Insuficiência Aórtica (válvula aórtica do coração não fecha completamente deixando que o sangue volte para trás)

A insuficiência aórtica também é conhecida como regurgitação aórtica ou IA. A insuficiência aórtica verifica-se quando a válvula aórtica do coração não fecha completamente, deixando que o sangue volte para trás, para o ventrículo esquerdo, a partir da aorta.

Onde fica localizada a válvula aórtica?

O coração possui quatro câmaras (divisões). As câmaras superiores são designadas por aurículas e as câmaras inferiores por ventrículos. Quando o coração “bate,” as aurículas enviam o sangue para os ventrículos, que depois o enviam para fora do coração. O ventrículo direito envia o sangue para a artéria pulmonar. O sangue passa para os pulmões onde recebe oxigénio e liberta dióxido de carbono e outros compostos residuais. O ventrículo esquerdo envia o sangue para um vaso sanguíneo denominado aorta e, posteriormente, para o corpo. Existem válvulas (portas) entre estas câmaras que abrem e fecham para direccionar o fluxo sanguíneo através do coração. A válvula aórtica encontra-se entre o ventrículo esquerdo e a aorta. Esta válvula é constituída por três portas mais pequenas, chamadas cúspides. À medida que o coração bate, a válvula aórtica abre para deixar passar o fluxo sanguíneo do ventrículo esquerdo para a aorta. A válvula aórtica fecha-se enquanto o coração repousa entre os batimentos, o que evita que o sangue flua da aorta para o ventrículo esquerdo.

O que acontece quando o sangue volta para trás, da aorta para o ventrículo?

Deixa de haver sangue suficiente a fluir para o corpo, devido às fugas que se verificam para trás, da aorta para o ventrículo. Isto faz com que o coração bombeie com mais dificuldade para tentar enviar mais sangue para fora do coração, através de cada batimento cardíaco. Devido a esse esforço adicional, o coração começa aumentar de volume. Com o passar do tempo, o ventrículo esquerdo ficará de tal forma dilatado que deixará de conseguir bombear o sangue de forma eficaz. Menos sangue será bombeado para os músculos cardíacos e para o corpo, o que provocará dores no peito ou falta de ar. À medida que o tempo passa, a sua doença cardíaca pode piorar e causar outros problemas. Muitas pessoas com insuficiência aórtica também têm taquicardia ventricular ou fibrilhação. Estas anomalias verificam-se quando os ventrículos batem de forma demasiado acelerada ou palpitam em vez de bombear. Com o tempo, o coração pode parar completamente.

Causas da insuficiência aórtica:

A regurgitação aórtica pode ser causada por diversas razões. Encontrará, de seguida, uma lista de algumas causas subjacentes à regurgitação aórtica. Também existem, no entanto, outras causas menos comuns. Fale com o seu médico, se desejar obter mais informações sobre qualquer uma destas causas.

  1. Febre reumática.
  2. Endocardite infecciosa.
  3. Lesões na aorta, tais como aneurisma ou dissecção.
  4. Doença congénita da válvula.
  5. Lesão cardíaca, resultante de traumatismo torácico (por exemplo, acidente de viação) ou de um ataque cardíaco.
  6. Síndrome de Marfan.

Sinais e sintomas da insuficiência aórtica:

  1. Falta de ar durante a prática de exercício físico ou actividades como subir escadas.
  2. Falta de ar quando se deita ou durante a noite.
  3. Dores no peito.
  4. Audição dos próprios batimentos cardíacos.
  5. Sopro cardíaco (som extra) quando o médico ausculta o coração.

Diagnóstico da insuficiência aórtica:

O diagnóstico da IA baseia-se nas queixas do doente e na observação feita pelo seu médico de família ou médico especialista em Cardiologia. A confirmação da suspeita diagnóstica é muito ajudada por um exame denominado Ecocardiograma Doppler codificado a cor. Vários exames, análises, etc., podem ajudar a determinar qual é a causa da insuficiência aórtica (veja causas de IA).

