins, evitando que as infecções se alastrem.

Prevenção da Infecção do trato urinário durante a gravidez

Infecção Urinária E Gestação

Hábitos de higiene

Como mencionado anteriormente, uma das formas de contágio das infecções do trato urinário ocorre através de relações sexuais.

Contudo, elas também podem estar associadas a hábitos anti-higiênicos no banheiro, particularmente o ato de se limpar após usar o banheiro.

A limpeza feita da parte da frente para a traseira sempre é mais segura do que o inverso, para evitar a disseminação de bactérias indesejáveis.

Roupas folgadas

O uso de roupas apertadas pode provocar transpiração e, consequentemente, levar à mistura de bactérias em diferentes partes do corpo.

O ambiente úmido e escuro em uma roupa íntima apertada também pode criar um terreno fértil para as bactérias, como as Escherichia coli.

Referências

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/
http://www.aafp.org/afp/2000/0201/p713.html
http://journals.sagepub.com/doi/abs/
http://onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1111/
https://books.google.co.in/books?id=hV2_TdmoDo8C
http://onlinelibrary.wiley.com/doi/
http://apps.who.int/iris/handle/10665/117613
http://ajph.aphapublications.org/doi/abs/
http://www.tandfonline.com/
http://aac.asm.org/content/46/8/2540.short