Saiba como Identificar os Sintomas da Tricomoníase

Revisado por Dr. Wesley Timana. Publicado em 7 de fevereiro de 2019

Transmitida pelo protozoário Trichomonas vaginalis, a tricomoníase merece algum grau de atenção. Isso porque o não tratamento da doença pode gerar graves complicações para os pacientes. Diante disso, é fundamental que homens e mulheres aprendam a identificar os sintomas da tricomoníase, que incluem, dor e ardor durante a micção, desejo constante de urinar, secreção da uretra, coceira e irritação no interior do pênis.

Essa aprendizagem diminui o tempo de uma consulta e possível confirmação do diagnóstico, que pode ser feito pelo urologista (no caso dos homens) ou ginecologista (no caso das mulheres) através de alguns exames físicos e análises de laboratório.

Entenda que, quando tratada a tempo a doença oferece um índice de cura bastante elevado. A prescrição comum nestes casos geralmente inclui a administração de medicamentos antibióticos. O Metronidazol e o Tinidazol são alguns exemplos.

Este Guia tem o objetivo de apresentar as manifestações mais comuns desencadeadas pelo parasita trichomonas vaginal e assim acelerar a identificação e o tratamento da infecção.

Saiba Como Identificar Os Sintomas Da Tricomoníase Na Mulher

Os 7 Principais Sintomas

O quadro sintomático de homens e mulheres exibe algumas diferenças. No corpo feminino a tricomoníase pode causar:

  • dores durante a liberação da urina;
  • cor avermelhada muito intensa na região da vagina;
  • aumento da necessidade de ir ao banheiro para urinar;
  • corrimentos com cheiro forte, fétido e coloração atípica (a secreção assume uma cor acinzentada, esverdeada, amarelada ou esbranquiçada; qualquer uma delas indica que há uma anormalidade);
  • aparecimento de vestígios de sangue oriundos da vagina;
  • ardência na área da vagina seguida de coceira insistente no local.

Some-se a todos esses sintomas as dores que a mulher com a infecção tende a sentir durante a atividade sexual, que prejudica bastante a qualidade do relacionamento afetivo com o parceiro, além de gerar frustração e ansiedade. Entenda O que fazer para aliviar os sintomas e curar a tricomoníase.

O aumento da baixa-autoestima pode levar a mulher a ficar mais propensa a desenvolver transtornos psicológicos, como a depressão e, equivocadamente, levá-la a acreditar que é incapaz de proporcionar prazer ao parceiro.

Nos homens afetados, a doença costuma manifestar-se através de:

  • grande necessidade de urinar quase o tempo todo;
  • liberação de uma secreção com odor desagradável;
  • ardência ao ejacular o esperma e também durante a saída da urina;
  • coceira persistente na região genital.

A falta de sinais indicativos da doença atrasa o início do tratamento, tornando o diagnóstico muito tardio. Cerca de 7 em cada 10 pessoas não apresentam sinais de infecção.

Aprenda A Identificar Os Sintomas De Tricomoníase No Homem

Como é realizado o Diagnóstico

A presença de algum sintoma indica que o indivíduo deve consultar o urologista (para homens) ou ginecologista (para mulheres) imediatamente.

Inicialmente o médico realiza um exame físico. Em seguida são realizados alguns testes simples (coleta de urina, ou um esfregaço nos genitais, para colher amostras das secreções do pênis ou vagina), que posteriormente são analisadas em laboratório.

A realização dessa análise laboratorial é praticamente obrigatória para concluir o diagnóstico. Afinal, o quadro sintomático característico da tricomoníase também é comum a outras patologias.

Como é feito o tratamento

O tratamento da tricomoníase é realizado com base na administração de substâncias antibióticas capazes de combater o protozoário causador da doença. Dois dos remédios mais receitados são o Tinidazol e o Metronidazol.

  • Tinidazol: elimina e impede a multiplicação dos protozoários causadores da doença (também é usado em outras doenças venéreas).
  • Metronidazol: pode ser prescrito em pomada ou comprimidos. Existem versões de dose única que são por vezes o suficiente, embora possa ser necessário outro tipo de versão e administração.

