Psoríase Eritrodérmica: Causas, Sintomas e Tratamento

Revisão Clínica: Dr Pedro Secchin (Dermatologista CRM-SP 195965). Atualizado: 23/06/21

A psoríase eritrodérmica é uma forma inflamatória, incomum e agressiva de psoríase. Os sintomas incluem erupções cutâneas em toda a superfície do corpo, originando coceira e ardência intensa.

Continua depois da Publicidade

A psoríase eritrodérmica é um dos tipos mais graves de psoríase. No caso de surgirem complicações, pode ser fatal. A condição geralmente afeta pessoas que já têm psoríase em placas, o tipo mais comum.

Também pode ocorrer no início de um episódio de psoríase em placas ou juntamente com outro tipo raro de psoríase, chamado de psoríase pustular de von Zumbusch.

Causas

Não se conhece exatamente a causa a psoríase, mas parece ocorrer devido a um sistema imunológico hiperativo.

Em pessoas com psoríase, o corpo produz um número excessivo de células T, um tipo de glóbulos brancos que geralmente afasta as bactérias e vírus. Na psoríase, essas células T atacam as células saudáveis ​​da pele, levando a uma superprodução dessas células, juntamente com outros sintomas.

Os sintomas da psoríase ocorrem principalmente na pele, mas a condição também pode afetar as unhas, articulações e outras regiões do corpo.

Gatilhos

As causas exatas da psoríase eritrodérmica não são claras, mas existem alguns fatores que podem desencadear um surto. Esses incluem:

  • parar de repente o tratamento da psoríase
  • o uso excessivo de corticosteroides
  • infecções
  • queimadura de sol intensa
  • estresse emocional
  • consumo excessivo de álcool
  • reações alérgicas e erupções cutâneas
  • medicamentos esteroides orais

Sintomas

Os sintomas da psoríase eritrodérmica podem ser intensos. Podem ocorrer repentinamente no início de um novo caso de psoríase ou iniciar gradualmente durante um surto de psoríase em placas.

Os sintomas da psoríase eritrodérmica incluem:

  • vermelhidão intensa da pele em grande parte do corpo
  • queda de pele que ocorre em escamas maiores em vez de flocos menores
  • pústulas ou bolhas
  • pele queimada
  • coceira intensa
  • dor intensa
  • aumento da frequência cardíaca
  • flutuações na temperatura corporal

Estes são sintomas que afetarão a maioria das pessoas durante um surto da doença. No entanto, a psoríase eritrodérmica também pode alterar a química do corpo. Por esse motivo, algumas pessoas também podem experimentar:

  • inchaço, especialmente em redor dos tornozelos
  • dor nas articulações
  • calafrios ou febre

Complicações

A pele atua como uma camada barreira do corpo, e é crucial para a saúde em geral. Portanto, danos graves na pele resultantes da psoríase eritrodérmica podem perturbar todo o ambiente corporal, tornando-o suscetível a complicações graves, incluindo:

  • doenças graves por perda de proteínas ou líquidos
  • inchaço excessivo causado pela retenção de líquidos
  • infecções graves, incluindo pneumonia e sepse
  • insuficiência cardíaca congestiva

Psoríase Eritrodérmica

Diagnóstico

A doença pode ser identificada através de um exame físico. A maioria dos testes de laboratório não são específicos o suficiente para confirmar o diagnóstico.

A presença de vermelhidão e descamação severas cobrindo 90% do corpo normalmente recebe o diagnóstico de psoríase eritrodérmica.

Além disso o médico também deve procurar sinais de infecção, pois danos extensos na pele deixarão o corpo vulnerável.

Continua depois da Publicidade

É importante que qualquer indivíduo que note algum sintoma de psoríase eritrodérmica procure atendimento médico imediato, pois podem ocorrer complicações graves.

Tratamento

O tratamento inicial pode incluir a administração de fluidos intravenosos para reidratação. No entanto, a doença pode ser difícil de tratar, principalmente se ocorrerem complicações.

