Listeriose

O que é a listeriose?

A listeriose é uma intoxicação alimentar causada pela ingestão de alimentos contaminados com a bactéria Listeria monocytogenes (L. monocytogenes). Nos Estados Unidos, estima-se que 2.500 pessoas ficam gravemente doentes com listeriose todos os anos. Em Portugal, admite-se que ume dezena de portugueses é afectada pela doença em cada ano. Nas mulheres grávidas, a infecção pode resultar em partos prematuros, infecções grave no recém-nascido ou mesmo morte fetal. A Listeriose afecta principalmente mulheres grávidas, recém-nascidos e adultos com o sistema imunológico comprometido. Os adultos saudáveis e crianças são ocasionalmente infectados com L. monocytogenes, mas raramente ficam gravemente doentes. Os bebés podem nascer com listeriose caso as suas mães comam alimentos contaminados durante a gravidez.

Quais as causas da listeriose?

A bactéria Listeria monocytogenes é encontrada no solo e na água.
– Os vegetais podem ser contaminados a partir do solo ou a partir de estrume usado como fertilizante.
– Os animais podem carregar a bactéria e esta pode contaminar as carnes e lacticínios.
– Os alimentos processados (como queijos e carnes frias) podem ficar contaminados após o processamento.
– Leite não pasteurizado (cru) ou alimentos feitos com leite não pasteurizado podem ficar contaminados.

Quais são os sintomas da listeriose?

Os sintomas da listeriose incluem febre, dores musculares e, por vezes, náuseas ou diarreia. Se a infecção se espalhar para o sistema nervoso, sintomas como cefaleia, rigidez do pescoço, confusão, perda de equilíbrio ou convulsões podem ocorrer. No entanto, mulheres grávidas infectadas podem sentir-se apenas levemente adoentadas, com sintomas semelhantes aos da gripe.

Diagnóstico, Como é que a listeriose é diagnosticada?

A listeriose é diagnosticada com base na história clínica e num exame físico. O seu médico deverá fazer-lhe perguntas sobre os seus sintomas, sobre alimentos que tenha comido recentemente, sobre o seu trabalho e sobre ambientes domésticos. Um teste de sangue ou teste de líquido espinal pode ser feito para confirmar o diagnóstico.

Tratamento da Listeriose

Uma pessoa saudável que não esteja grávida, geralmente, não precisa de tratamento. Os sintomas desaparecem geralmente dentro de poucas semanas. Se a paciente estiver grávida e começar a sofrer de listeriose, antibióticos podem evitar uma infecção do feto ou do recém-nascido. Os bebés com listeriose recebem os mesmos antibióticos que os adultos, embora seja utilizada uma combinação de antibióticos até que o médico tenha certezas relativamente ao diagnóstico.

Como pode prevenir-se a listeriose?

A listeriose pode ser prevenida praticando uma manipulação segura dos alimentos (adaptado a partir dos Centros para Controlo e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos da América):

– Compre com segurança. Ponha a carne crua numa bolsa, e coloque as aves ou peixes separadamente dos demais alimentos. Vá para casa imediatamente depois de terminar as suas compras de modo a que possa armazenar todos os alimentos correctamente;
– Prepare os alimentos de forma segura. Lave as mãos antes e após o manuseio de alimentos. Lave-as também depois de ir à casa de banho ou trocar fraldas.
– Lave bem as frutas e legumes frescos com água corrente. Se possível, use duas placas de corte, uma para produtos frescos e outra para a carne crua, aves e frutos do mar. Também pode lavar as facas e tábuas de corte na máquina para desinfectá-los.
– Mantenha os alimentos de forma segura. Cozinhe, refrigere ou congele carnes, aves, ovos, peixe e alimentos prontos-a-comer dentro de 2 horas no máximo. Verifique se o seu frigorífico é de 4 ºC ou mais frio. No entanto, deve referir-se que a listeria pode crescer no frigorífico, por issolimpe todos os derramamentos, principalmente molhos de cachorros quentes, carne crua ou aves.
– Cozinhe os alimentos de forma segura. Use um termómetro de carne limpo para determinar se os alimentos estão a ser cozinhados a uma temperatura segura. O reaquecimento de sobras deve ser feito a pelo menos 75º C. Não coma hambúrgueres mal passados, e esteja ciente do risco de intoxicação alimentar derivado do peixe cru (incluindo sushi), mariscos e ostras.
– Sirva os alimentos de forma segura. Mantenha os alimentos cozinhados, quentes [&0º C ou mais], e os alimentos frios, bem frios [4º C ou abaixo].
– Siga os rótulos nas embalagens dos alimentos. Os rótulos das embalagens alimentares fornecem informações sobre quando usar os alimentos e como armazená-los. Ler os rótulos dos alimentos e as instruções de segurança a segui-las irá reduzir as sua hipóteses de ficar doente com intoxicação alimentar.
– Quando em dúvida, é melhor deitar fora. Se não tem certeza se um alimento é seguro, não o coma. O reaquecimento de alimentos contaminados não os torna seguros. Não prove alimentos suspeitos. Podem cheirar e parecer bem, mas podem já não ser seguros para comer.

