O que é um tumor benigno?

Um tumor benigno é um crescimento de células anormal que não se considera câncer, entre outros motivos, porque não produz metástase. Os tumores benignos podem ocorrer em qualquer parte do corpo e são bastante comuns, tanto que são mais habituais que o câncer (tumores e neoplasias malignas).

O crescimento de células anormal é denominado de forma genérica como neoplasia. As neoplasias que formam massas sólidas chamam-se tumores, e podem ser malignas ou benignas. Algumas neoplasias não formam massas de tecido sólido, por exemplo, neoplasias de células sanguíneas, como a leucemia. Quando uma neoplasia, tumoral ou não, é capaz de migrar e estabelecer-se em outros órgãos, estamos a falar de um câncer ou neoplasia maligna.

Em geral, os tumores benignos não apresentam um risco vital para o paciente. Muitos deles não apresentam sintomas, mas podem gerar problemas graves por vários motivos, principalmente devido à pressão mecânica que exercem sobre outros órgãos e estruturas vitais como os nervos e vasos sanguíneos. Dependendo do caso podem necessitar de tratamento, sendo a cirurgia um dos métodos mais comuns e efetivos, uma vez que os tumores benignos geralmente não crescem novamente e apresentam uma superfície de corte homogênea.

O Hemangioma é Um Tumor Benigno

Tipos de tumores benignos

Existem muitos tipos de tumores benignos. Geralmente são formados por células que se assemelham a células normais do tecido ou órgão de origem. Os nomes dos tumores geralmente são compostos pelo tipo de célula ou tecido no qual são formados e o sufixo -oma, excluindo -carcinoma, -sarcoma e -blastoma que geralmente se referem a cânceres.

As causas não são conhecidas com exatidão na maioria dos casos e é provável que vários fatores atuem de forma isolada ou em conjunto, como causas genéticas, toxinas ambientais, radiação, dieta, estresse, lesões locais, inflamação e infecções.

Alguns dos tumores benignos mais comuns incluem:

Adenomas: adenomas são tumores benignos formados por tecido epitelial com origem ou características glandulares. Por exemplo, pólipos no cólon. Os adenomas podem aparecer em muitas regiões do corpo, como rins, glândulas adrenais, tireóide, pituitária, fígado, mama, próstata, glândulas salivares, glândulas sebáceas, etc.

Lipoma: é um tumor formado por tecido adiposo. Embora se possa desenvolver em várias partes do corpo, os lipomas subcutâneos são os mais comuns. Lipoblastomas e hibernomas são subtipos de lipomas.

Fibromas: são tumores que crescem no tecido fibroso ou no tecido conjuntivo de qualquer órgão. São relativamente frequentes na pele, por exemplo os acrocórdons (pólipos fibroepiteliais). Outros fibromas com alguma frequência são os fibromas ovarianos, uterinos e císticos.

Miomas: são tumores formados por células musculares. Por exemplo, o mioma uterino é um tumor benigno que afeta o miométrio. Os miomas também podem formar-se em músculos lisos, por exemplo nas paredes dos vasos sanguíneos.

Nevos: são crescimentos não cancerosos de várias células da pele. As pintas e os sinais que geralmente ocorrem na pele são nevos melanocíticos.

Hemangiomas: são um crescimento das células dos vasos sanguíneos, generalmente capilares, que aparecem na pele ou em órgãos internos.

Meningiomas: são tumores benignos que crescem nas meninges, as membranas que cobrem todo o sistema nervoso central.

Neuromas: são neoplasias benignas nos nervios, por exemplo, neurofibromas e schwannomas. Podem desenvolver-se em nervos de todo o cuerpo. Os neurofibromas são típicos da neurofibromatose, uma doença hereditária.

Osteocondromas: são um tipo de tumor benigno muito comum que aparece geralmente nas proximidades das articulações, como os joelhos ou ombros.

Na maioria dos casos, os tumores benignos são monitorados e vigiados, mesmo os assintomáticos, porque alguns podem se tornar malignos e causar câncer. Também podem produzir outros problemas; por exemplo, os tumores internos pode pressionar um vaso sanguíneo e impedir o fornecimento de sangue a alguma região do corpo, ou podem pressionar os feixes de fibras nervosas e causar dor intensa.

O diagnóstico de tumores benignos é feito usando uma grande variedade de técnicas. Sua visualização e localização é conseguida por meio de técnicas de imagiologia, como a tomografia computadorizada, ressonância magnética, ultrassom, raios-X ou técnicas específicas como a mamografia, no entanto, apenas através de testes laboratoriais procurando biomarcadores carcinogênicos (incluindo biópsias e exames de sangue) é possível diagnosticá-los como benignos.

Potencial invasivo

Na maioria dos casos, a causas exatas que provocam o desenvolvimento de tumores benignos não se conhecem com exatidão. Normalmente, o organismo é capaz de controlar o crescimento celular. Os tumores são formados quando esse controle falha por algum motivo e as células crescem a uma velocidade excessiva.