O tratamento pode ser de administração tópica e terapia medicamentosa. As opções de tratamento dependerão da gravidade dos sintomas ou presença de outras condições de saúde.

Os tratamentos tópicos incluem:

  • cremes e hidratantes tópicos para esteroides
  • aplicação de pensos úmidos
  • banhos de aveia

O tratamento de emergência consiste na reposição de líquidos e eletrólitos por via intravenosa para tratar ou prevenir a desidratação.

Também estão disponíveis alguns medicamentos sistêmicos (orais, através de injeção ou infusão).

Tratamento medicamentoso

A ciclosporina (Neoral) e o infliximabe (Remicade) são tratamentos padrão de primeira linha para a psoríase eritrodérmica. O conselho médico da National Psoriasis Foundation observa que essas parecem ser as terapias de ação mais rápida.

Quando a condição estiver estável, o médico pode recomendar a mudança para outro medicamento, ou o uso de terapia combinada.

Biológicos

Alguns medicamentos biológicos, tais como o etanercept ou adalimumab (Humira), que são Fatores de Necrose Tumoral Alfa, e algumas interleucinas, são tratamentos eficazes para a psoríase eritrodérmica moderada a grave.

Quando necessário, o médico também pode prescrever antibióticos para prevenir ou tratar outras infecções.

Pessoas com HIV

As pessoas com HIV têm maior risco de desenvolver psoríase, incluindo psoríase eritrodérmica, e é provável que seja mais difícil de tratar. Nestes casos o tratamento pode ser iniciado com terapia anti-retroviral ou fototerapia por ultravioleta (UV).

Prevenção

Para evitar um episódio de psoríase eritrodérmica, os indivíduos com psoríase devem seguir a rotina indicada pelo médico e evitar gatilhos específicos, que podem incluir:

  • estresse
  • tempo frio
  • vento
  • consumo excessivo de álcool
  • fumar

Por vezes, o início da psoríase eritrodérmica é repentino, o que dificulta a prevenção de possíveis gatilhos.

A psoríase é contagiosa?

Não. A psoríase não é contagiosa, portanto não pode ser transmitida sexualmente ou por contato físico. Ela também não é causada pelo estilo de vida, dieta ou má higiene.

Outros tipos de psoríase

A psoríase é uma condição crônica na qual o corpo produz células da pele a uma velocidade muito mais rápida que o normal. Essa superprodução de células faz com que em algumas zonas de pele, ela fique mais espessada, inflamada e desconfortável, dando origem a coceira e dor. Também pode afetar outras partes do corpo, incluindo as articulações.

Continua depois da Publicidade

Existem muitos tipos de psoríase e uma extensa lista de sintomas:

A psoríase em placas é a forma mais comum. Afeta 80 a 90% das pessoas com psoríase e apresenta coceira em algumas zonas da pele ou dor na pele causada por inflamação. A psoríase em placas instável envolve placas mal definidas e aumenta o risco do indivíduo desenvolver psoríase eritrodérmica.

A psoríase gutata apresenta pequenas manchas no tronco. Muitas vezes ocorre na infância como uma reação à garganta inflamada.

A psoríase inversa apresenta-se em forma de manchas vermelhas e brilhantes e pele inchada nas dobras do corpo, especialmente nas axilas, virilhas e sob os seios.

A psoríase pustular origina bolhas e pústulas cheias de pus que aparecem por todo o corpo. Febre, calafrios, coceira extrema e diarreia podem acompanhar essas bolhas. A psoríase eritrodérmica pode se desenvolver como uma complicação desta.

Conclusão

É verdade que a psoríase é uma doença crônica não fatal, para a qual existem muitos tratamentos locais e gerais. Embora esses tratamentos não curem a doença, eles podem permitir que o paciente leve uma vida normal.

