Sintomas de bursite

A bursite é um problema bastante habitual em pessoas que realizam muitos movimentos repetitivos no seu dia-a-dia, sendo por isso uma doença muito associada a várias profissões ou atividades desportivas. Neste artigo poderá conhecer um pouco melhor sobre a bursite e os seus sintomas, e ainda, qual o tratamento mais adequado para este problema.

Bursite Olecraniana

Bursite – o que é

A bursite caracteriza-se pelo desenvolvimento de uma inflamação nas bursas, também denominadas de bolsas sinoviais, provocando dor e dificuldade em utilizar uma determinada articulação. Esta é uma doença que ocorre geralmente na zona de articulações que realizam repetição de movimentos, sendo por isso mais comum no quadril, nos cotovelos ou nos ombros, podendo ainda ocorrer nos calcanhares, nos joelhos e no dedo grande do pé.

Sendo um problema associado à repetição de movimentos, as causas mais comuns estão relacionados com atividades que requeiram movimentos em posições ou articulações que possam provocar danos nas bursas. Assim, as causas mais frequentes da bursite incluem situações como ficar grandes períodos de tempo sentado em locais duros e desconfortáveis, estar muito tempo de joelhos ou apoiado nos cotovelos, lançamento de bolas, levantamento de pesos repetidamente sobre a cabeça, e ainda, o uso excessivo e repetido das articulações em atividades como escrever ao computador, pintar, costurar, etc.

Há ainda situações de bursite causadas por traumas ortopédicos, sendo que as bursas mais próximas da pele, como o caso dos joelhos e cotovelos, têm maior risco de ocorrência por este motivo. Contudo, as outras articulações podem também desenvolver bursite com pancadas, choques ou quedas. Por fim, a bursite pode também ser causada pela existência de gota, problemas reumatológicos, e ainda, pelo surgimento de alguma infeção na zona da articulação.

Sintomas de bursite

Os sintomas de bursite podem variar, dependendo da zona afetada pela inflamação. Contudo, de uma forma geral, os sintomas incluem:

  • dificuldade em mover a zona da articulação afetada;
  • dor no toque ou durante o movimento da articulação;
  • inchaço.

Tratamento para bursite

O tratamento da bursite depende sempre da gravidade dos sintomas, contudo, a primeira fase envolve geralmente algumas medidas simples receitadas pelo médico. Estas incluem aplicação de gelo na zona inflamada diariamente (por norma, com uma duração de 20 minutos), repouso, e ainda, a toma de medicamentos anti-inflamatórios e analgésicos. Estas medidas são normalmente suficientes para tratar a bursite. Contudo, quando mesmo assim os sintomas não aliviam, são necessárias outras formas de tratamento. Estas incluem:

  • Fisioterapia: O médico pode receitar sessões de fisioterapia, que terão como objetivo reduzir a dor e fortalecer os músculos da região afetada. As sessões de fisioterapia iniciam com a utilização de aparelhos específicos, mobilização articular e exercícios de alongamento, de modo a reduzir a inflamação e a dor. Numa segunda fase, em que a dor já é menor, as sessões irão focar-se também no fortalecimento muscular da zona envolvida.
  • Medicação: Caso a inflamação tenha origem numa infeção bacteriana, o médico irá receitar a toma de um medicamento antibiótico.
  • Injeções de corticosteroides: Nalgumas situações pode ser necessário realizar uma injeção de corticosteroide na zona afetada para reduzir a inflamação e a dor. Este tratamento é sinônimo de alívio quase imediato da dor, podendo em muitas situações ser o suficiente para tratar o problema.
  • Punção: Esvaziamento do líquido traumático ou inflamatório das bursas.
  • Cirurgia: Caso o tratamento conservador não for suficiente para melhorar a bursa inflamada, poderá tratar-se o problema com uma cirurgia.
  •  Solução caseira para bursite

A bursite não é um problema que se cure de um dia para o outro, e como tal é necessário o paciente empenhar-se no seu tratamento, de acordo com as instruções do seu médico. Dependendo da gravidade da inflamação e dos sintomas, mas também, do próprio ritmo natural do indivíduo, a cura pode surgir num espaço médio de 6 meses.

Após a cura do problema, o paciente deve realizar exercícios físicos recomendados pelo médico, de forma a fortalecer a área afetada e assim, prevenir o surgimento de novos episódios.