Cuidados a ter

Depois de ter alta:

Tome sempre os seus medicamentos seguindo escrupulosamente as instruções do médico. Se achar que não o estão a ajudar ou se sentir que está a ter efeitos secundários, contacte o seu médico. Não deixe de os tomar sem antes falar com o médico. Mantenha uma lista dos medicamentos que está a tomar, incluindo a indicação de quando os deve tomar. Leve a sua lista de medicamentos ou os frascos dos comprimidos sempre que for ao médico. Informe-se sobre a razão pela qual está a tomar cada um dos medicamentos. Peça ao seu médico mais informações sobre os seus medicamentos. A aspirina ajuda a tornar o sangue menos denso e a evitar que se formem coágulos. Se o médico lhe receitar uma aspirina diariamente, não a substitua por paracetamol ou ibuprofeno. O médico poder-lhe-á receitar medicamentos anticoagulantes, que evitam que se formem coágulos no sangue. Os coágulos podem originar uma apoplexia e a morte. Os anticoagulantes podem ser de administração oral ou injectável. Podem ainda facilitar o sangramento ou as contusões.

É importante fazer o seguinte se estiver a tomar um anticoagulante:

Se faz a barba, utilize uma máquina de barbear eléctrica. Use uma escova de dentes macia para lavar os dentes. Isto pode evitar que a sua pele ou gengivas sangrem. Utilize uma pulseira de alerta médico que assinale que sofre de regurgitação aórtica e que está a tomar um medicamento anticoagulante. Informe o seu dentista, bem como quaisquer outros médicos, sobre o facto de estar a tomar um anticoagulante. Esteja atento ao aparecimento de sangue nas gengivas, nariz, urina ou fezes. Não pratique desportos de contacto pois pode sangrar ou sofrer contusões facilmente. Se já teve febre reumática no passado poder-lhe-ão, eventualmente, receitar antibióticos uma vez por mês. Isto ajudará a evitar que a febre reumática volte novamente. Também lhe poderão dar antibióticos para evitar a endocardite. Tome os seus antibióticos até ao fim do prazo indicado pelo médico.

Poder-lhe-ão, eventualmente, receitar medicamentos diuréticos. Estes ajudam-no a expelir os líquidos em excesso no seu corpo e pulmões, o que o poderá ajudar a respirar mais facilmente. Os diuréticos fazem-no urinar com mais frequência.

Poder-lhe-ão, eventualmente, receitar medicamentos para o coração para fazer com que este “bata” melhor ou de forma mais regular. Existem diversos tipos de medicamentos para o coração. Fale com o seu médico para saber qual o medicamento mais adequado para o seu caso e informe-se sobre a razão pela qual o está a tomar. Antes das consultas de seguimento anote quaisquer questões que tenha sobre a regurgitação aórtica, sobre os tratamentos possíveis e sobre os medicamentos que está a tomar. Lembrar-se-á, assim, de colocar todas estas questões durante a sua próxima consulta.

Quando for ao médico ou ao dentista alerte-os para o facto de sofrer de regurgitação aórtica. Ele saberá se no seu caso terá de tomar, ou não, antibióticos antes e depois do tratamento dentário, de outras cirurgias ou procedimentos. Os antibióticos ajudam a eliminar quaisquer germes que possam penetrar no sangue e causar uma infecção na sua válvula aórtica. Mantenha uma alimentação saudável incluindo alimentos dos cinco grupos alimentares: fruta, legumes, pão, lacticínios, carne e peixe. Ingerir alimentos saudáveis pode ajudá-lo a sentir-se melhor e a ter mais energia. Também poderá ajudar a acelerar o processo de cura. Também lhe poderão solicitar que diminua a quantidade de sal na alimentação.

Pergunte ao seu médico qual a quantidade de líquidos que deve beber por dia. A água, os sumos e o leite constituem exemplos de bons líquidos para beber. Limite a quantidade de cafeína que ingere sob a forma de, por exemplo, café, chá e bebidas gasosas. Afaste-se de pessoas com constipações ou gripe. Pergunte ao seu médico se é aconselhável vacinar-se contra a gripe. Esta vacina ajuda a evitar a gripe e a pneumonia. Tente ainda afastar-se de grandes agrupamentos de pessoas. Isto diminuirá a hipótese de ficar doente.

