Tendinite Patelar

Também conhecida pelo joelho de saltador, a tendinite patelar é uma inflamação de uma determinada zona do tendão patelar, logo abaixo da rótula do joelho, que provoca dor e limitação.

Tendinite Patelar ou tendinite no joelho

O tendão, estrutura fibrosa responsável por unir osso e músculo, é no entanto o elo mais fraco em caso de sobrecarga de esforço.

Como tal, a repetição constante e regular de certos movimentos, especialmente o salto, pode levar ao desenvolvimento de uma inflamação do tendão patelar. Daí o nome de joelho de saltador.

Este é um problema que afeta sobretudo atletas de desportos de salto, como basquetebol, andebol, voleibol e algumas disciplinas de atletismo.

Contudo, pode também afetar atletas de outros desportos, e ainda, pessoas que não praticam qualquer tipo de desporto.

A tendinite patelar, sendo geralmente provocada pela atividade física, inicialmente apenas é notada durante o exercício ou após um treino mais intenso.

No entanto, com a sua evolução, a dor começa a ser sentida em atividades normais do dia-a-dia, como sentar-se numa cadeira ou subir escadas, entre outros.

Neste artigo poderá conhecer melhor este problema: causas, sintomas, diagnóstico e como tratar a tendinite patelar.

Confira ainda um remédio caseiro que pode ajudar no tratamento deste problema.

Causas da tendinite patelar

A tendinite patelar é um problema mais frequente em jovens adultos atletas, estando associada a movimentos repetitivos de contração extrínseca (quando o músculo está contraído e alongado ao mesmo tempo) do quadríceps femoral (mecanismo extensor do joelho), e à flexibilidade reduzida do músculo posterior da coxa (isquiotibial).

Como referimos em cima, a utilização repetida e regular do salto, com a presença das condições aqui mencionadas, irá levar ao surgimento de uma inflamação do tendão patelar na zona abaixo da rótula.

Além de atletas de salto, há ainda desportos que causam stress no tendão da patela, podendo assim também provocar a sua inflamação.

Atividades como ciclismo, corrida, futebol, etc., podem também ser causadores deste problema.

Por fim, há ainda causas não relacionadas com a prática desportiva, que podem também estar por detrás do desenvolvimento de uma tendinite patelar.

Pessoas que possuam um desalinhamento nos seus membros inferiores, como pé chato, quadris mais largos ou joelhos valgos, têm maior risco de desenvolver este problema.

Sintomas da tendinite patelar

Numa fase inicial, a tendinite patelar caracteriza-se por apresentar uma “impressão” ou dor ligeira, na zona inferior da patela, especialmente após a realização de atividade física.

Dor e inflamação da tentinite da patela

Com o seu agravamento, a dor torna-se mais intensa e pode começar a surgir durante o exercício, limitando o desempenho desportivo, e ainda, durante atividades rotineiras do dia-a-dia. Além da dor há ainda outros sintomas. Confira:

  • sensibilidade e dor na zona do tendão patelar;
  • hematoma e edema na zona onde o tendão patelar se une ao osso da perna ou no joelho;
  • dor e dificuldade em dobrar e esticar a perna durante o movimento de caminhar, correr ou saltar;
  • dor ao subir e descer escadas;
  • sensibilidade na zona atrás da patela.

Como diagnosticar a tendinite patelar

Caso haja a suspeita de existência de tendinite patelar, o médico ortopedista irá fazer a observação clínica dos sintomas e avaliar o historial do paciente.

Para complementar o diagnóstico, são geralmente pedidos exames como o raio-x, a ultrassonografia ou a ressonância magnética.

O raio-x é o mais habitual, sendo a ultrassonografia mais utilizada em casos onde há a necessidade de um exame de confirmação.

Por fim, a ressonância magnética é mais indicada para os casos crônicos ou em preparação para a cirurgia.

Após a confirmação do problema, o médico irá então definir o tratamento mais adequado.

Como tratar a tendinite patelar

Para a maioria dos casos de tendinite patelar, o tratamento conservador é suficientemente eficaz para curar o problema.

