-->Inflamação do cérebro (cerebrite): definição, causas, sintomas e diagnóstico

Inflamação do cérebro: o que pode ser, sintomas e como tratar

A inflamação do cérebro é uma patologia de várias causas que, na maioria dos casos, pode evoluir para a formação de um abscesso cerebral.

Alguns eventos (como infecções ou traumas) podem condicionar uma resposta inflamatória descontrolada no cérebro, que inevitavelmente pode evoluir para a condição difusa do órgão, que deve ser diagnosticada e tratada em tempo hábil para evitar a alta mortalidade da condição.

A cerebrite, e subsequente formação de um abcesso cerebral são condições relativamente raras, mas podem ocorrer mesmo em pessoas saudáveis. Abaixo descrevemos os aspetos mais relevantes desta patologia.

Inflamação Do Cérebro, O Que Pode Ser, Sintomas E Diagnóstico

Ressonância magnética (RM) cerebral de cerebrite bifrontal e abscesso cerebral secundário por Streptococcus do grupo anginosus | Autores: José Manuel Matamala, Carolina Núñez, Rosa Ogrodnik, Luis Cartier.

O que é a inflamação do cérebro ou cerebrite?

O termo cerebrite refere-se à inflamação do cérebro, embora seja geralmente usado no contexto das fases iniciais de um processo que termina com a formação de um abscesso cerebral (ou seja, uma estrutura contendo pus cercada por uma cápsula de tecido).

Normalmente o processo inflamatório dura pelo menos 10 dias antes do aparecimento do abscesso.

Inicialmente, ocorrem alterações fisiopatológicas no tecido cerebral, caracterizadas por edema (extravasamento de líquido para o interstício celular) e pela presença de alterações irreversíveis causadas pela morte celular, um processo conhecido como necrose.

Os dias seguintes são caracterizados pela expansão da área necrótica e a progressão da inflamação cerebral, que aumenta rapidamente.

Posteriormente, inicia-se a formação de um tecido em redor do abscesso, tentando “conter” o processo inflamatório subjacente.

Sem tratamento, a presença de um abscesso cerebral pode ser fatal devido ao efeito compressivo que exerce nas estruturas nervosas especializadas. No entanto, a cirurgia e o uso de antibióticos podem reduzir muito a mortalidade causada pela condição.

A cerebrite é dividida em fases precoces e tardias, e dura normalmente 10-14 dias, dependendo da virulência do patógeno.

Publicidade

Precoce: A cerebrite precoce geralmente é um fenômeno de curta duração (2-3 dias), representando edema, congestão vascular e necrose coagulativa.

Tardia: A cerebrite tardia representa infecção progressiva, de tal forma que as áreas do cérebro sofrem necrose liquefativa. Ocorre aproximadamente 1 semana após a infecção inicial.

A cerebrite tardia pode progredir e formar um abscesso cerebral, que pode ocorrer aproximadamente 2 semanas após a infecção inicial.

Publicidade

Quais são as causas

É considerado um processo com múltiplas causas, sendo as infecções as principais causas de inflamação no cérebro. Algumas complicações do trato respiratório superior, causadas por infecções, tornam os pacientes especialmente suscetíveis a sofrer com a condição.

Por outro lado, traumas ou diferentes agentes físicos ou mecânicos ocasionados no tecido nervoso (como a neurocirurgia) podem condicionar uma importante resposta inflamatória que leva à formação de abscessos.

Uma pequena porcentagem dos casos, tem causas idiopáticas (isto é, apesar dos esforços realizados para identificar a causa, ela não foi identificada).

Por outro lado, quando existe um componente purulento associado, os micro organismos anaeróbios e Streptococcus sp. são os mais frequentemente isolados.

Quais os sintomas

Nos estágios iniciais (quando existe apenas inflamação do cérebro ), é possível que existam sinais clínicos altamente inespecíficos, como a presença de dor de cabeça.

Em alguns casos, a irritação das meninges (camadas de tecido protetor ao redor do sistema nervoso central) pode estar associada e originar sintomas de rigidez na nuca e alterações nos exames oculares (como papiledema ou inchaço do disco óptico).

Em estágios avançados, é esperada a presença de sinais de foco neurológico (sintomas clínicos que ocorrem devido à compressão excessiva de alguma área do cérebro, devido à expansão do abscesso). Geralmente há a ocorrência de convulsões.