Pelo fato de a tricomoníase ser uma DST, os parceiros envolvidos no tratamento não podem manter nenhum tipo de relação sexual durante o processo de cura. Mesmo depois da finalização do tratamento, é recomendável que a prática sexual só retorne 8 dias depois. Essas precauções são vitais para que a cura seja completa e, inclusive, para evitar novas contaminações durante a terapia. O consumo de álcool e outras substâncias também está proibido durante o tratamento, já que interfe na ação do medicamento.

Caso a pessoa infectada tenha múltiplos parceiros sexuais, o ideal seria informar cada um deles sobre o problema. Dessa forma, todos poderão passar pelo diagnóstico e tratamento (se necessário).

O tratamento da Trichomonas vaginalis não deve ser ignorado, uma vez que aumenta a probabilidade de contaminação de outras DSTs, como a gonorreia e a AIDS.  No caso das gestantes que contraiam o parasita, existe também o risco real de o bebê nascer com alguma malformação ou de forma prematura. Conheça mais sobre o tratamento da tricomoníase.

Como foi possível perceber neste Guia, trata-se de uma doença por vezes silenciosa e que pode provocar consequências preocupantes, principalmente durante a gravidez. Saber identificar os sintomas diminui significativamente o tempo do início do tratamento.

A maneira mais fácil de evitar possíveis DSTs é a sua prevenção, através da profilaxia (uso de preservativos ou outros métodos de barreira).

A informação foi útil? Sim / Não

Ajude-nos a melhorar a informação do Educar Saúde.

O texto contém informações incorretas? Está faltando a informação que você está procurando? Se ficou com alguma dúvida ou encontrou algum erro escreva-nos para que possamos verificar e melhorar o conteúdo. Não lhe iremos responder diretamente. Se pretende uma resposta use a nossa página de Contato.


Nota: O Educar Saúde não é um prestador de cuidados de saúde. Não podemos responder a perguntas de saúde ou aconselhá-lo nesse sentido.

Referências
  • Hobbs, M., Seña, E.C., Swygard H. & Schwebke, J. (2008) Trichomonas vaginalis and Trichomoniasis. In: KK Holmes, PF Sparling, WE Stamm, P Piot, JN Wasserheit, L Corey, MS Cohen, DH Watts (editors). Sexually Transmitted Diseases, 4th edition. New York: McGraw-Hill, 771-793.
  • Ministério da Saúde
  • American Sexual Health Association (ASHA)
  • Mayo Clinic
  • Centers for Disease Control and Prevention (CDC)
Autores
Dr. Wesley Timana

Ginecologista e Obstetra - CRM-PR: 30998 , RQE Nº: 20428 | CRM-SC: 24905 , RQE Nº: 15506

O Dr. Wesley Jose Timana Yovera é um médico jovem e carismático formado pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná com especialização em ginecologia e obstetrícia pela Santa Casa de Misericórdia de Curitiba.

Consultar Currículo Lattes

Desenvolveu já no início da sua carreira o Espaço Timana - uma clínica voltada ao atendimento de excelência. Sempre multiconectado e influente no Facebook e Instagram, possui mais de 3 milhões de visualizações no YouTube, com vídeos que trazem ao público informação de qualidade dentro do universo feminino.

Selecionado por diversos projetos como médico do futuro sempre assiste as mulheres com respeito, carinho e atenção. É adepto da Slow Medicine (Medicina Sem Pressa) - uma forma humanizada de fazer medicina que aproxima pacientes e profissionais da saúde.

Com registro no Conselho Regional de Medicina do Paraná n° 30.998, atende atualmente em consultório particular, Av. Visconde de Guarapuava, 2764 - Centro - Curitiba - Tel. (41) 3503-9333 / 9.9995-5117.

O Dr. Wesley também pode ser encontrado no Linkedin, Facebook, Intagram e YouTube como Dr. Wesley Timana.

Última atualização da página em 09/08/19