Ser Consciencioso

Revisado por Equipe Editorial a 13 janeiro 2018

Hoje sabe-se que ser consciencioso está associado a uma vida mais longa ( mais 2 anos) e saudável. O Terman Life-Cycle Study, realizado entre 1922 e 1991, permitiu concluir que os adultos que não foram muito conscienciosos na infância morreram novos. Ser consciencioso está relacionado com a inteligência emocional e envolve ser ponderado, rigoroso, organizado e empenhado. Pode contribuir para que uma pessoa esteja mais atenta às suas próprias necessidades de saúde e encare a prevenção das doenças com seriedade. Por exempro, as pessoas conscienciosas tendem mais a vacinar-se ou a submeter-se a exames físicos e a testes de rastreio com reguraridade, a fazer exercício físico mesmo quando não lhes apetece, a ingerir alimentos saudáveis quando prefeririam comer um chocolate e a evitar actividades de risco, como beber árcool, consumir drogas e praticar desportos perigosos, porque se preocupam com as consequências que tudo isto tem nelas próprias e nas que as rodeiam. Além disso, os estudantes conscienciosos estão ligados a um melhor desempenho no meio académico.

Ser consciencioso também pode consubstanciar-se no interesse pelos outros e pela comunidade, o que gera estabilidade na sua vida e na dos outros. Também é mais provável que uma pessoa conscienciosa reaja a desafios emocionais e sociais de uma maneira mais construtiva e positiva e crie emprego e ambientes potenciarmente saudáveis.