Reserva Natural das Dunas de São Jacinto

Revisado por Andre a 28 outubro 2018

A Reserva Natural das Dunas de São Jacinto é o oásis da Ria de Aveiro, mesmo depois de um incêndio que danificou uma parte razoável da sua mata. Corresponde a uma zona costeira delimitada a poente pelo oceano Atlântico e a nascente pela Ria de Aveiro. É constituída por praias, dunas móveis e fixas, matos de camarinha e pinhais e charcos artificiais de água doce. Foi criada em 1979, com vista a salvaguardar o ecossistema dunar e marginal da ria de Aveiro, separando esta do oceano e encontrando-se em excelente estado de conservação e equilíbrio. Aliás, fala-se destas dunas como as mais bem conservadas da Europa, apresentando um valioso património florístico e faunístico.

A Reserva Natural das Dunas de São Jacinto foi demarcada tendo em atenção preocupações de educação ambiental. Nesse sentido, foram constituídos itinerários e estações para observação da fauna e da flora, instalados equipamentos de apoio aos visitantes e criado um centro de acolhimento onde são fornecidas todas as informações necessárias para a descoberta e o usufruto desta zona protegida.

Actualmente a reserva está muito bem organizada, tendo até um bom parque de campismo. Podem fazer-se vários passeios a pé, com 3 horas de duração, por caminhos bem sinalizados.

Área: 666 hectares

Concelhos: Aveiro

Flora

A vegetação natural das dunas é constituída, entre outras, por camarinhas, de bagas agridoces comestíveis, o cardo-marítimo, o lindo narciso-das-areias, etc. Nas zonas de pinhal bravo existe uma abundante vegetação espontânea subarbustiva, salientando-se o samouco e a giesta. Zonas encharcadas e um pequeno charco mandado construir pela administração da Reserva enriqueceram a área com a vegetação que lhes é característica, como o amieiro, o choupo negro, o salgueiro-anão. Existe também um núcleo de pinheiro-manso, com grande densidade.

Foto: Praia de São Jacinto (Aveiro)

Fauna

As preocupações com a preservação da fauna levaram à construção de um charco artificial com cerca de 8 hectares, para abrigo de aves da Ria, sobretudo das diversas espécies de patos que no Inverno aqui se juntam aos milhares. Mais de 80 espécies de aves foram recenseadas na área da Reserva, entre as quais a águia de asa redonda. Podem também ser observadas aves como o chapim real e o carvoeiro, o pato real e a marrequinha.

Raposas, ginetas, texugos e ouriços-cacheiros também têm aqui um ambiente favorável à sua preservação.