Este inclui repouso e alteração do tipo e intensidade de treino, crioterapia, medicação e fisioterapia. Confira de seguida cada uma das vertentes do tratamento para a tendinite patelar.

Crioterapia

A crioterapia, ou seja, aplicação de gelo, deve ser realizada 3 a 4 vezes por dia, durante cerca de 15 a 20 minutos. A aplicação das compressas geladas irá ajudar a diminuir a inflamação e reduzir a dor.

Não se esqueça de evitar colocar o gelo diretamente na pele, para não queimar.

Medicamentos

Outra forma de ajudar a reduzir a inflamação e aliviar os sintomas é através de toma de medicamentos anti-inflamatórios e analgésicos.

Diclofenaco e Ibuprofeno, mas também cremes como o Reumon ou o Voltaren, são muito úteis nestes casos, podendo ser de toma oral ou aplicação tópica.

Repouso e modificação do tipo e intensidade da atividade física

O repouso e a alteração de hábitos de treino são essenciais para evitar o agravamento da tendinite, e assim, promover a recuperação do tendão.

A manutenção dos mesmos exercícios irá continuar a esforçar o joelho e o tendão, podendo a inflamação tornar-se crônica, com necessidades terapêuticas maiores, como a injeção de corticoides, ou até mesmo cirurgia.

Fisioterapia para tendinite patelar

A fisioterapia é uma importante vertente do tratamento para a tendinite patelar, pois além de ajudar a aliviar a inflamação e a dor, irá reabilitar o tendão e a musculatura envolvente.

Geralmente o tratamento fisioterapêutico inclui a realização exercício de fortalecimento muscular do joelho, exercícios de alongamento e crioterapia.

Pode ainda incluir a realização de uma técnica denominada de iontoforese e a aplicação de uma cinta no joelho.

A iontoforese  consiste na aplicação de um medicamento corticoroide na zona afetada, que de seguida é estimulada com uma carga elétrica dada por um aparelho específico, de modo a facilitar a absorção dos princípios ativos.

Já a cinta aplicada no joelho irá realizar uma determinada pressão na patela.

Além do tratamento terapêutico, é ainda fundamental os pacientes serem orientados para realizarem sempre alongamento antes e depois da atividade física.

Tendo em conta as características deste tipo de tendinite, os exercícios mais adequados são aqueles que alongam a musculatura flexora no lado posterior e anterior da coxa.

Kinesio Taping

Kinesio taping para tendinite patelar com a aplicação de um curativo para apoiar a patela

Kinesio taping para tendinite patelar com a aplicação de um curativo para apoiar a patela

Cirurgia para a tendinite patelar

Apesar de não ser muito frequente, a cirurgia pode também ser uma solução terapêutica.

Contudo, é apenas utilizada em casos crônicos, reincidentes ou quando o tendão está muito danificado, e quando o tratamento conservador não dá sinais de conseguir a remissão dos sintomas.

Remédio caseiro para tendinite

Além do tratamento médico para a tendinite patelar, há ainda algumas soluções caseiras que podem ser muito úteis.

O alecrim possui substâncias anti-inflamatórias na sua composição, sendo por isso utilizado para ajudar a reduzir quadros de inflamação. Confira a receita.

Ingredientes:

– alecrim (150 g);

– dois litros de água.

Como preparar:

Numa panela coloque a água e o alecrim e leve ao lume. Depois de deixar levantar fervura, mantenha assim durante 10 minutos.

No final desligue e deixe arrefecer até ficar uma temperatura morna. Use esse líquido para banhar a zona afetada, duas vezes ao dia.

Pode também molhar compressas com este chá e aplicar no local durante cerca de 15 a 20 minutos.

Para tornar este tratamento mais eficaz, deve depois aplicar uma compressa gelada nesse local por mais 15 a 20 minutos.

É importante referir que este remédio caseiro deve apenas ser usado como complemento, e nunca como substituto do tratamento indicado pelo médico.