Marialva e Castelo Rodrigo

Revisado por Andre a 28 outubro 2018

Aldeias históricas a par com outras 10, Marialva e Castelo Rodrigo são povoações perdidas no tempo. Pelas suas ruas ouvem-se histórias de outras alturas.

Marialva

Assim que chegas, a sensação que tens é que Marialva parou algures num século muito afastado. Tem cerca de 200 habitantes e a maioria são idosos, o que pode não ser muito auspicioso nalgumas situações, mas no que toca a conversa e histórias do passado, a coisa muda de figura. Casas em granito trepam pelos montes acima integrados num cenário de ruas estreitas. A visita propriamente dita pode começar pelo interior das muralhas. Como a povoação vai sendo cada vez menor, é normal que algumas habitações estejam muito degradadas. Mesmo assim é possível visitares alguns monumentos importantes como a Igreja de São Tiago ou o que resta do antigo tribunal e da cadeia.

Fora das muralhas encontras ainda a casa do Marquês de Marialva e a Capela de São João. A conversa com os habitantes da aldeia surge enquanto te deslocas de um lado para o outro. Idosos sentados à soleira das suas portas esperam por dois dedos de conversa. E é assim que ficas a conhecer as lendas e tradições desta terra. Que são muitas, fica já a saber.

Castelo Rodrigo

De Marialva para a vizinha aldeia de Castelo Rodrigo, o passeio faz-se sem grandes sobressaltos. Nesta aldeia, o que resta são umas bem preservadas ruínas do palácio Cristóvão de Moura, Marquês de Castelo Rodrigo e vice-Rei de Portugal durante o domínio castelhano que teve de fugir após a independência. Em fúria, o povo queimou o palácio daquele que chamaram traidor. Mas o que chegou até nós demonstra uma beleza que nos faz pensar dos tempos de fausto de uma casa deste tipo. O pátio interior impressiona pela paz de espírito que transmite.

Mas é no cimo do planalto a 820 metro de altitude que a vista dispensa comentários. São quilómetros e quilómetros de pradarias e logo ao lado Espanha.