Paralisia Cerebral

A paralisia cerebral é a perda de parte das funções do cérebro relacionadas com o movimento. Aproximadamente afecta 1 criança em 500. A paralisia cerebral surge na fase inicial da vida.

Paralisia Cerebral

Os seus efeitos variam em larga escala: algumas crianças padecem apenas de uma ligeira incapacidade enquanto algumas estão quase totalmente incapacitadas.

A maioria encontra-se num ponto intermédio. Diversas crianças com problemas de movimento bastante graves são totalmente normais do ponto de vista mental e são portadoras de inteligência elevada.

Exatamente como as crianças que não sofrem de paralisia cerebral, algumas são muito inteligentes enquanto outras não o são tanto assim.

Causas

Actualmente pensa-se que existem mais causas que estão na origem da paralisia cerebral do que uma simples falta de oxigenação durante o nascimento, como anteriormente se acreditava; podem ocorrer outros factores durante a própria gravidez.

Em cerca de 1 caso em 50 há uma causa genética para a paralisia cerebral.

Sinais e sintomas de paralisia cerebral

Os bebés com paralisia cerebral podem ser lentos e ter problemas com a alimentação. Quando a paralisia se torna evidente, pode afectar principalmente as pernas, ou os quatro membros, ou apenas um lado do corpo.

Por volta dos seis meses o bebé com paralisia começa a ter rigidez nos músculos. A isto chama-se espasticidade. Um dos seus efeitos é a adopção por parte dos membros de posições anormais, dado que alguns grupos de músculos são mais fortes do que outros.

Os tornozelos têm tendência a posicionar-se para fora como se a criança tentasse andar em bicos de pés e os braços afectados flectem no cotovelo e pulso.

As crianças com paralisia cerebral infantil são em maior ou menor escala incapazes de controlar correctamente os movimentos e podem mover-se descontroladamente.

Elas quase sempre têm dificuldade em andar, mas isto pode variar entre uma forma ligeira e total. Normalmente as pernas unem-se e tocam-se entre si originando a típica postura de tesoura.

A fala também pode ser afectada pela paralisia cerebral.

Diagnóstico

O diagnóstico é por hábito baseado nas evidências dos factos através do exame físico.

Tratamento

Muito pode ser feito para ajudar as crianças a controlar a sua actividade muscular e impedir a deformação devido às contracturas musculares. Equipamento especial e, nalguns casos mesmo a cirurgia, podem ajudar.

As crianças podem ir à escola e aquelas que têm graves problemas irão beneficiar com a frequência de escolas vocacionadas para as suas necessidades específicas.

Muitas crianças com paralisia cerebral têm um bom desempenho na escola e continuam a ser um importante contributo para a sociedade.