As células cancerígenas também crescem de forma descontrolada, mas ao contrário dos tumores benignos, as células cancerígenas têm a capacidade de migrar e invadir outros tecidos, o que é conhecido como metástase.

A capacidade de realizar metástase é conhecida como um potencial invasivo e é um dos fatores mais importantes no momento de diagnosticar um tumor como benigno ou como câncer. Os tumores benignos tendem a crescer em uma camada fibrosa de tecido conjuntivo, embora nem sempre, razão pela também se realiza a análise de biomarcadores e estudos de algumas proteínas, como as metaloproteinase.

No entanto, existem casos documentados de características compartilhadas entre tumores malignos e benignos. Por exemplo, os tumores benignos são geralmente bem diferenciados, ao contrário dos tumores malignos, mas há casos de tumores benignos indiferenciados e tumores malignos diferenciados. Existem também casos de tumores benignos de crescimento rápido, uma característica típica do câncer. Existem até alguns tipos de câncer que raramente metastizam, como o carcinoma basocelular (basalioma).

Galeria

Tumor Benigno

Características gerais de um tumor maligno e benigno na pele

Resumo comparativo de tumores benignos e malignos

Tumores benignos:

  • Encapsulados; rodeados por uma camada fibrosa de tecido conjuntivo (resposta do sistema imunológico para separar o tumor do resto do corpo).
  • Crescimento lento
  • Crescimento localizado
  • Não invasivo
  • Sem capacidade de metastatização.

Tumores malignos:

  • Crescimento Rápido
  • Invade vasos sanguíneos e tecidos próximos
  • Capacidade de metástase e estabelecer-se em outras zonas do corpo
  • Não encapsulado.

Carcinogênese: um processo de múltiplos estágios

Embora os tumores benignos não sejam considerados câncer, eles são considerados como sendo formados por carcinogênese (processo de ruptura celular que leva à formação de câncer). O processo incluiu alterações sequenciais no ADN celular, tanto por fatores genéticos quanto por fatores epigenéticos, que leva o tumor a um estado mais avançado. Geralmente é dividido em três etapas:

Iniciação: nesta fase são produzidas as primeiras mutações genéticas.

Promoção: a expansão clonal das células transformadas na etapa de iniciação forma um tumor visível, geralmente benigno.

Progressão: produzem-se alterações no tumor que o transformam em câncer, isto é, o tumor torna-se maligno e adquire a capacidade de metástase.

Um exemplo em que se verificam quase sempre 3 fases são nos casos de adenoma tubular do cólon. O Pólipo intestinal ou pólipo colônico é um importante precursor do adenoma tubular. As células do adenoma tubular geralmente apresentam displasia (alterações no processo de maturação das células), uma alteração que não se verifica em tumores benignos que não se transformam em câncer, mas é frequente em estados pré-cancerosos, por exemplo, em lesões pré-cancerosas do colo uterino.

Como é feito o tratamento

Alguns tumores benignos não requerem tratamento, enquanto outros precisam ser removidos se causarem problemas secundários devido à pressão sobre os nervos, vasos sanguíneos e outros órgãos. Também exigem remoção cirúrgica os tumores que apresentam sinais de um estado pré-canceroso ou quando que a sua malignização é relativamente frequente.

Em alguns casos, podem ser usados outros tratamentos. Por exemplo, a escleroterapia pode ser usada para bloquear o fluxo sanguíneo para o tumor. É muito raro a quimioterapia ou radioterapia serem usadas para tratar tumores benignos, porque a resposta a esses tratamentos é nula ou muito baixa e são tratamentos com vários efeitos colaterais. No entanto, há exceções, por exemplo, os tumores intracranianos de difícil acesso são geralmente tratados com rádio ou quimioterapia.

Em tumores de pele pode ser usada a cirurgia, mas também é frequente a crioterapia, curetagem, cauterização, cirurgia a laser e até peelings químicos.


Referências
  • María Teresa Martín de Civetta; Julio Domingo Civetta. (Sep./Oct. 2011) Carinogénesis. Salud Pública de México 5. doi: 10.1590/S0036-36342011000500008.
  • Brada M (February 2013). Radiotherapy for benign brain tumours coming of age; example of vestibular schwannoma. Radiotherapy and Oncology 106(2): 157–60.

 

A informação foi útil? Sim / Não

Ajude-nos a melhorar a informação do Educar Saúde.

O texto contém informações incorretas? Está faltando a informação que você está procurando? Se ficou com alguma dúvida ou encontrou algum erro escreva-nos para que possamos verificar e melhorar o conteúdo. Não lhe iremos responder diretamente. Se pretende uma resposta use a nossa página de Contato.


Nota: O Educar Saúde não é um prestador de cuidados de saúde. Não podemos responder a perguntas de saúde ou aconselhá-lo nesse sentido.

O que é um tumor benigno?