Se a paciente estiver grávida:

– Não comer cachorros-quentes, carnes enlatadas ou frias a menos que sejam aquecidas até ficarem bastante quentes;
– Não comer queijos moles tais como o feta, Brie, Camembert, queijos de pasta azul e queijos em estilo mexicano, como queijo branco fresco. A paciente pode comer queijos duros, queijos semi-moles, como mozzarella com fatias de queijo processado pasteurizado, requeijão e queijo ricota;
– Não comer patés refrigerados ou recheios de carne. No entanto, pode comer esses alimentos se eles forem enlatados;
– Não comer frutos do mar defumados refrigerados a menos que seja um ingrediente em um prato de cozido, como uma caçarola. Exemplos de frutos do mar defumados refrigerados incluem salmão, truta, peixe branco, bacalhau, atum e cavala. Pode comer conservas de peixe, como salmão e atum;
– Não beba leite cru (não pasteurizado) e não coma alimentos que contenham leite não pasteurizado, como alguns queijos;
– Evite comer saladas feitas nas lojas, como saladas de presunto, frango, ovo, atum ou marisco.

Extras

Pergunta: Eu não gosto de leite e, como na gravidez devia comer produtos lácteos, como muito queijo. Posso contrair listeriose?

Resposta: A infecção humana por listeria dá lugar a um quadro clínico cujos sintomas são muito variados, pelo que pode parecer um surto de gripe com episódios de febre.

O contágio produz-se por várias vias. Em primeiro lugar, a doença pode ser contraída por contacto com animais infectados em caso de pessoas especialmente expostas (por exemplo, trabalhadores agrícolas, veterinários, etc.). Outra via de contágio é através da inalação de pó contaminado, ainda que este tipo de contágio seja raro. Por último, pode adquirir-se por ingestão de carne de porco mal cozinhada, leite cru ou mal pasteurizado, ovos procedentes de animais contaminados, etc.

Contrair a infecção através de produtos lácteos é difícil se o leite foi bem pasteurizado. Por isso, com as técnicas actuais de tratamento dos produtos lácteos, não é fácil contrair este tipo de infecção, salvo que se ingira leite cru ou queijo de fabricação caseira sem os adequados sistemas de controlo. Se a infecção ocorre durante a gravidez, o embrião ou o feto podem ser contagiados através da placenta, e pode afectar o sistema nervoso central do futuro bebé, produzindo também lesões em diversos órgãos.

Quando a infecção ocorre nos últimos meses da gestação, o feto pode ser contaminado durante o parto através das secreções maternas, dando lugar à listeriose neonatal.

Quando se sofre de listeriose na gravidez, existe o risco de aborto expontâneo e de morte fetal neonatal, dependendo do momento da gestação em que aconteça a infecção. No entanto, ainda não se detectou que esta infecção dê origem a malformações congénitas.

As medidas preventivas que devem seguir-se durante a gestação são as seguintes:

– não ingerir carnes cruas ou pouco cozinhadas, nem ovos crus, leite cru ou que não tenha sofrido pasteurização.

– não devem comer-se queijos frescos nem outros produtos lácteos, de que não conheçamos a sua proveniência.

– a grávida não deve manter contacto com animais que tenham uma assistência clínica duvidosa. Além disso, tem que seguir algumas medidas higiénicas ao contactar com os animais e lavar as mãos após ter estado em contacto com eles, assim como mantê-los sempre afastados dos nossos alimentos.