Pediatra – Como escolher o Pediatra

Revisado por Reinaldo Rodrigues (Enfermeiro - Coren nº 491692) a 12 dezembro 2018

Como escolher o pediatra – Que características deve reunir o médico que vai cuidar do nosso filho durante toda a sua infância?

Durante o primeiro ano de vida do nosso filho iremos ao pediatra pelo menos doze vezes, uma em cada mês. Ele será quem nos aconselha as regras para cuidar do nosso bebé como ele merece e quem vigiará durante toda a sua infância o seu crescimento e o seu desenvolvimento. Acertar na escolha é, pois, uma questão fundamental.

Quando convém começar a procurar o pediatra?

A primeira visita ao pediatra tem lugar poucos dias depois da alta da maternidade, e então já não há tempo para tirar informações. O ideal é que a relação pais-pediatra comece antes do nascimento do bebé. Assim, poderemos falar com o futuro médico do nosso filho acerca das vantagens do aleitamento materno ou da licença de maternidade. Se a clínica onde nasce o bebé não contar com o serviço de Neonatologia, seria também conveniente que fosse ele quem realizasse o primeiro reconhecimento ao nosso filho.

A selecção nem sempre é fácil. Cada casal imagina um pediatra ideal: jovem ou com idade, homem ou mulher, sério ou alegre, tranquilo ou enérgico. Mas estas questões são meramente circunstanciais.

Que características realmente importantes devemos avaliar?

Em primeiro lugar é preciso saber se se trata de um profissional competente e com experiência, se nos dedica o tempo necessário, se nos escuta e explica as coisas com clareza. Dito de outra maneira: actua de maneira adequada em cada situação? Trata de forma correcta os pais e as crianças? É comunicativo e acessível?

É claro que existem outros aspectos que sempre se agradecem: a quem não agrada um pediatra amável e simpático, que trate das crianças e até se recorde do nome de cada uma?

Há pormenores que também contam

Existem também outros critérios de tipo prático que convém analisar. Por exemplo, o horário da consulta: se ambos os pais trabalham, talvez seja incompatível com o seu horário de trabalho (nem todas as visitas ao pediatra são tão urgentes para se faltar ao trabalho). Também é importante a distância do consultório e a rapidez com que nos marcam a consulta, especialmente se o centro é pequeno e o médico estiver saturado de trabalho. Quando pertencer a uma sociedade médica privada, convém assegurar-se antes de que não aceita mais trabalho do que aquele que pode desempenhar.

Também é interessante informarmo-nos de que o pediatra concorda em que o consultemos pelo telefone quando tivermos dúvidas, ou sobre as possibilidades que existem de que precisemos de visitá-lo sem marcação. Outro detalhe que pode tornar mais agradáveis as nossas visitas é o ambiente da consulta: a sala de espera do pediatra é independente? É confortável? Há brinquedos para as crianças? Existem zonas diferenciadas para mudar a fralda, pesar o bebé?

Devemos informar-nos para acertar

Nesta busca pelo Dr. Perfeito existem várias fontes onde nos poderemos dirigir: outro médico especialista, como o nosso ginecologista; outros pais (sempre que a sua ideia da educação infantil e as suas expectativas nesta questão sejam semelhantes às nossas); ou os educadores de uma escola infantil com prestígio.

Em cada centro de saúde da Segurança Social, em função do número de pacientes que tenha, pode existir um médico pediatra entre os que poderemos escolher. Segundo as novas normas para os Centros de Saúde, os pais devem estar inscritos num médico de família e possuir o cartão de utente que confirme que tem direito a ser assistidos no centro de saúde da área de residência. Pode, no entanto, haver excepções sobretudo em relação ao bebé que, se o médico autorizar, pode ser inscrito na sua consulta.

No caso de incompatibilidade com o médico, pode fazer um requerimento dirigido ao director do centro de saúde solicitando a mudança de consulta. Existe também a possibilidade de incluir o nosso filho num seguro médico privado. Os motivos porque alguns pais recorrem a ele costumam ser a rapidez na marcação da consulta e a facilidade absoluta para escolher e mudar de pediatra quanta vezes for preciso. Nalgumas sociedades de seguro médico, é necessária a associação de toda a família ou pelo menos de um dos pais.

A primeira visita ao pediatra é a prova de fogo; será este o médico que queremos para o nosso filho? Alguns dados podem dar-nos uma pista. Fundamentalmente é preciso ver como se desenrola a consulta: examina o bebé com atenção e cuidado?, faz-nos perguntas além das imprescindíveis para iniciar o historial médico? Sentimo-nos à vontade na sua consulta? Encontra-se tudo em perfeitas condições de higiene?

O essencial é que saiamos satisfeitos da consulta e com a certeza de que, se surgir algum problema com o nosso bebé, essa é a pessoa que o vai resolver. Confiaríamos nele no caso de surgir uma doença grave? Se a resposta for afirmativa, então estamos no bom caminho.

Convém decidir-se na primeira visita?

Quanto mais depressa encontrarmos um médico para o nosso filho, melhor decorrerão as coisas: pouparemos o trabalho de dar explicações cada vez mais numerosas: a cada mudança, o médico novo não saberá que problemas o nosso filho teve até esse momento, que tratamentos lhe foram receitados, etc. Não obstante, é preciso ter em consideração que neste primeiro contacto não é fácil que tudo saia perfeito: nós pais costumamos estar nervosos (os primeiros dias com o bebé em casa são esgotantes) e ainda não houve tempo para estabelecer a confiança e a cumplicidade necessárias.

Ler tambem:

Acabou de nascer o meu bebe! – Testes e Exames

Amamentação – Não se deve passar fome enquanto se amamenta

Ginástica com o bebé – Abdominais

Boas posturas com o bebé nos braços

Depois da Gravidez – Exercícios para voltar a estar em forma

– Guia da Gravidez