Peru

Revisado por Equipe Editorial a 13 janeiro 2018

Viajar para o Peru, esse longínquo e colorido país, por Maria Faria.

Destino: Perú
Viagem à terra de estranhas e longínquas civilizações pré colombianas. Saída, na semana da Páscoa, do Porto com destino a Lima, capital moderna e tradicional. Visita às zonas mais simbólicas. Regresso ao ponto de partida a 6 de Abril.

Machu Picchu – a Cidade perdida dos Incas

Guia de Viagem

Itinerário:
Lima à noite. Néons lembram cidades americanas ou chinesas. Coca-Cola, Mac’Donalds. Casinos e megastores. Breve descanso, prosseguindo-se no dia seguinte para Arequipa. À chegada montanhas nevadas como cenário de fundo. Haveríamos de novo de as sobrevoar quase tocando os seus cumes. Destino? Valle de Coca, passando pela Reserva Aguada Blanca, com vicuñas protegidas. Mirador dos Andes, primeiro chá de folha de coca.

Chivay, no grande Canyon. Depois de uma visita à zona termal e à povoação, e após uma noite muito fria, prosseguiu-se pelo Canon del Colca (3.400 metros de profundidade).
Mirador da Cruz del Condor. Majestático o voo do condor. Imaginárias flautas andinas parecem pôr nos nossos ouvidos a belíssima música del Condor. 5.600 metros. Nessa noite haveríamos de pernoitar já em Arequipa, «Cidade Branca», património da humanidade desde 2000, que foi visitada de noite e de dia: Praça das Armas, Mosteiro de Santa Catalina…

Estada seguinte, Puno, com os seus túmulos Incas . Lago Titicaca, o lago mais alto do mundo. Ilhas flutuantes de Uros. Como é possível viver sobre juncos, tendo a vida, tão simples, toda organizada?
De passagem por La Raya, onde nos deparámos com símbolos da vida andina: rostos, fatos, lamas e alpacas doces e macias.
Enfim Cusco. A verdadeira tradição em cada esquina, cada calçada, cada igreja, cada sacada, que reflectem o domínio espanhol sobre as populações incas que aqui tiveram a sua capital.

Centro Histórico de Arequipa – fundado em 1540, e Patrimônio Mundial da UNESCO.

A mais bela Praça das Armas, a Sé… Do alto, nas ruínas incas, o Cristo de «Cuscuvado» protege a cidade. Daqui se partiria até Machu-Pichu de comboio, o que nos permitiria avistar o início do caminho Inca e a selva amazónica. Também de Cusco penetrámos no Vale Sagrado até Pisac, o mais importante centro de artesanato.

Tema Livre:
31 de Março, excursão de barco às ilhas flutuantes de Uros. Desembarcando numa delas feita como as outras de camadas de junco sobrepostas, pudemos observar como as minúsculas casas são do mesmo material. Crianças de rosto redondo e muito tisnado, quase com feridas, olham-nos com espanto. Entramos na escola. Seguem-nos tal como o adulto que sabemos depois ser o chefe local. As crianças sentam-se e cantam em várias línguas pequenas canções. Parecem felizes. De outras ilhas mais virão…

Video Machu Picchu

O que mais gostei desta minha viagem ao Peru
Machu Picchu – De Manhã cedo, lá partimos rumo à cidade dos Incas. Dado o acidentado da via o trem faz um ziguezague sucessivo, e Cusco aparece e desaparece constantemente dos nossos olhos…O comboio avança com lentidão ao longo do rio Urubamba numa paisagem esmagadora. Avistamos o monte Verónica, de neves perpétuas. Além começa o caminho inca que percorre as montanhas até Machu Pichu, a cidade sagrada. A uma altitude de 2400 metros, ela forma como que um terraço desenrolando-se sobre o vale do rio.

Uma atmosfera de misticismo nos envolve: a Praça Sagrada, o Templo do Sol, o Templo das Três Janelas, a pedra dos sacrifícios. Para cima e para baixo estava o povo… nas suas casas mais modestas. Que mistério se esconderá sob estes muros, escadarias e jardins?

Como chegar ao Peru
Para se viajar para o Peru, a melhor forma encontrada pela agência que organizou a viagem para o grupo foi ir na Ibéria, o que obrigou a transbordo em Madrid. Daqui voou-se até Lima. Para Arequipa fomos de avião das linhas nacionais, viajando depois de minibus e de novo de avião até Juliaca. Continuação de autocarro o resto da viagem. Retorno a Lima de avião. Regresso ao Porto, por Madrid, Companhia aerea Ibéria.

Onde ficar hospedado
Em Lima ficámos no hotel Bruce, em Miraflores, moderno, razoável. No Vale de Colca, Chivay, hotel Mama Yacchi, pousada, bem interessante, só que muito fria. Belo enquadramento natural. Arequipa, hotel El Portal. Em plena Praça das Armas, antigo mas agradável. Bem situado, da sua varanda pudemos assistir a uma procissão nocturna. Puno, Sonesta Pousada del Inca, virada para o Titicaca, muito bonita. Cusco, hotel Picoaga de Cusco. Muito perto da Praça das Armas, antiga casa senhorial, linda.

Quando viajar para o Peru
A melhor época do ano para se ir será aquela em que nós fomos, Primavera portuguesa, pela Páscoa. Está no Peru a terminar a estação seca e não se apanha demasiado calor. Pode haver algumas surpresas quanto a chuvas, é claro.