Publicidade

No caso da cerebrite lúpica – uma complicação grave associada ao distúrbio do tecido conjuntivo, as manifestações neuropsiquiátricas iniciais podem ser inespecíficas, tais como ansiedade, depressão, distúrbios visuais, alterações comportamentais, psicose, acidente vascular cerebral, letargia, demência e até coma.

Como é realizado o diagnóstico

A combinação de sintomas clínicos e estudos de neuroimagem capazes de detetar alterações inflamatórias e abscessos cerebrais normalmente são suficientes para o diagnóstico.

Tratamento

Quando é causada por infecções, o tratamento consiste na administração de medicação antibiótica que curará principalmente a infecção. Para a inflamação, podem ser usados esteroides ​​para reduzir o inchaço. Nos casos em que o inchaço parece ter aumentado para níveis de risco, pode ser necessária a cirurgia para aliviar a pressão sobre o cérebro. A formação do abcesso também requer cirurgia, pois será necessário drenar o abscesso.

Saiba mais sobre:
A informação foi útil? Sim / Não

O texto contém informações incorretas? Está faltando a informação que você está procurando? Se ficou com alguma dúvida ou encontrou algum erro escreva-nos para que possamos verificar e melhorar o conteúdo. Não lhe iremos responder diretamente. Se pretende uma resposta use a nossa página de Contato.


Nota: O Educar Saúde não é um prestador de cuidados de saúde. Não podemos responder a perguntas de saúde ou aconselhá-lo nesse sentido.

Referências

Matamala J, et al. Cerebral bifrontal e abscesso cerebral por estreptococo do grupo anginoso, em paciente previamente saudável. Caso clínico. Rev Med Chile 2013; 141: 109-113.
https://www.researchgate.net/publication/237016628_Bifrontal_cerebritis_and_brain_abscess_caused_by_Sreptococcus_anginosus_group_Report_of_one_case

Autores
Dr. Marcelo Amarante (Médico de família e comunidade - CRM-RS: 42408 - RQE Nº 29881)

Identificação profissional: CRM-RS: 42408

- Médico do trabalho - RQE Nº: 29800

- Médico do tráfego - RQE Nº: 29858

- Médico de família e comunidade - RQE Nº: 29881

Consultar > Currículo Lattes.

O Dr. Marcelo Henrique Oliveira Amarante é um Médico graduado pela FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS DE MINAS GERAIS (FCMMG), uma instituição da FUNDAÇÃO EDUCACIONAL LUCAS MACHADO (FELUMA).

Especializando em Psiquiatria pelo Centro de Estudos Cyro Martins (CCYM), especialização acreditada pela Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP).

Aprovado em prova para obtenção de Título de Especialista em Medicina do Trabalho, aplicada pela Associação Nacional de Medicina do Trabalho (ANAMT), entidade filiada à Associação Médica Brasileira (AMB).

Aprovado em prova para obtenção de Título de Especialista em Medicina de Tráfego, aplicada pela Associação Brasileira de Medicina de Tráfego (ABRAMET), entidade filiada à Associação Médica Brasileira (AMB).

Aprovado em prova para obtenção de Título de Especialista em Medicina de Família e Comunidade, aplicada pela Sociedade Brasileira de Medicina de Família e Comunidade (SBMFC), entidade filiada à Associação Médica Brasileira (AMB).

Possui especialização em Higiene Ocupacional pela FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS DE MINAS GERAIS. Especialização em Atenção Básica em Saúde da Família pela UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS. Especialização Master of Business Administration (MBA) em Auditoria em Saúde. Tem experiência na área de Medicina, com ênfase em Medicina de Família e Comunidade, Clínica Médica, Auditoria/Regulação em Saúde, Perícias Médicas, Higiene Ocupacional, Ergonomia, Medicina do Trabalho e Medicina de Tráfego.

Atuação Profissional:

- Médico da LATAM Airlines;

- Médico da GOL Linhas Aéreas Inteligentes;

- Médico da Proforte, uma empresa do Grupo Protege;

- Superintendente Regulador/Auditor do SUS.

Também pode encontrar o Dr. Marcelo no Linkedin.

Publicidade