A melhor arma contra a celulite é a prevenção

Revisado por Reinaldo Rodrigues (Enfermeiro - Coren nº 491692) a 12 dezembro 2018

Apesar dos avanços da Medicina, o corpo humano feminino continua a encerrar alguns mistérios. Um aspecto com algum encanto, que não deixa de apresentar contrariedades.

A celulite é, aliás, uma delas. Coxas, ancas, joelhos e braços são as áreas mais afectadas por um problema estético de difícil resolução, uma vez que a sua fisiopatologia não é conhecida. Significa isto que aquilo que é tratado são os sintomas e não as causas.

Por isso, a Dr.ª Maria de Jesus Rodriguez, médica, afirma que «a melhor arma contra a celulite é a prevenção». O que deve ser entendido por uma dieta equilibrada, pobre em açúcares e gorduras e pela prática de exercícios que permitam melhorar a circulação sanguínea.

O que estaria muito bem, não fossem os casos de pessoas que seguem a dieta recomendada e praticam desporto, mas que apresentam nódulos celulíticos abundantes.

«A dificuldade do tratamento da celulite reside também no facto de se desconhecerem ao certo quais os factores que têm mais peso no seu aparecimento. Sabe-se que o consumo de açúcares e de gorduras pode ter influência, mas também se sabe que a componente genética tem um papel decisivo.

O facto deste ser um problema quase exclusivo do sexo feminino aponta para que possa haver uma causa hormonal que determine o aparecimento da celulite nas mulheres», afirma Maria de Jesus Rodriguez.

Estamos, portanto, em posição de afirmar que praticar uma alimentação saudável e fazer exercícios como a marcha, a bicicleta e a natação podem contribuir para evitar que a celulite se instale.

Mas o que fazer, então, quando o problema já exidte? Além da alimentação e do exercício, existem tratamentos anticelulíticos não agressivos, com resultados muito positivos.

Drenagem linfática, lipólise e mesoterapia são as técnicas utilizadas para combater a celulite. Aplicar uma ou outra depende da pessoa e da quantidade de nódulos existentes.

Maria de Jesus Rodriguez explica que «a drenagem linfática é indicada nas pessoas com poucos nódulos visíveis, mas que sentem cansaço e peso nas pernas.

Para além disso, melhora a circulação e elimina as toxinas. As outras duas técnicas são aplicadas em estados mais avançados. A mesoterapia é uma técnica com uma aplicação mais rápida.
Enquanto uma sessão de lipólise exige cerca de 60 minutos, uma sessão de mesoterapia exige entre 10 e 15 minutos».

Em qualquer dos casos, os resultados parecem ser mesmo satisfatórios. No fim das 10 sessões normalmente recomendadas, os nódulos celulíticos desaparecem ou reduzem visivelmente. No entanto, nem todos os casos são iguais.

«Tudo depende do grau de celulite em causa. Há pessoas que ao fim das 10 sessões estão perfeitas e outras que necessitam de mais algumas aplicações. Nos casos mais problemáticos, pode ser mesmo necessário recorrer a duas técnicas diferentes», afirma a mesma especialista.

Quem se submete aos tratamentos passa a ter outra preocupação. Como manter os resultados obtidos?

A resposta já é conhecida: «Praticar uma alimentação pobre em açúcares e gorduras, evitar as oscilações bruscas de peso e praticar exercícios que favoreçam a circulação. Fazer algumas sessões de manutenção também pode ajudar. Mas é importante não esquecer a importância de uma vida harmoniosa e equilibrada.»