Trata-se de uma forma muito rara, mas muito grave de psoríase. Falamos de psoríase eritrodérmica quando mais de 90% da pele é afetada pela psoríase, ou seja, praticamente toda ela. É como se a pele se transformasse em uma única placa gigante, vermelha e escamosa.

A situação é semelhante à das vítimas de queimaduras graves: no caso da psoríase eritrodérmica, a pele já não desempenha a sua função de barreira e isso implica um risco significativo de superinfecção, desidratação e várias doenças em órgãos vitais e vasos sanguíneos do corpo.

A doença psoríase pode instalar-se aos poucos (forma crônica) ou surgir repentinamente (forma aguda). Às vezes, é um primeiro ataque de psoríase ou se origina após a interrupção do tratamento. É conveniente saber que a eritrodermia pode estar associada a outras patologias: eczema, reações medicamentosas, câncer …

Autores
Dr Pedro Secchin (Dermatologista CRM-SP 195965)

Dermatologista - CRM-SP 195965 / RQE 73850

Consultar > Currículo Lattes.

O Dr. Pedro Secchin é Graduado em Medicina pela Universidade Gama Filho (UGF) – 2011. É Mestrado em Medicina pela Fundação Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz). Além disso o Dr. também possui:

- Especialização em Dermatologia no Hospital Universitário Clementino Fraga Filho da Universidade Federal do Rio de Janeiro (HUCFF/UFRJ) - 2018.

- Título de especialista em Dermatologia pela Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD) e Associação Médica Brasileira (AMB).

- É membro titular da Sociedade Brasileira de Dermatologia.

Endereço: Rua Inglês de Sousa, 449. CEP: 01546-010 - Jardim da Glória São Paulo - São Paulo Telefone: ‪(11) ‬4301-9931

Também pode encontrar o Dr. Pedro no Linkedin e Instagram.


Bibliografia
  • Chiricozzi, A., et al. (2012). Complete resolution of erythrodermic psoriasis in an HIV and HCV patient unresponsive to antipsoriatic treatments after highly active antiretroviral therapy (Ritonavir, Atazanavir, Emtricitabine, Tenofovir) [Abstract].
    https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed?term=23295963
  • Leavitt, M. (2015). New recommendations for erythrodermic, pustular psoriasis.
    https://www.psoriasis.org/advance/biologics-for-pustular-erythrodermic-psoriasis
  • Lee, W. K., et al. (2015). Erythrodermic psoriasis treated with golimumab: A case report [Abstract].
    https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed?term=26273164
  • Menon, K., et al. (2010). Psoriasis in patients with HIV infection: From the medical board of the National Psoriasis Foundation [Abstract].
    https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed?term=19646777
  • Okoduwa, C., et al. (2009). Erythroderma: Review of a potentially life-threatening dermatosis.
    https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC2800861/
  • Psoriasis resource center. (n.d.).
    https://www.aad.org/public/diseases/scaly-skin/psoriasis
  • Rosenbach, M., et al. (2010). Treatment of erythrodermic psoriasis: From the medical board of the National Psoriasis Foundation [Abstract].
    https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/19665821
  • Saeki, H., et al. (2015). Efficacy and safety of open-label ixekizumab treatment in Japanese patients with moderate-to-severe plaque psoriasis, erythrodermic psoriasis and generalized pustular psoriasis [Abstract].
    https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed?term=25355284
A informação foi útil? Sim / Não

Ajude-nos a melhorar a informação do Educar Saúde.

Encontrou um erro? Está faltando a informação que está procurando? Se ficou com alguma dúvida ou encontrou algum erro escreva-nos para que possamos verificar e melhorar o conteúdo. Não lhe iremos responder diretamente. Se pretende uma resposta use a nossa página de Contato.


    Nota: O Educar Saúde não é um prestador de cuidados de saúde. Não podemos responder a questões sobre a sua saúde ou aconselhá-lo/a nesse sentido.
    Última atualização da página em 23/06/21