Reabilitação Oral Protética – Materiais de Moldagem

Revisado por Equipe Editorial a 13 janeiro 2018

Reabilitação Oral Protética – Materiais de Moldagem:
– Requisitos de Materiais de Moldagem:
– Facilidade de manipulação e custo razoável;
– Propriedades adequadas de fluidez;
– Tempo de presa e características adequadas
– Boa precisão dimensional
– Força mecânica suficiente para não rasgar ou deformar permanentemente durante a remoção
– Aceitação do paciente
– Segurança (não ser tóxico ou irritante)
– Nenhuma degradação significativa das propriedades como resultado da desinfecção
– Compatibilidade com todos os materiais para confecção de modelos e troqueis
– Boas qualidades de armazenamento (nenhuma deterioração dos materiais mantidos no consultório)

Classificação dos materiais de moldagem:
Rígidos:
– Godiva
– Gesso de moldagem
– Pasta zinco-eugenólica
Flexíveis:
– Ágar hidrocolóide
– Alginato hidrocolóide
– Polissulfeto (borrachóide)
– Silicone (borrachóide)
– Poliéter (borrachóide)

Material de Moldagem de Alginato:
Hidrocolóide Irreversível

Vantagens:
– Facilidade de mistura e manipulação
– Mínimo equipamento necessário
– Flexibilidade
– Precisão, a depender da manipulação
– Baixo custo

Indicação:
– Modelos para confecção de próteses parciais removíveis
– Modelos de estudo e diagnóstico
– Modelos para confecção de placas miorrelaxantes
– Modelos anatômicos de próteses totais
– Modelos antagonistas de reabilitações orais
– Moldagem de transferência

Embalagens
– Potes plásticos
– Embalagens aluminizadas

Composição
– Sal de alginato de potássio ou de sódio (dissolver a água)
– Sulfato de cálcio (reagir com o alginato dissolvido para formar um alginato de cálcio insolúvel)
– Fosfato de sódio (reagir preferencialmente com sulfato de sódio)

Tempo de Mistura e Presa
– Alginato tipo I – presa rápida
– Alginato tipo II – presa normal
– Tempo de espatulação – 1 minuto
– Tempo de presa – 2 a 4,5 minutos