Jorge Jesus

Revisado por Andre a 10 dezembro 2018

Jorge Fernando Pinheiro de Jesus, conhecido no mundo do futebol como Jorge Jesus, é um ex-jogador e atual treinador de futebol. Jorge Jesus nasceu na Amadora, a 24 de Julho de 1954.

Jorge Jesus Antes e Depois

O seu pai, Virgolino Jesus também foi jogador de futebol, tendo jogado, entre outros clubes, no Sporting, durante duas temporadas.

Jorge Jesus mostrou querer seguir as pisadas do seu pai e deu os primeiros passos no futebol na equipa de juvenis do clube da sua cidade, o Estrela da Amadora. No ano seguinte transferiu-se para o Sporting, onde completou a sua formação.

Em 1973/1974, na sua primeira época como sénior foi emprestado ao Peniche, que atuava então na 2º Divisão. Na temporada seguinte, foi novamente emprestado, mas desta vez ao Olhanense militando já na 1º Divisão. Ao serviço dos algarvios, Jesus sobressaiu, merecendo a confiança do Sporting na temporada seguinte.

Assim, na temporada de 1975/1976, Jorge Jesus integrou o plantel do Sporting, tendo participado em 12 jogos, 1 como titular e os restantes como suplente utilizado. Marcaria ainda 1 golo, com a camisola do Sporting.

Na sequência dos péssimos resultados alcançados pelo Sporting na temporada anterior, Jesus foi um dos afetados pela remodelação de plantel e foi transferido para o Belenenses.

A carreira de Jorge Jesus prosseguiria depois por vários clubes, saltando entre a 2º e a 1º divisão: Riopele (1º Divisão), Juventude (2º Divisão), União de Leiria (1º Divisão), Vitória de Setúbal (1º Divisão), Farense (1º Divisão), Estrela da Amadora (2º Divisão).

Já no ocaso da sua carreira jogaria ainda no Benfica de Castelo Branco e no Almacilense, ambos da 3º Divisão.

Após pendurar as botas, aos 35 anos de idade, tornou-se de imediato treinador. Começou por treinar o Amora, então na 3º Divisão Nacional, clube ao serviço do qual conseguiria o seu primeiro título: campeão Nacional da 3º Divisão.

Depois de quatro temporadas ao serviço da equipa da margem sul, tomou conta do Felgueiras, com o propósito de integrar um projeto ambicioso. Ao serviço deste clube somou duas promoções, levando o Felgueiras da 2º Divisão B até à primeira liga, divisão onde o Felgueiras nunca havia estado.

Na primeira liga não foi feliz, não conseguindo evitar a despromoção do clube, naquela que foi a primeira grande derrota da sua carreira.

Nestes anos que marcaram o início da sua carreira como treinador, Jorge Jesus procurou consolidar conhecimentos, efetuando vários estágios internacionais, como nomes conceituados como Johan Cruijff.

De Felgueiras, seguiu-se uma curta passagem pelo arquipélago da Madeira, ao serviço do União da Madeira, que militava então na 2º Divisão.

Na temporada 1998/1999 Jorge Jesus voltou a casa, para treinar o clube onde começou a sua formação como futebolista, o Estrela da Amadora. Esta sua passagem pelo clube duraria dois anos e seria um marco importante na carreira do treinador, já que pela primeira vez alcançou sucesso na divisão cimeira do futebol português.

O Estrela da Amadora, que tradicionalmente lutava pela manutenção realizou duas temporadas tranquilas. Curiosamente, o clube terminou as duas épocas com o mesmo número de pontos e no mesmo posto: 8º lugar e 45 pontos.

Apesar deste sucesso, Jesus voltou na temporada seguinte à 2º Divisão, desta feita com a missão de voltar a trazer o Vitória de Setúbal de regresso à competição mais importante de Portugal. Logo na primeira temporada, essa meta seria alcançada. Conduziria os sadinos durante mais uma temporada, deixando o clube num tranquilo 12º lugar, 8 pontos acima da “linha de água”.

Em 2002/2003 Jorge Jesus aceitou voltar à equipa da sua cidade, o Estrela da Amadora, então na 2º Divisão. Já visto como um especialista em subidas, Jesus era a pessoa ideal para devolver o clube à 1º Liga. Mais uma vez, as expectativas não foram defraudas, e Jesus conseguiu somar mais uma promoção.

Surgiu então o convite para treinar uma equipa de dimensão superior, o Vitória de Guimarães, o que Jesus não hesitou em aceitar. Mas a sua passagem por Guimarães não foi feliz e não se manteve no cargo durante muito tempo.

Na temporada seguinte, a mudança geográfica não foi grande, já que Jorge Jesus treinou o Moreirense, vizinho do Guimarães. A sua passagem pelo clube ficou marcada pela despromoção do Moreirense. A segunda na carreira de Jorge Jesus depois do Felgueiras.

As três temporadas que se seguiram, vieram mostrar em definitivo que Jorge Jesus era um treinador de Primeira Liga. Em 2005/2006 deixou o União de Leiria em 7º Lugar. Já ao serviço do Belenenses, em 2006/2007, alcançou um excelente 5º lugar, colocando a equipa na Taça UEFA.

Nesta época levou ainda a equipa ao final da Taça de Portugal, competição que perdeu por 1-0. Na temporada seguinte colocou o clube num tranquilo 8º lugar.

Em Maio de 2008 foi apresentado como treinador do Sporting Clube de Braga, clube que levaria aos oitavos-de-final da Taça UEFA e à vitória na taça Intertoto.

Após uma temporada em Braga, surgiu o interesse o Sport Lisboa e Benfica. Após acordo entre Benfica e Braga, Jesus foi apresentado como treinador dos “encarnados”, tendo os bracarenses recebido 700 mil euros, em troca da rescisão do treinador.

Conhecido pela sua auto-confiança e impulsividade, Jorge Jesus não foi parco em palavras na sua apresentação, prometendo título e bom futebol. Não foi preciso esperar muito para que as suas palavras se tornassem realidade.

Logo na primeira temporada, levou o Benfica à conquista do título. Chegaria também aos quartos-de-final da Liga Europa. Ao serviço do Benfica conquistou ainda duas Taças da Liga.

No final de 2010, o Benfica renovou o contrato com Jorge Jesus, fazendo dele o treinador mais bem pago do campeonato português. Segundo dados divulgados, Jorge Jesus foi o 20º treinador mais bem pago do mundo em 2011, com um salário anual estimado de 2,4 milhões de euros.