12 Sintomas que podem indicar um Aborto e o que fazer

Atualizado e Revisado por Dr Wesley Timana (Ginecologista e Obstetra - CRM-PR -30998) a 07/08/2019. Publicado originalmente em 03/05/2019

Este guia educativo tem o objetivo de identificar os primeiros sinais de aviso de um aborto aos quais a mulher deve estar atenta. Caso perceba algum dos sintomas descritos é importante a mulher consultar o médico ou dirigir-se a uma urgência hospitalar, onde será observada para identificar ou descartar a presença de um aborto espontâneo. Saiba mais.

Os abortos espontâneos são eventos muito presentes na vida de algumas mulheres. Boa parte das mulheres sofre um aborto mesmo sem saber que estava grávida, já que, nas primeiras semanas de gestação, existe alguma fragilidade.

A Presença De Sangue Com Coágulos Pode Ser Sinal De Aborto Espontâneo

Sinais de aviso

Existem alguns sinais típicos, no entanto, que podem estar associados a esse tipo de aborto – que acontece até à vigésima semana de gestação. Alguns desses sintomas incluem a febre acompanhada de calafrios; os corrimentos vaginais associados a um mau odor; perda de sangue excessivo pela vagina que pode vir acompanhada de cólicas; perda de líquidos através do canal vaginal; sangue coagulado saindo pela vagina e cefaleia intensa.

Quando o feto já se movimenta dentro da barriga da mãe, a ausência de movimentos por longos períodos também pode indicar um aborto – no caso de gestações mais avançadas.

A lista completa de sintomas inclui:

  • Sangramento vaginal, que pode variar de um corrimento acastanhado ou vermelho vivo leve, a uma hemorragia mais intensa.
  • Cólicas e dor abdominal
  • Febre
  • Dor nas costas leve a intensa
  • Perda de peso
  • Descarga de fluidos pela vagina
  • Descarça de muco branco-rosa
  • Descarga de tecidos ou sangue em coágulos pela vagina
  • Sensação de fraqueza e tonturas
  • Contrações uterinas que ocorrem a cada 5 a 20 minutos
  • Diminuição repentina dos sinais de gravidez (mudanças nos seios, por exemplo).

Um aborto espontâneo pode ocorrer de forma inesperada e sem motivos aparentes, visto que o início da gravidez, por si só, possui algumas complicações inerentes. Além disso, problemas na formação fetal ou comportamentos nocivos realizados pela gestante (consumo de álcool ou drogas) também podem contribuir para um aborto.

Doenças preexistentes, como por exemplo a hipertensão e a diabetes, também fazem com que as chances de aborto aumentem, sendo essencial que estejam controladas durante a gravidez, a fim de evitar sustos indesejados.

O acompanhamento ginecológico durante toda a gravidez também é imprescindível para que o especialista consiga realizar exames periódicos que consigam identificar problemas que poderiam levar a um aborto espontâneo.

12 Sintomas Que Podem Indicar Um Aborto

O que fazer em caso de suspeita

É fundamental que as mulheres grávidas que apresentem algum dos sintomas listados acima, procurem rapidamente um médico para analisar a possível ocorrência de um aborto.

Todos os sintomas devem ser relatados ao especialista – que poderá realizar alguns exames de imagem para confirmar o diagnóstico. Dependendo do resultado dos exames, o médico pode indicar repouso ou prescrever alguns medicamentos.

Para as mulheres que não sabem se estão grávidas e que se encontram em idade fértil com atividade sexual, também é importante eliminar a possibilidade de aborto espontâneo caso ocorram alguns dos sintomas indicados acima.

Como evitar um aborto –  6 conselhos para evitar essa perda

Ainda que boa parte dos abortos espontâneos surja de forma não-programada, é possível realizar algumas medidas de precaução para evitar possíveis danos ao bebê no início da gestação.

As bebidas alcóolicas, por exemplo, não são recomendadas a gestantes, nem em doses pequenas. Da mesma forma, os cigarros devem ser evitados, pois possuem substâncias nocivas à saúde fetal (e geral).

Alguns medicamentos, ainda que tomados anteriormente, podem apresentar riscos às mulheres grávidas. Portanto, além de consultar o médico, é importante a mulher estar sempre atenta às bulas dos medicamentos para perceber se é permitida a sua utilização em caso de gravidez.

As grávidas, sobretudo no início da gestação, devem praticar exercícios leves – na companhia de um profissional e, da mesma forma, participar ativamente na realização de um pré-natal para acompanhar o desenvolvimento do feto.

Os exercícios excessivos podem contribuir significativamente para a possibilidade de aborto – é fundamental não realizar ações ou movimentos bruscos. Além disso, a alimentação é muito importante, sobretudo porque muitas mulheres enjoam muito no início da gravidez e, com isso, acabam desnutridas.

As mulheres com doenças preexistentes no aparelho reprodutor devem ser sempre acompanhadas por um ginecologista, pois podem apresentar maiores complicações no início da gravidez.