O exercício físico torna o coração mais forte, baixa a tensão arterial e mantém-no saudável. Planeie juntamente com o seu médico o programa de exercícios físicos mais adequado para o seu caso. Comece a praticar exercício físico quando o seu médico lho permitir. É preferível começar lentamente e ir aumentando o ritmo à medida que for adquirindo mais resistência. É provável que sinta mais necessidade de descansar. Adapte a sua actividade à quantidade de energia de que dispõe. Descanse quando entender necessário. Deitar cedo e levantar tarde também pode ajudar. Se tem falta de ar ou sofre de fadiga (cansaço), poder-lhe-á não ser possível fazer exercício físico ou praticar desportos mais violentos. Coloque ao seu médico quaisquer questões que tenha sobre os sintomas da regurgitação aórtica.

A obesidade pode obrigar a um esforço adicional do coração. Poderá ter de conversar com o seu médico sobre o seu peso ideal, e se for o caso, a melhor forma de perder peso. Se fuma, deveria deixar de fumar. Fumar prejudica gravemente o coração, os pulmões e o sangue. É mais provável vir a sofrer de um ataque cardíaco, de uma doença pulmonar e de um cancro se fumar. Nunca é demasiado tarde para deixar de o fazer. Estará não só a ajudar-se a si próprio, como também aqueles que o/a rodeiam. Se tiver dificuldades em deixar de fumar, informe-se junto do seu médico sobre formas de o fazer.

O stress pode agravar os sintomas da regurgitação aórtica. Dado que é difícil evitar o stress, aprenda a controlá-lo. Aprenda novas formas de relaxamento (respirar profundamente, relaxar os músculos, meditação ou treino de biofeedback). Desabafe com alguém. Poderá necessitar de uma intervenção cirúrgica se a sua doença da válvula aórtica piorar ao longo do tempo. A substituição da válvula aórtica é uma cirurgia que consiste em colocar uma nova válvula aórtica no coração. Parte ou toda a sua válvula aórtica será removida e substituída por uma válvula de origem animal ou por uma prótese.

Contacte o seu médico se:

  1. Os sintomas da regurgitação aórtica voltarem ou não melhorarem após o tratamento.
  2. Tiver falta de ar durante o exercício físico ou actividades como subir as escadas.
  3. Tiver falta de ar enquanto está deitado/a ou durante a noite.
  4. Tiver um sopro cardíaco (som extra) quando o médico lhe ausculta os batimentos cardíacos.
  5. Tiver novos sintomas que não tenha tido aquando da última consulta.
  6. Tiver quaisquer perguntas ou preocupações sobre a sua doença ou medicamentos.

Procure imediatamente ajuda se:

  1. Tiver arrepios de frio ou febre superior a 38 ºC. Apresentar sinais de um ataque cardíaco.
  2. Dores no peito que irradiem para os braços, maxilares ou costas.
  3. Coração acelerado ou a bater de forma irregular.
  4. Dificuldade em respirar.
  5. Suores.
  6. Isto é uma emergência. Ligue para o 112 e solicite que o levem ao hospital ou clínica mais próxima. Não conduza você mesmo!

Riscos e Complicações da insuficiência aórtica:

Edema pulmonar (falta de ar); arritmias; dor no peito (angina de peito ou enfarte do miocárdio); embolia cerebral (Acidente Vascular Cerebral – AVC); endocardite bacteriana (infecção do coração).

Tratamento da insuficiência aórtica:

Precisará de fazer uma série de exames para saber se a sua doença cardíaca está a piorar. Poderá ter de fazer parte ou todos os exames seguintes, que poderão ter de ser repetidos à medida que o médico continuar a tratar a sua doença, ao longo do tempo.

  1. Electrocardiograma.
  2. Radiografia torácica.
  3. Ecocardiograma.
  4. Ventriculografia de radionuclídeos.
  5. Cateterização cardíaca e aortografia à raiz aórtica.

O tratamento da regurgitação aórtica depende dos seus sinais e sintomas. Poderá ter de fazer um ou mais do que um dos seguintes tratamentos:

  1. Antibióticos.
  2. Medicamentos anticoagulantes.
  3. Medicamentos diuréticos.
  4. Medicamentos para o coração.
  5. Alimentação com um baixo teor de sódio.
  6. Cirurgia de reparação ou substituição da válvula aórtica.

Foto: Diagrama do coração humano.