Quais são as consequências para a saúde da exposição ao fumo passivo?

Revisado por Reinaldo Rodrigues (Enfermeiro - Coren nº 491692) a 12 dezembro 2018

Quais são as consequências para a saúde da exposição ao fumo passivo?
A exposição ao fumo passivo causa doença e morte prematura em crianças e adultos não fumadores. Algumas pessoas são mais sensíveis do que outras. As crianças e os idosos sofrem mais com esta exposição, mas também as pessoas que apresentam, à partida, problemas de saúde, como asma, alergias, doenças pulmonares ou doenças cardíacas crónicas.

A exposição ao fumo passivo desencadeia uma resposta inflamatória das membranas mucosas, dos olhos e tracto respiratório superior. Como resultado, os sintomas mais frequentemente referidos pelos fumadores passivos são a irritação ocular, nasal e faríngea, rinorreia, obstrução nasal, rouquidão e tosse por vezes acompanhada de pieira. Para além disso, muitos fumadores passivos queixam-se ainda de mal-estar geral, náuseas, tonturas e cefaleias. O fumo passivo provoca também lesões no tracto respiratório inferior de adultos saudáveis não fumadores, podendo desencadear sintomas de bronquite e asma. Vários estudos epidemiológicos implicaram o tabagismo passivo como factor de risco para a doença cardiovascular e um factor de risco significativo para o cancro do pulmão.

As crianças expostas ao fumo passivo têm um risco acrescido de Sindroma de Morte Súbita Infantil, otite média, infecções respiratórias e pneumonia. Além disso o tabagismo passivo pode causar nas crianças asmáticas maior número de crises e mais graves. Também neste grupo etário se verificou uma pequena mas estatisticamente significativa redução da função pulmonar.