Tipos de aborto

De acordo com o período da gravidez em que ocorrem, os abortos podem ser classificados da seguinte forma:

  • Aborto espontâneo precoce: ocorre antes da décima segunda semana de gestação.
  • Aborto espontâneo tardio: acontece após a décima segunda semana de gestação.

Vale lembrar que, em alguns casos, o aborto pode ser induzido pelo médico, quando é identificada uma má-formação fetal ou quando o mesmo oferece riscos à saúde materna.

Quando a mulher sofre um aborto, o conteúdo uterino pode sair inteiramente ou não. Tendo isso em vista, em relação ao seu conteúdo, os abortos são classificados como:

  • Aborto incompleto: ocorre o desligamento parcial do conteúdo do útero, sendo expulso através do canal vaginal.
  • Aborto completo: ocorre o desligamento total do conteúdo do útero, sendo expulso através do canal vaginal.
  • Aborto retido: ocorre quando o feto já está morto no útero há mais de quatro semanas e ainda não foi expulso. Esses casos são extremamente perigosos, pois podem proporcionar infecções à gestante.

Legalização do aborto no Brasil

De modo geral, o aborto não é legalizado no Brasil, mas a regra possui apenas algumas exceções. A mulher consegue abortar de forma legal se conseguir provar que possui em seu ventre um feto que não terá condições de sobrevivência fora do útero, como em casos de doenças congênitas graves, como a anencefalia – quando o feto não possui cérebro.

A mulher também consegue o direito de abortar quando a gravidez oferece riscos à sua própria vida ou quando é uma gravidez originada por um abuso sexual. Vale lembrar que as vítimas de abuso sexual devem procurar imediatamente apoio psicológico e médico a fim de garantir a medicação que pode impedir uma gravidez ou mesmo uma doença sexualmente transmissível.

Para estes casos, a decisão será acordada com o Supremo Tribunal Federal, que orientará a mulher para o procedimento do aborto.

Em todos os outros casos, o aborto em solo brasileiro figura como crime e é passível de punição para a mulher que o pratica e para a clínica que o realiza.

O que acontece após o aborto

Após um aborto, a paciente deve passar por um exame detalhado com o objetivo de verificar se o conteúdo foi totalmente expulso do útero. Se ainda houver vestígios, será realizada uma curetagem para que a mulher não sofra o risco de infecções.

Há casos em que o médico indica medicação via oral capaz de expulsar os restos do embrião, a fim de evitar um procedimento cirúrgico mais invasivo como a curretagem.

O acompanhamento durante a gravidez

A gravidez é um período delicado na vida de qualquer mulher, por isso é fundamental que a paciente identifique a gestação o quanto antes, a fim de realizar os devidos procedimentos e cuidados que poderão garantir o sucesso da gestação.

O acompanhamento periódico é capaz de realizar os exames necessários para garantir a saúde do feto e da mãe, para evitar qualquer sofrimento de ambas as partes.


Referências
  • Miscarriage: Signs, Symptoms, Treatment and Prevention
    https://americanpregnancy.org/pregnancy-complications/miscarriage/
Autores
Dr Wesley Timana (Ginecologista e Obstetra - CRM-PR -30998)

Ginecologista e Obstetra - CRM-PR: 30998 , RQE Nº: 20428 | CRM-SC: 24905 , RQE Nº: 15506

O Dr. Wesley Jose Timana Yovera é um médico jovem e carismático formado pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná com especialização em ginecologia e obstetrícia pela Santa Casa de Misericórdia de Curitiba.

Consultar Currículo Lattes

Desenvolveu já no início da sua carreira o Espaço Timana - uma clínica voltada ao atendimento de excelência. Sempre multiconectado e influente no Facebook e Instagram, possui mais de 3 milhões de visualizações no YouTube, com vídeos que trazem ao público informação de qualidade dentro do universo feminino.

Selecionado por diversos projetos como médico do futuro sempre assiste as mulheres com respeito, carinho e atenção. É adepto da Slow Medicine (Medicina Sem Pressa) - uma forma humanizada de fazer medicina que aproxima pacientes e profissionais da saúde.

Com registro no Conselho Regional de Medicina do Paraná n° 30.998, atende atualmente em consultório particular, Av. Visconde de Guarapuava, 2764 - Centro - Curitiba - Tel. (41) 3503-9333 / 9.9995-5117.

O Dr. Wesley também pode ser encontrado no Linkedin, Facebook, Intagram e YouTube como Dr. Wesley Timana.

A informação foi útil? Sim / Não

Ajude-nos a melhorar a informação do Educar Saúde.

O texto contém informações incorretas? Está faltando a informação que você está procurando? Se ficou com alguma dúvida ou encontrou algum erro escreva-nos para que possamos verificar e melhorar o conteúdo. Não lhe iremos responder diretamente. Se pretende uma resposta use a nossa página de Contato.


Nota: O Educar Saúde não é um prestador de cuidados de saúde. Não podemos responder a perguntas de saúde ou aconselhá-lo nesse sentido.